“Da janela v-se o Corcovado, o Redentor, que lindo!”, dizia Jobim, na Era da Bossa Nova

Tom Jobim com sua primeira esposa Teresa Hermanny | Msicas mpb, Tom jobim,  Esposa

Tom fez a cano para sua mulher, Teresa Hermanny

Paulo Peres

Poemas & Canes

O arranjador, instrumentista e compositor carioca Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim (1927-1994), na letra da msica Corcovado, faz um retrato do Rio de Janeiro visto da janela do apartamento em que morava em Ipanema, na Rua Nascimento Silva, 107, de onde se avistava o Corcovado e se podia sonhar em encontrar um grande amor e, consequentemente, faz-lo conhecer o que a felicidade, depois de sonhos, tristezas e descrenas deste mundo.

CORCOVADO
Tom Jobim

Um cantinho, um violo
Esse amor, uma cano
Pra fazer feliz a quem se ama

Muita calma pra pensar
E ter tempo pra sonhar
Da janela v-se o Corcovado,
O Redentor que lindo!

Quero a vida sempre assim
Com voc perto de mim
At o apagar da velha chama

E eu que era triste
Descrente deste mundo
Ao encontrar voc eu conheci
O que felicidade meu amor

3 thoughts on ““Da janela v-se o Corcovado, o Redentor, que lindo!”, dizia Jobim, na Era da Bossa Nova

  1. Quando eu tinha 19 para 20 anos, fui junto com Aldir Blanc. Paulo Coelho e Raul Seixas at casa do Maestro Tom Jobim. Eles eram ntimos de Tom. Eu no o conhecia pessoalmente. Por isso, fiquei sem jeito e muito tmido, ainda que nunca tive timidez.

    Fomos recebidos com muito usque. Muito mesmo.. Me lembro que era Logan a marca do usque. Em dano momento o Aldir disse ao maestro, apontando para mim “este aqui o Jorge e sabe tocar piano”.

    Imediatamente o maestro me sentou no banco do imponente Steinway preto de cauda inteira e eu toquei a Valsa do Adeus, de Chopin.

    “Voc toca bem, Jorge. S aconselho e no colocar muito pedal”. Foi o que tive a honra de ouvir do grande maestro.

    Em dado momento, tomei a liberdade e perguntei a ele — isso era 1965, 1966, por a —-:

    “Mestre, que me diz dessas msicas que andam tocando por a?”.

    “Msica?. Isso no msica, Isso apurrinhola. Isso barulho”, respondeu Tom.

    E em seguida, pegou o cinzeiro cheio de guimba de cigarro e jogou no cho de mrmore. Fez um barulho a queda do cinzeiro de vidro no cho de mrmore. E ele virou-se para mim e disse:

    “Ouviu o barulho, Jorge? isso que andam tocando por a”.

    Foi uma noite inesquecvel e sublime. Era s Cultura, Cultura e Cultura. E muita Sensibilidade, Criatividade e Genialidade.

  2. Recordando, mil vezes, msicas e letras de Tom Jobim, estou convencido, mais do que nunca, para sempre, que o ilustre e competente brasileiro um gnio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.