Daniel Silveira defende intervenção militar, sem saber o que verdadeiramente significa

Resultado de imagem para daniel silveira charges

Daniel Silveira deve ser considerado um -analfabeto político

Silvio J.B. Maia

Os políticos e tais, como esse deputado halterofilista, volta e meia falam em intervenção militar, mas não é para aprimorar a gestão do país, pois ele visam apenas a assegurar seus interesses. Sabem as consciências dignas, patriotas e esclarecidas, que esta ação – de alta ascendência moral e grande respeitabilidade – só pode dar-se a juízo e execução exclusivos das Forças Armadas, de modo total e não parcial.

Porque a intervenção, conforme é reconhecida inclusive constitucionalmente, como poder emergencial à parte, só pode destinar-se à remoção e substituição de todo o sistema institucional brasileiro e seus integrantes, porque inadmissível uma intervenção militar parcial, posto que atestaria inaceitável falha no sistema, que, por isso mesmo não poderia ser aí consertado por uma intervenção militar parcial, mas apenas removido, por imprestabilidade irreparável, para substituição por outro novo, na minha visão.

DIGNIDADE X CORRUPÇÃO – Este de fato é o grande combate transicional evolucional desse final cíclico. Embora estejamos num ciclo nascido perdedor (com 2/3 de joio para 1/3 de trigo), em que o trigo deixou muito a desejar em seu trabalho de influenciação, e o joio muito pouco fez por sua própria melhoria moral, por qualidade ser uma coisa e quantidade outra, a expressão final desse ciclo dependerá do brilho evolutivo de cada banda dessas: Dignidade X Corrupção.

E então os ascendentes (planeta e habitantes escolhidos, os sobreviventes) enfim farão parte da vitória da luz.

3 thoughts on “Daniel Silveira defende intervenção militar, sem saber o que verdadeiramente significa

  1. Os EUA têm 50 Estados uma população com mais de 350 milhões de habitantes. Sabem quantos senadores tem lá? 100 senadores. Aqui nós somos 26 Estados e um DF, temos 81 Senadores. Precisamos mudar radicalmente tudo, recriar essa republica e não se faz isso com eleição de dois em dois anos. A primeira coisa a se fazer é acabar com eleição de dois em dois anos, com urnas eletrônicas não diferença nenhuma o eleitor também votar em prefeito e vereador. É um custo absurdo para o país essas eleições. Depois tem que rever o sistema de freio contra peso que simplesmente não existe aqui, portanto é preciso fechar o atual STF, essa vergonha mundial, são bandidos que estão lá.
    Só se faz isso com força, não se faz isso com paz e amor é impossível. Então só mesmo uma intervenção para tentar recriar esse país, o resto é conversa de malandros que querem que tudo continue do mesmo jeito para eles sempre eles roubarem a vontade. Pergunta se Sarney quer que mude? Pergunta se Collor quer que mude? Pergunta se FHC quer que mude? Pergunta se Luladrão quer que mude? Pergunta se a Dilma anta quer que mude? Pergunta se Temmer quer que mude? Pergunta se Bolsonaro o mais novo aliado dos esquerdistas comunistas que indica Augusto Aras e Kassio com “K” quer que mude?
    Como o povo não tem organização para uma guerra civil e muito menos armas então só nos resta a esperança de que os Generais que não são melancias tenham coragem e façam o que é certo.
    Ah país vagabundo.

Deixe uma resposta para Gregório Abrantes de Lacerda Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *