Decisão de não punir Pazuello é uma vitória pessoal de Bolsonaro e da indisciplina nos quartéis

Presidente da CPI diz que Pazuello deve ser novamente convocado a depor |  VEJA

Pazuello não foi punido, mas estará para sempre no anedotário nacional

Lauro Jardim
O Globo

A decisão do comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira, de não punir Eduardo Pazuello por sua participação em uma manifestação política, contrariando o que diz de modo inequívoco o regulamento disciplinar da força, é uma vitória não só de Jair Bolsonaro — mas da indisciplina no Exército.

Significa que o Alto Comando não teve força para cumprir um regulamento pelo qual deveria zelar. Não teve coragem de enfrentar um Bolsonaro que dia a dia mostra querer fazer da instituição o “seu” Exército.

DE FORMA ACINTOSA – Na semana passada, Bolsonaro disse de forma acintosa em sua live semanal que o ato em que Pazuello subiu num palanque não fora político.

Foi afrontoso ao Exército e à sociedade por que é uma afirmação que não se sustenta — e é contraditória com o que ele próprio afirmou naquela transmissão sobre o evento: “Foi um movimento pela liberdade, pela democracia, e apoio ao presidente”.

Na terça-feira, Bolsonaro botou Pazuello para despachar dentro do Planalto, num cargo de assessoria. E fez questão de nomeá-lo enquanto o comandante do Exército decidia sobre a punição do ex-ministro da Saúde. O recado estava dado por Bolsonaro.

PUNIÇÃO NECESSÁRIA – Desde o ato das motocicletas todos os generais da ativa e da reserva foram unânimes em cravar que Pazuello teria que ser punido. Os adjetivos sobre o que ocorreu variavam de “grave” a “inaceitável”. Havia um certo consenso de que a pena não deveria ser de prisão — uma advertência bastaria. Seja para não criar uma crise com o presidente da República, seja por que o importante, diziam eles, era que todos os integrantes das Forças Armadas soubessem que o regulamento é para ser seguido.

O ex-ministro da Defesa Raul Jungmann no mesmo dia do ato no Rio de Janeiro foi cristalino ao registrar que a punição de Pazuello era obrigatória “por que se ultrapassar desse limite qualquer sargento, tenente ou capitão poderá fazer o mesmo. Isso representa a implosão da hierarquia e da disciplina militares que até aqui permaneceram incólumes a tudo isso”.

PARA A BOIADA PASSAR – As Forças Armadas, portanto, abrem perigosamente as portas dos quartéis a outras manifestações. Como o Exército vai controlar seus integrantes a partir de agora? Se algum general da ativa, por hipótese, se manifestar contra o presidente da República ficará também livre, leve e solto? Alguém acredita nisso?

A decisão medrosa tomada ontem pelo Exército abre espaço para que Bolsonaro, o “mau militar”, definição precisa e concisa dada por Ernesto Geisel, siga avançando sobre um dos pilares das Forças Armadas, o respeito à hierarquia e à disciplina.

16 thoughts on “Decisão de não punir Pazuello é uma vitória pessoal de Bolsonaro e da indisciplina nos quartéis

  1. Do jeito que as coisas vão, esse “presidentezinho” vai acabar com o Brasil e com as FFAA bem rapidinho. Só espero que o povo tenha aprendido a lição e não vote mais no boçal.

    • A Venezuela está bem pertinho . Vai ser uma tragédia mas será hilario os bozista defenderem a ” novissima” ” democracia” militarização.
      Vai ser uma barra.

      Quantos anos vai durar s escuridão??

    • Os militares estao sendo prepradaos para assumir a Globo?

      E isto?

      Isto justifica o comentário sobre a globo nesta matéria?

      Ou é apenas repetição, papagagaice, da verborragia tradicional, disseminada para o gado mugir?

      Apenas para lembrar o refrão “o povo não e bobo, abaixo a rede globo ” foi criado pelo PT.

      Como os espertos bozistas, podem copiar, repetir e se lambuzar com esta cretinice se nem é sua??

      Vocês vão pagar royalties para o Lula e seus comparsas??

      Ou vão perceber que e apenas uma enchida de saco, limitada, usada por imbecis manipulados ??
      Troca o disco e use argumentos sólidos e comente a matéria.

      Ou vai agradecer ao PT pela criação.

  2. Os militantes da imprensa venal e corrupta espalham que o general violou o regulamento. Mas, por que omitem claramente a norma violada (regulamento tal, artigo tal)? Porque “isso non ecziste”!

  3. Crime de Prevaricação – Artigo 317 do Código Penal.

    Ocorre quando o FUNCIONÁRIO PÚBLICO retarda ou DEIXA DE PRATICAR QUALQUER ATO de ofício ou o PRATICA INFRINGINDO DEVER FUNCIONAL, em consequência de VANTAGEM ou PROMESSA RECEBIDA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *