Delator cita “30 anos” de crimes praticados pelo ex-governador Sérgio Cabral

Depoimentos de Miranda mostram quem é Cabral

Deu em O Globo

Em depoimento no processo derivado da Operação Unfair Play, que investiga a compra de votos no Comitê Olímpico Internacional (COI) para o Rio sediar a Olimpíada, o delator Carlos Miranda, apontado como operador de Sérgio Cabral, afirmou que pratica crimes com o ex-governador “há 30 anos”. Miranda e Cabral são amigos de infância, e o operador auxiliou o emedebista desde o início de sua carreira.

O primeiro cargo público de Cabral foi o de diretor da TurisRio, a companhia de turismo do governo estadual, para a qual foi nomeado em 1987, há 31 anos. Em 1990, elegeu-se deputado estadual pela primeira vez.

REI ARTHUR – Miranda reafirmou que Cabral admitiu, em conversa na cadeia, que houve compra de votos de membros do COI, pagos por Arthur Soares, o Rei Arthur, empresário acusado de pagar propina a Cabral em troca de contratos do governo com suas empresas.

A defesa de Cabral contestou a fala, alegando que seria inverossímil o ex-governador relatar o crime a Miranda, porque já se sabia que ele negociava uma delação. Miranda respondeu:

— Participei de uma organização criminosa em que o Sérgio era o chefe. Os comentários sobre esse crime e outros aconteceram ao longo de 30 anos.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Serginho Cabral entrou na política defendendo os jovens e os idosos. Fez uma carreira brilhante e ninguém suspeitava que ele era um artista fabuloso, estava apenas interpretando um papel. Trinta anos depois, ficou claro que se trata de um caso de paixão doentia pelo dinheiro, que nem Freud explica. (C.N.)

19 thoughts on “Delator cita “30 anos” de crimes praticados pelo ex-governador Sérgio Cabral

  1. Destruiram mesmo .
    Cheguei ao Rio na eleição de 2006 , só vi ladeira abaixo .
    Ao menos levou umas pancadas no presidio em fevereiro. Não foi noticiado

  2. Acho que precisamos eleger somente grandes artistas como Presidente e cargos maiores. Sugestão: o petista que defendia as minorias, mulheres inclusas, e batia na mulher, um tal de Roberto Caldas, juiz das cortes internacionais, mas é brasileiro porque a pobrezinha era louca por uma sarrabulho, uma buchada, essas coisas; e ainda comia as empregadas; elas que contam até para quem não quer ouvir. O outro, esse Sérgio Cabral Filho, fruto das nossas esquerdas: o pai, esquerdista dos mais eminentes, produziu essa coisa. O único problema é quem é quem para Presidente. O meu voto é para o garanhão das empregadas e batedor na mulher. Sergio Filho, um bom vice, com certeza. Será que é isto mesmo que merecemos? Duvido não. Pior que Lulla e Dilma? Acho que não

  3. Depois da roubalheira bilionária só devolveram isto para escolas, acho que não chega a 5% do que recuperaram, o estado do Rio de Janeiro está em frangalhos, todo endividado, comprometido com a liberação de empréstimos por conta dos royalties de petróleo do pré sal, todos que meteram aos mãos no dinheiro do estado do Rio de Janeiro tem que devolver tudo, a justiça morosa como sempre mas prejudica do que ajuda, é preciso confiscar e bloquear os bens destes larápios para que isto não aconteça mais.

  4. O RJ foi um dos estados em que o lulismo e as quadrilhas PMDBistas, nesse caso representada por Cabral, estiveram mais imbricados, eram quase siameses. Estava no Rio em 2014 presenciei in loco: em mais de trinta dias não vi um cartaz, sequer um panfletinho do Aécio. A Dilma fez um percentual de votos maior do que no seu próprio estado. Até pouco, pela verdadeira avalanche de apoio que vi nas ruas.

    Aliás, apesar de ser um estado com tradição de esquerda, nele o Lula perdeu a maioria das eleições, historicamente. Tentei buscar no Google mas não deu, mas contra FHC, Serra, Collor tenho certeza.

    O ramo paterno da minha família é todo carioca, conheco bem o Rio. É um povo maravilhoso, mas muito sofrido. E agora, em desespero, se volta para o Bolsonaro (majoritariamente).

    • O engodo lulo-cabralista das Olimpíadas, Copa do Mundo, a farra com os royalties do petróleo, as desonerações fiscais (até joalheria foi beneficiada), etc., etc., foi avassalador para o Rio. A Av. Brasil hoje, que era um corredor de grandes empresas, parece uma grande favela longitudinal, falando figuradamente.

    • Justíssima ? Não querem reduzir o preço do diesel, são as vivandeiras de 64:que não mobilizam ninguém que estao novamente querendo implantar uma ditadura. Tem apoio do generaleco !

  5. Um caminhoneiro morreu atropelado, outro levou 3 tiros no peito dados por outro caminhoneiro.
    O General da Banda quer carnificina ?

  6. Nossa senhora, o Cabral acho que roubava figurinhas dos colegas da escola, Mas tá faltando gente, o Rio foi assaltado por um quadrilhão, deixaram ingovernável. O Cabral, como o Geddelzinho, Renan, Jucá, são incorrigíveis, não se emendam e não sentem remorso algum. E o pior é que assim como Collor, parece que quando mais roubaram foi no governo do PT. É mole? Como tem atores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *