Delação do ex-ministro Palocci envolve também bancos e grandes corporações

Resultado de imagem para delaçao de palocci  charges

Charge do Humberto, da Folha de Pernambuco

Julia Chaib e Matheus Teixeira
Correio Braziliense

A sinalização do ex-ministro Antonio Palocci de que está disposto a fechar um acordo de delação premiada, feita ao juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava-Jato em Curitiba, em audiência na última quinta-feira, aumentou o temor daqueles que podem ser incriminados por um eventual depoimento. Como ministro dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ele angariou recursos para campanhas eleitorais e, à frente das pastas da Fazenda e da Casa Civil, editou medidas de governo que podem ter beneficiado empresas em troca de apoio partidário.

Mas, as teias de Palocci vão muito além. Como consultor financeiro, o ex-ministro atendeu a bancos e outras companhias privadas, que, mencionadas em uma eventual delação premiada, podem abrir um novo leque de investigação na Lava-Jato.

ESTÁ À DISPOSIÇÃO – Em audiência na 13ª Vara Federal, em Curitiba, Palocci pediu a palavra para garantir a Moro que, caso o juiz queira, ele pode revelar informações que sustentam pelo menos mais um ano de investigação.

“Fico à sua disposição hoje e em outros momentos, porque todos os nomes e situações que eu optei por não falar aqui, por sensibilidade da informação, estão à sua disposição o dia que o senhor quiser”, disse. “Apresento todos os fatos com nomes, endereços e operações realizadas. Posso lhe dar um caminho que vai lhe dar mais um ano de trabalho, que faz bem ao Brasil”, garantiu.

Palocci afirmou que houve caixa dois em todas as campanhas eleitorais do país. Mas negou ter usado contratos da Petrobras e do BNDES e medidas no Congresso para beneficiar a Odebrecht. Disse, porém, que pedia contribuições.

Para além disso, enquanto esteve fora dos governos do PT – ele foi ministro da Fazenda de Lula de 2003 a 2005 e titular da Casa Civil de Dilma, por seis meses, em 2011 -, Palocci operou no setor privado. De acordo com a Receita Federal, a Projeto Consultoria Empresarial e Financeira recebeu mais de R$ 80 milhões de 47 empresas diferentes. Entre os principais clientes, são apontados grandes bancos do país, como o Bradesco, a montadora Caoa e a seguradora Amil, por exemplo.

POTENCIAL DEVASTADOR – Integrantes do PT estão aflitos com o potencial devastador de uma delação de Palocci. Como ministro da Fazenda de Lula, deu incentivos e desonerações fiscais, e beneficiou a indústria automotiva, por exemplo. O que traz um alento aos petistas é que, por ora, nenhum cacique do partido aceitou fazer o acordo.

Cofundador do PT, Palocci teve uma ascensão meteórica na legenda. Em 1988, com apenas 28 anos, elegeu-se vereador de Ribeirão Preto e, dois anos mais tarde, tornou-se deputado estadual. Em 1992, foi eleito prefeito da cidade no interior paulista. Com bons resultados à frente do município, em 1998 conquistou uma vaga na Câmara dos Deputados e, em 2000, voltou ao comando do Executivo de Ribeirão. Assim, conquistou seu espaço como um dos principais expoentes petistas, a ponto de se licenciar da prefeitura para coordenar a campanha à Presidência da República de Lula.

NEM O ADVOGADO SABE – O cientista político Carlos Melo, do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) de São Paulo, avalia como altíssimo o potencial de alcance de uma delação premiada de Palocci. “O que o Palocci vai dizer, talvez nem o advogado dele saiba. O que se imagina é que ele tenha, pelas conexões, questões de importância. Ele era um homem de muitas conexões dentro do governo e fora dele. Depois do governo, se transformou num consultor muito requisitado. Ele reconhece toda essa visibilidade”, disse.

O líder do PT na Câmara, o deputado Carlos Zarattini (SP) admite que um depoimento de Palocci pode ir muito além do esquema que existia entre o PT, a Odebrecht e outros agentes públicos. “O Palocci tem relação muito grande com todos os principais capitalistas brasileiros, inclusive os bancos. Não sabemos o que ele pode dizer do PT, mas também pode dizer muito de empresas nacionais, dos setores produtivos grandes e improdutivo, os especuladores”, disse.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Palocci é o verdadeiro homem-bomba. Sua delação premiada será aceita porque se insere na regra-padrão, de que réu não pode delatar para baixo, entregando aqueles que obedeciam suas ordens, é preciso que revele a atuação de quem está acima dele ou ao lado dele – no caso, os ex-presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff, e os ministros e dirigentes do PT. Vai ser uma festa. (C.N.)

12 thoughts on “Delação do ex-ministro Palocci envolve também bancos e grandes corporações

  1. Se o Palócci abrir o bico, o circo pega fogo?
    Achei muito singelo o depoimento dele ao juiz e ainda aquela oferta, em rede nacional, de que se for do interesse da justiça, ele descarrega todo o caminhão de lixo, nas cabeças de certos “coroados”;
    Só vendo para crer, até porque se a artilharia for pesada, vai ter que matar a cobra e mostrar o pau.
    Tudo isto que esta ai, é a mais pura das verdades, porém outras verdades ainda estão escondidas e precisam ser mostradas.
    O nosso legislativo esta começando a ficar como o executivo da Venezuela, não representa mais ninguém.

    • O tempo entre uma delação e outra de um individuo dessa laia deveria ser chamado tempo da esculhambação.

      Imagina os bastidores, decidindo em cifras o que ele vai e o que não vai delatar….
      Cosa Nostra nazionale…

  2. Considerando que a morte do Ministro Teori Zavascki não passou de um acidente aéreo – o que, particularmente, eu acredito -, parece que ainda não houve, até aqui, na Lava-Jato, uma única vítima fatal, tanto por vingança como por queima de arquivo.

    Mas, ultimamente, o clima tem esquentado.
    A situação está ficando mais tensa.
    As perdas são maiores e os riscos também.
    Aguardemos os próximos capítulos dessa novela que parece interminável.

  3. Os bancos sao na realidade os maiores corruptores deste pais , sao os verdadeiros detentores do poder , sempre cometeram verdadeiros assaltos e agiotagem ” à nacao e à sociedade , sob tutelas de governos corrompidos e servis , determinam os juros da taxa selic, cartao de crédito , cheque especial e agora a reforma da previdencia publica para fomentar a privada , com isso enriquecerem ainda mais.

  4. Língua plesa não disse nada…. Estão faltando os bandidos de toga… Estranho que nesta lama não tenha aparecido nenhum juiz. Enquanto não houver bandido de toga na cadeia ,fica difícil..

  5. Mônica Bergamo, em sua coluna na Folha, informa que o Batocchio está passando a defesa de Palocci e de Lula. Com a provável delação ficou inviável seu trabalho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *