Defesa acionará PGR contra declaração “leviana” de Gilmar sobre associação do Exército a “genocídio”

Gilmar criticou apoio do Exército a Bolsonaro na condução da crise

Leandro Prazeres
O Globo

O Ministério da Defesa rebateu as críticas feitas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, que, no sábado, dia 11, disse que o Exército se associou a um “genocídio”, em alusão à condução do governo Bolsonaro frente à epidemia da Covid-19.

Em nota, a Defesa classificou a declaração do ministro como “leviana” e disse que vai enviar uma representação contra Gilmar à Procuradoria Geral da República (PGR). No sábado, Gilmar Mendes criticou a atuação do governo federal na condução da epidemia da Covid-19 e criticou os militares.

GENOCÍDIO – “Não é aceitável que se tenha esse vazio no Ministério da Saúde. Pode até se dizer: a estratégia é tirar o protagonismo do governo federal, é atribuir a responsabilidade a estados e municípios. Se for essa a intenção é preciso se fazer alguma coisa. Isso é ruim, é péssimo para a imagem das Forças Armadas. É preciso dizer isso de maneira muito clara: o Exército está se associando a esse genocídio, não é razoável. Não é razoável para o Brasil. É preciso pôr fim a isso”, disse o ministro do STF.

Na nota divulgada nesta segunda-feira, o Ministério da Defesa disse repudiar a frase de Gilmar Mendes e que o comentário causou indignação. “Comentários dessa natureza, completamente afastados dos fatos, causam indignação. Trata-se de uma acusação grave, além de infundada, irresponsável e sobretudo leviana. O ataque gratuito a instituições de Estado não fortalece a democracia”, disse um trecho da nota.

“Informamos que o MD (Ministério da Defesa) encaminhará representação ao Procurador-Geral da República (PGR) para a adoção das medidas cabíveis”, disse outro trecho da nota. A nota foi assinada pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e pelos comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica. O texto diz ainda que, durante a epidemia, as Forças Armadas estão “completamente empenhadas justamente em preservar vidas”

14 thoughts on “Defesa acionará PGR contra declaração “leviana” de Gilmar sobre associação do Exército a “genocídio”

  1. Por falta de autoridade moral, tanto Gilmar Mendes quanto a Cúpula Militar, e os partidos, respectivamente, em sã consciência, por questão de bom senso, deveriam mais é calar a boca e apenas se renderem, pacificamente, ao Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, até porque, com a república do militarismo e do partidarismo, politiqueiro$, e dos seus tentáculos, velhaco$, em frangalhos, os quais não aliviam no achaque ao erário nem em época de pandemia, levada pelos me$mo$ à completa exaustão moral, política, econômica e social, aos 130 anos de idade, transpirando decadência terminal por todos os poros, apenas o Povo Brasileiro e a Revolução Redentora, da política, do país e da população, têm condições morais de se levantarem contra tantos absurdos, descalabros, roubalheira, corrupção e insensatez praticados por homens e mulheres que deveriam ser os sustentáculos do conjunto da sociedade e não as suas aberrações.

  2. Eu não gosto de agentes públicos que têm costume de se fazer notar com frequência ao invés de atuar com discrição.
    Mas não é mentira que, tendo o Bolsonaro dito:
    1) “70% da população vai se infectar e uns terão que morrer”
    Em seguida (nao necessariamente nessa ordem):
    2) Demite seu ministro que seguia as recomendações da OMS quanto ao isolamento social;
    3) Demite seu outro ministro contrário à abertura das fronteiras – além de negar fornecer a ele relatórios com informações sigilosas pretendidas para proteger a família e amigos do presidente
    4) Buscou mudar a bula do remédio hidroxicloroquina para indicá-lo aos pacientes em tratamento de covid
    5) Modificou a contabilidade de casos exibida no Portal do Governo Federal – o que levou a grupos da Imprensa se associarem para terem um banco de dados próprio que reunissem as informações dos estados.

    Como não associar ao genocídio – de pessoas, grupos vulneráveis – se mesmo o presidente disse “que uns vão morrer, fazer o que” portanto, lhes negando qualquer direito a uma chance, oportunidade de sobreviver mediante, com políticas públicas de bom senso?
    Que eu saiba, eliminar grupos é genocídio.
    Então, por ação ou omissão, o presidente, e quem mais esteja com ele, comete tal crime – que pode ser classificado contra a humanidade.
    A fala hoje do Demétrio Magnoli foi mais uma vez digna de repúdio.

  3. Senhor Gilmar Mendes,falou como cidadão comum fora do âmbito do STF. Único pecado ao.meu ver,foi o momento,mas entre atenuantes e agravantes, razão lhe assiste.
    Vejamos : alguns militares da ativa, estão incrustado no “governo”,como militante político tipo CHAVISMO.

    Ora,houve um desmanche da equipe médica e das estruturas da saúde,tanto federal,estadual,municipal.
    O Capitão deu ordens ao general,e militarizaram a saúde com pessoas,digamos, não familiarizado com a situação.

    Isso,alguns das forças não vão se eximir,mais cedo,ou mais tarde, terão que se explicar no fórum adequado.

    As imagens dos fatos divulgados.na midia internacional não deixam dúvida.

    Os descamisados estão abandonados a própria sorte, igual a sogra.

    E,haja Tubaína.

    • Pois é, Luiz! E veja a ESAF – Escola Superior de Administração Fazendária que foi extinta e virou um puxadinho do Exército.
      Militares que parecem ter requisitado, ainda, mais de dezenas de imóveis públicos em Brasília. Eles querem substituir os civis nós comandos por militares, ou civis, alinhados com eles, como os imbecis que frequentam a ESG.

    • Amigo Luiz Fernando
      Gilmar é um ministro e não um político. Se quer falar, criticar e dar opinião, que se candidate e busque votos.
      Ministro tem de ser isento! Ele não sabe disto? Foi conduzido ao STF pelas mãos daquele que nos deixou como herança maldita o PT: FHC!
      Trabalha pouco, fala muito e ganha muito também!
      Entendo que desta vez,muitos vão querer a cabeça dele! E com razão!
      Fallavena

  4. Alguém dirá que Gilmar falou como pessoa comum. Não, como pessoa comum não daria qualquer entrevista. Não seria ninguém! Ele falou como ministro da mais alta (???) corte do Brasil. Ele se pousou e repousou como ministro! A empáfia que usou foi a de ministro! Ele é ministro 24 horas por dia!
    O que é preciso ser dito para ele, com todas as letras, é que sua postura depõe contra o cargo que ocupa. “Ele envergonha seus colegas e o STF”, como disse o ministro Barroso.
    Em uma republiqueta, estaria respondendo processos e preso!
    Gilmar, o bocudo, só está solto por culpa da maioria dos senadores, muitos com o rabo preso. E por tabela, culpa do povo que tem elegido energúmenos nas últimas décadas no senado e na câmara federal.
    Busque as composições de ministros do STF nos últimos 50 anos e sentirá vontade de cortar os pulsos! A composição atual é a pior de todos os tempos! Duvido que alguém encontre outra tão desqualificada, inútil e arrogante como a atual. Vários são patéticos!
    Se tivéssemos povo, iria às ruas e cobraria do senado a destituição de tres, quatro, cinco dos atuais ministros.
    Ato continuo, exigiria uma nova legislação para a indicação dos substitutos. Onde está a independência dos poderes quando o presidente da república indica magistrados para a mais alta corte de justiça do país?
    Viaje pelo tempo e verá os ministros que passaram pelo STF e depois, olhe no espelho e diga o que voce sente quando vê os atuais?
    E é este STF que defende a constituição de nosso país!
    Um presente – assista o video abaixo e entenderá os por quês.
    https://www.youtube.com/watch?v=nn0VsSkynjE
    Fallavena

    • Antonio Fallavena, meu caro … qualquer Ministro do STF o é por vontade do Presidente e por concordância do Senado … tanto um quanto outro são eleitos, né?

      Aguardemos as indicações de Bolsonaro … que tendem a aumentar a pluralidade do entendimento na guarda da Cidadã.

      Sds.

  5. O interino teria recebido R$ 62 mil a título de custos para Brasília (?) segundo o portal da transparência?
    Nanda mal. Mais remuneração de R$ 29 mil.
    Vai ser difícil Militares largarem a boquinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *