Delegado federal tenta anular as investigações da Lava Jato

O grampo “achado” pelo doleiro não é usado há décadas

Aguirre Talento
Folha

Um delegado da Polícia Federal que foi a Curitiba apurar vazamentos da Operação Lava Jato relatou ter sofrido pressão dos colegas do Paraná no trabalho e recomendou que a sindicância sobre a escuta na cela do doleiro Alberto Youssef fosse refeita.

O relato está em um despacho interno do delegado Mário Fanton de maio deste ano, no qual ele afirma ter presenciado “uma participação direta do DPF [delegado de Polícia Federal] Igor [Romário de Paula]” e de outra delegada “para quererem ter ciência e manipular as provas”.

O caso da escuta na cela de Youssef voltou aos holofotes depois que dois policiais federais disseram à CPI da Petrobras, no último dia 2, que o equipamento foi instalado sem autorização judicial e captou conversas do doleiro.

As declarações contrariaram sindicância interna da PF do ano passado, que apontou que a escuta era inativa.

CPI VAI APURAR

Depois disso, a CPI aprovou a convocação dos delegados da Lava Jato, incluindo Igor, para esclarecimentos. O caso é objeto de nova investigação interna da PF, conduzida por Brasília.

Fanton foi a Curitiba depois que a sindicância interna havia terminado. Esse não era o foco inicial de sua missão, mas ele também apurou fatos relacionados à escuta.

Seu objetivo na superintendência era apurar boatos de que ocorriam vazamentos das investigações para a confecção de um dossiê com o objetivo de anular a Lava Jato.

Sua atuação provocou insatisfação e desconfiança dos delegados da operação.

MUDOU A VERSÃO

Nesse período, Fanton obteve novo depoimento do agente Dalmey Werlang, um dos que falou à CPI, no qual ele mudou a versão sobre a escuta e apontou ilegalidade.

O delegado Fanton escreveu: “Sugiro que o MPF [Ministério Público Federal] reanalise as provas, inclusive a sindicância da escuta clandestina, se possível refazendo-a, e conduza diretamente a presente investigação ou com grande proximidade a um novo delegado a se indicar, pois não acreditamos mais nas provas antes constituídas”.

Em outro trecho, Fanton conta que foi informado pelo delegado Igor de que a PF de São Paulo não havia prorrogado sua permanência em Curitiba e, quando entrou em contato com SP, responderam-lhe que sequer houve pedido de renovação da missão.

A Folha pediu para ouvir o delegado Igor por meio da PF em Curitiba. O órgão respondeu que não iria comentar o caso. A PF em Brasília também não comentou.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Esta conversa está muito estranha. O grampo que o doleiro diz ter encontrado é um modelo muito antigo, que a Polícia Federal não usa há décadas. O delegado foi enviado para apurar vazamentos, mas extrapolou e resolveu apurar o grampo de brinquedo. Está parecendo que ele quer é anular as investigações, como ocorreu na Operação Satiagraha, quando o banqueiro Daniel Dantas se livrou de 10 anos de prisão. Daí a revolta dos outros delegados. Vamos ficar de olho. (C.N.)

6 thoughts on “Delegado federal tenta anular as investigações da Lava Jato

  1. O objetivo de criminar o pt já foi alcançado agora vão anular as investigações,estava perto de pegar os protegidos da mídia (TUCANOS),LEMBRE-SE LADRÃO NÃO TEM SIGLA PARTIDÁRIA PORTANTO INVESTIGAÇÃO PARA TODOS E NÃO CRIMINAR APENAS OS ADVERSÁRIOS E PUNIÇÃO PARA TODOS OS CONDENADOS SEJA LÁ QUEM FOR É ISSO QUE AS PESSOAS JUSTAS DESEJAM.

  2. Quando se comentava sobre o aparelhamento do Estado muitos pensavam tratar-se de uma figura de linguagem ou exagero.
    As várias tentativas que o PT vem fazendo para complicar a Operação Lava-Jato é a prova cabal que o partido ainda é forte, apesar de altamente rejeitado pela população neste momento e seu comportamento reconhecidamente corrupto.
    Basta resgatar o inferno que sofreu Joaquim Barbosa para se imaginar que Moro passará por problemas muito maiores, em face da gravidade dos fatos apurados e do roubo imenso praticado contra a Petrobrás com envolvimento direto de Lula e Dilma, no mínimo como responsáveis pelos diretores presos e réus confessos nesses crimes levantados.

  3. O que me deixa indignado é achar que o doleiro inventou tudo isso que está aí, ele acordou e resolveu inventar um monte de mentiras, todos são inocentes, a quem querem enganar, o povo brasileiro já está cansado desta mentirada, onde todos que meteram a mão no erário público dizem que é mentira, até quando vão mentir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *