De uma só tacada, João Doria critica Lula, Aécio, Goldman e José Anibal

Resultado de imagem para joao doria

Doria, cada vez mais deslumbrado consigo mesmo

Vera Magalhães
Estadão

O prefeito de São Paulo, João Doria Jr., afirmou nesta quinta-feira que não disputará, em nenhuma hipótese, prévias contra o governador Geraldo Alckmin para definir quem será o candidato do PSDB à Presidência. Doria também descartou deixar o partido e se filiar a outra sigla para se candidatar no ano que vem.

É a primeira vez que ele diz textualmente que não disputará prévias contra seu padrinho político. A declaração foi feita a esta colunista durante o programa “Olho no Olho”, em que, semanalmente, o tucano responde, por meio de sua página no Facebook, a perguntas de convidados e internautas.

NO ENTANTO… – O prefeito não descartou, no entanto, a possibilidade de ser candidato. Voltou a criticar Lula e o PT e traçou um perfil do candidato que acredita ser o mais indicado em 2018 que muito se assemelha ao dele.

Conforme informei na coluna da última quarta-feira, Alckmin lançará a campanha pela realização de prévias justamente como uma forma de tirar Doria do páreo.

Doria chamou Lula de “Luiz Inácio Mentiroso da Silva”. Respondeu ao ex-presidente, que o chamou de “um nada” em entrevista nesta quinta. Afirmou que prefere ser “um nada livre a ser ladrão”.

SAÍDA DE AÉCIO – O prefeito foi incisivo também ao defender a saída de Aécio Neves em definitivo do comando do PSDB e a abertura de espaço na executiva da legenda para representantes dos prefeitos e dos deputados.

Afirmou que não é um político de “muito muro e pouca decisão”, ao criticar a hesitação do PSDB em ficar ou deixar o governo Michel Temer e a demora em definir a troca de comando.

“Tá na hora de mudar a direção do PSDB. Não desrespeito o senador Aécio Neves, reconheço sua biografia, mas não tem o menor sentido ele permanecer na presidência do PSDB mesmo afastado.”

EXECUTIVA – Doria criticou duramente o suplente de senador José Anibal e o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman. Disse que depois da “onda” de vitórias de prefeitos “jovens e modernos” do PSDB em 2016 não faz sentido não ter nenhum representante dos prefeitos na Executiva.

“O que faz lá o Zé Anibal? Não tem voto, nem mandato, e está na Executiva. O que faz lá o Alberto Goldman? Não tem voto, não tem mandato.”

Sobre a possibilidade de trocar de partido, disse que não fará isso em hipótese alguma. “Sou um homem de um só partido. Não vou fazer casuísmo”.

SEM CHANCE – Diante da questão sobre prévias com Alckmin: “Não existe nenhuma possibilidade. Nenhuma. Eu não disputo contra Geraldo Alckmin. Alckmin é meu amigo há 37 anos. Prévia com Geraldo Alckmin não vou disputar, não existe hipótese”. Afirmou que “lealdade não se troca, não se negocia”.

Afirmou que “amanhã a gente pode avaliar circunstâncias”, abrindo uma brecha para uma eventual candidatura, mas nunca se precisar disputar com Alckmin. “Você não joga no lixo uma relação de 37 anos por nada.”

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Alckmin vive um momento de grande felicidade, porque Doria está absolutamente deslumbrado com o “sucesso” e vem criando cada vez mais inimigos no PSDB. Desse jeito, se quiser ser candidato em 2018, terá de mudar de partido. (C.N.)

10 thoughts on “De uma só tacada, João Doria critica Lula, Aécio, Goldman e José Anibal

  1. Estais certo Antonio; piada igual a do “cassado de maracuja”, que dona Veja colocou nos píncaros; piada de mau gosto, um deslumbrado que abriu nossa economia da noite para o dia, e, de qualquer maneira, destruindo nossa indústria, que teve que competir com indústrias mais maduras e subsidiadas.
    Quem tinha que ter aberto pouco a pouco era o primeiro governo pós militar, mas só sabiam política partidária/local.
    Sou um homem de um só partido, mas, devido ao clamor da militância….
    Eu estou vendo a lealdade, como via de mão única; exemplo os que estão presos por causa dos “padrinhos”.

  2. Nova modalidade esportiva na Pauliceia:

    Jogar disc golf (frisbee)
    com esfiha aberta do Habib’s,
    o alvo sendo a fuça do Dória.

    Dória, o pândego, falta-lhe uma esfiha na cara…

  3. Impressionante, como um alpinista social, da Paulicéia Desvairada, que busca um lugar na mesa dos Quatrocentões consegue se colocar em uma posição política de relevância nacional.
    Só um Alkmim de Pindamonhagaba, com medo de um Serra em conluio com André Franco Montoro pode explicar este súbito e passageiro fenômeno, que se tiver um pouco de juízo, voltará discretamente a ganhar seu dinheirinho com suas ações empresariais de marketing social político para novos ricos.
    A conferir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *