Delegado denuncia “interferência” no caso Milton Ribeiro, e PF manda abrir apuração 

Delegado da PF responsável pela prisão de Milton Ribeiro denuncia  interferência na investigação - Brasil 247

Delegado denunciou as “honrarias” ao ministro corrupto

Wellington Hanna
TV Globo — Brasília

A Polícia Federal divulgou nota nesta quinta-feira (23) na qual anunciou a abertura de um procedimento interno para apurar “boatos de possível interferência” na operação que levou à prisão o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro — ele foi solto na tarde desta quinta por ordem do desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1). Na nota, a PF não esclarece o que seria a “possível interferência”.

“Considerando boatos de possível interferência na execução da Operação Acesso Pago e objetivando garantir a autonomia e a independência funcional do Delegado de Polícia Federal, conforme garante a Lei nº 12.830/2013, informamos que foi determinada a instauração de procedimento apuratório para verificar a eventual ocorrência de interferência, buscando o total esclarecimento dos fatos”, diz o texto da nota.

DECISÃO SUPERIOR – Em mensagem interna a colegas da PF, o delegado Bruno Callandrini denunciou que houve “decisão superior” para que Ribeiro não fosse transferido para Brasília, conforme determinação judicial emitida na quarta-feira por um juiz federal. A TV Globo teve acesso à mensagem, depois de o jornal “Folha de S.Paulo” ter publicado a informação.

Em razão da “decisão superior”, escreveu o delegado, ele deixou de ter “autonomia investigativa e administrativa para conduzir o Inquérito Policial deste caso com independência e segurança institucional”.

“Falei isso ao Chefe do CINQ [Coordenação de Inquérito nos Tribunais Superiores, da Polícia Federal] ontem, após saber que, por decisão superior, não iria haver o deslocamento de Milton Ribeiro para Brasília e manterei a postura de que a investigação foi obstaculizada ao se escolher pela não transferência de Milton a Brasília à revelia da decisão judicial”, escreveu o delegado na mensagem.

HONRARIAS AO PRESO – De acordo com o delegado, foram concedidas ao ex-ministro honrarias não existentes na lei. “O principal alvo, em São Paulo, foi tratado com honrarias não existentes na lei, apesar do empenho operacional da equipe de Santos que realizou a captura de Milton Ribeiro, e estava orientada, por este subscritor, a escoltar o preso até o aeroporto em São Paulo para viagem a Brasília”, escreveu.

Na tarde desta quinta, Milton Ribeiro deixou a carceragem da Polícia Federal na capital paulista. Ele foi solto por volta das 15h, depois de o desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), cassar a prisão preventiva determinada pelo juiz federal Ricardo Borelli, da 15ª Vara da Justiça Federal de Brasília.

Na decisão, o juiz Borelli havia determinado a transferência de Milton Ribeiro para Brasília, onde seria ouvido em audiência de custódia no início da tarde. A Polícia Federal, no entanto, argumentou que, naquele momento, estava sem condições “logísticas” de transportar o ex-ministro de São Paulo para a capital federal.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Pegou mal a concessão de “honrarias não previstas em lei” a um reles criminoso, que se valeu de um cargo federal para enriquecimento ilícito, exatamente como ocorreu com Lula quando estava na Presidência. E como a impunidade está mais do que garantida no Brasil, a Polícia prende e a Justiça logo solta. (C.N.)

8 thoughts on “Delegado denuncia “interferência” no caso Milton Ribeiro, e PF manda abrir apuração 

    • Sr. Perez,
      Muito bom gosto musical.
      Parabéns!!!
      Adoro Jazz!!

      Já inclui na minha playlist.

      O Sr. Carlos Newton, bem poderia abrir um espaço pra músicas, assim como faz com as poesias matinais

      Fica a sugestão.
      Teríamos a música do dia pra alegrar nossos corações e aproximar os laços de amizade dos amigos tribunários.

      Um forte abraço,

      José Luis

  1. A grande mídia insiste em emprenhar pelos olhos e ouvidos a opinião pública.
    Não sabemos a verdade dos fatos, o que temos é a tal narrativa.
    Se ele for culpado, cadeia nele, se for inocente está com a vida emporcalhada.
    A esquerda é dona da máquina de lavar ou sujar reputações e age da forma que bem entender com os seus e os outros.
    Aguardemos pois.

  2. “Como ocorreu com Lula qdo estava na presidência”.
    Já é cacoete do CN acusar Lula.
    É o abuso da liberdade de inventar fatos inexistentes. Resumindo: liberdade de mentir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.