Defesa alega que prisão de executivo não impede crimes de empreiteiras

Defesa alega que vice-presidente é “funcionário de terceiro escalão”

Deu na Agência Brasil

Advogados do vice-presidente da empreiteira Camargo Corrêa, Eduardo Hermerlino Leite, preso durante a sétima fase da Operação Lava Jato, disseram à Justiça Federal que a prisão dele não vai impedir que as empresas cometam mais crimes, conforme a defesa apresentada na segunda-feira (23) ao juiz Sérgio Moro, responsável pelo processo.

Além de negar as acusações de lavagem de dinheiro, corrupção e uso de documento falso, os advogados do executivo alegam que a prisão preventiva de Hermerlino Leite não se justifica. Leite e executivos de outras empreiteiras estão presos na Superintendência da Policia Federal em Curitiba há 40 dias.

˜Com o máximo respeito, a alegação de interrupção do ciclo delitivo não se sustenta. Acreditar que a prisão do acusado, funcionário de terceiro escalão de uma das empresas envolvidas, impedirá a prática de novos crimes é crença que foge à lógica e ao bom senso. Na prática, não existe nenhuma conexão entre a prisão do denunciado e a cessação da prática de novos crimes por parte das empreiteiras˜, diz a defesa.

BODE EXPIATÓRIO

No mesmo documento, os advogados rebatem uma declaração do juiz Sérgio Moro, quem em despacho sobre as investigações, em novembro, disse que as prisões determinadas por ele são um “remédio amargo” para coibir a continuidade dos casos de corrupção na Petrobras.

“Parece que o acusado foi eleito como bode expiatório, para advertir com o remédio amargo da prisão preventiva as empreiteiras de que essa forma de fazer negócio com a administração pública não é mais aceitável. Ora, definitivamente, a prisão preventiva não tem a finalidade de alerta a terceiros!”, disse a defesa.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), além da Camargo Corrêa, as empreiteiras Engevix, OAS, Galvão Engenharia, UTC Engenharia e Mendes Júnior faziam parte de um “clube” para fraudar as licitações da Petrobras, mediante pagamento de propina a diretores da estatal. Eduardo Hermerlino Leite e mais 38 investigados se tornaram réus na Justiça Federal, em Curitiba, em ações penais oriundas da sétima fase da Operação Lava Jato, realizada pela Polícia Federal para apurar irregularidades nas relações entre a estatal do petróleo e as empreiteiras.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Os advogados de Hermerlino Leite querem concorrer à Piada do Ano no encerramento do concurso. Alegar na Justiça que o vice-presidente da empreiteira é apenas “funcionário de terceiro escalão” só pode ser uma tirada humorística. Mas o juiz certamente não vai dar risada. (C.N.)

 

 

One thought on “Defesa alega que prisão de executivo não impede crimes de empreiteiras

  1. O ano de 2014 ficará marcado como um marco anticorrupção, “nunca antes existido no país”. O fato do ano, da década, do milênio, foi certamente a prisão dos corruptores, os executivos das empreiteiras.

    O homem do ano, o juiz Sergio Moro e a instituição merecedora de todas as honras, a Polícia Federal, representada pelos delegados da operação Lava Jato. O Ministério Público, representado pelos procuradores federais da Java Jato, merecem o título de Instituição do ano de 2014, nota dez.

    Os delatores não merecem honraria nenhuma, pois apenas agiram desse modo para evitar longos períodos na cadeia, a moda do Marcus Valério, apenado com a excessiva pena de 40 anos de prisão.

    Injustiça do ano, a permanência de Roberto Jeferson, o delator do mensalão, no regime fechado, enquanto outros do seu quilate já se encontram em quase liberdade, ou seja, em prisão domiciliar.

    Personalidade do ano de 2014, o guerreiro que aposentou sua toga, o Ministro aposentado do STF, Joaquim Barbosa, pela sua magnífica atuação como Relator do Mensalão.

    O Título de Parlamentar do ano, vai para o senador Pedro Simon, um oásis em meio a tanta nulidade, infelizmente, o povo gaúcho não achou dessa maneira.

    No mais, está difícil nomear mais alguma personalidade num ano trágico como foi o de 2014.

    Alea jacta est

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *