Decisão de Moraes frustra procuradores que atuavam nos bastidores contra Augusto Aras

Aliado de Aras terá que explicar despacho secreto que paralisou apuração de omissão na fiscalização de Bolsonaro - Jornal O Globo

Até agora, Augusto Aras tem sido preservado por Moraes

Mônica Bergamo
Folha

A decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes de suspender a análise de um novo pedido de investigação contra o procurador-geral da República, Augusto Aras, frustrou procuradores que acusam o chefe do Ministério Público Federal de omissão e atuam nos bastidores por uma punição ou afastamento.

Na quarta-feira (8), Moraes suspendeu um pedido para que o Conselho Superior do Ministério Público Federal analise notícia-crime apresentada pela Associação Brasileira de Imprensa.

AÇÃO DA ABI – A petição acusa Aras de prevaricação e cita, além do PGR, o vice-procurador-geral, Humberto Jacques de Medeiros, e a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, aliados do procurador-geral.

O desfecho de mais essa ação contra o PGR é visto pelos procuradores como uma carta branca dada pela corte a Aras, que é acusado pela oposição de se alinhar aos interesses do Palácio do Planalto.

Esta é a terceira vez que o STF barra um pedido de investigação contra o PGR —o mesmo ocorreu com ações apresentadas por procuradores e pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Fabiano Contarato (Rede-ES).

SÓ FALTA UMA – Agora, resta apenas uma outra ação, apresentada pela Comissão Arns, que aguarda decisão de Moraes.

Os quatro pedidos de investigação contaram com intensa articulação da ala do Ministério Público Federal que se opõe a Aras. Na avaliação do grupo, não há condições de um levante aberto por aqueles que ainda estão na carreira, daí a movimentação nos bastidores.

Se houver veto de Moraes ao pedido de investigação da Comissão Arns, todas as iniciativas contra Aras serão enterradas. E, por ora, seus desafetos não veem novas alternativas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *