De olho no mundo: a globalização não está agradando

Gelio Fregapani

Ensaiada por mais de duas décadas, a globalização não agradou nem a população dos EUA, como demonstra o “Occupy Wall Street”, e o mundo está entrando numa fase de  “protecionismo” mercantilista.  A China, o Brasil e Estados Unidos já impõem um mínimo (elevado) de produção local para empresas que queiram vender algo em seus territórios Os últimos países a compreenderem isso serão os mais prejudicados.

A própria teoria dos blocos econômicos claudica. A União Européia se desagrega, e o Mercosul funciona mais pela afinidade política dos atuais chefes de governo do que pela lógica dos ganhos de escala ou comércio intrabloco.

Todos os países procurarão a autossuficiência. Os mais aptos serão os que contarem com grandes extensões territoriais, com recursos naturais e mercado próprios. Os pequenos países, sem esses fatores, só conseguirão manter sua autonomia se conseguirem viver das remessas de lucro de suas multinacionais.

Israel X Palestina – Não há solução a vista a não ser, talvez, com a criação de um Estado palestino autonomo e independente. Também não adianta fazer julgamentos; todos tem suas razões. O mais importante é prever os acontecimentos para que o Brasil possa evitar ser afetado e contribuir, dentro do conveniente, para que haja paz.

Acredita-se que Israel tenha retardado um ataque ao Irã na esperança de um apoio maior em caso da eleição de Rommey. Com Obama reeleito, esse ataque fica mais difícil.

Armadilha? – Cada vez são maiores as desconfianças que o atentado às Torres Gemeas possa ter sido incentivado ou mesmo montado para provocar um novo Pearl Harbour, assim como teria sido a explosão do Maine em Havana, para criar o clima favorável à guerra Hispano-americana.

CIA – O que há por trás? Teria a demissão do Gen. Patraeus sido causada apenas por uma aventura extraconjugal? O episódio parece nebuloso. Petraeus era o militar estadunidense mais celebrado, em mais de uma década, sendo cotado como eventual candidato presidencial. Talvez seja apenas um episódio da feroz luta que se trava nas entranhas do Establishment, mas também pode indicar uma mudança da estratégia estadunidense.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *