Deltan Dallagnol responde a PGR sobre nova crise na Lava-Jato e prega independência no MP

Dallagnol usou as redes sociais após PGR criticar força-tarefa

Deu no O Globo

Após a crise aberta entre a força-tarefa da Lava-Jato e a Procuradoria Geral da República (PGR), o procurador Deltan Dallagnol usou as redes sociais, neste domingo, dia 28, para dizer que todos os membros da operação “têm os mesmos direitos, deveres e proteções dos demais do Ministério Público para assegurar um trabalho independente”.

A fala de Dallagnol ocorre depois de que o procurador geral Augusto Aras disse, por meio de nota, que a Lava-Jato “não é um órgão autônomo e distinto do Ministério Público Federal” e que não pode se tornar “instrumento de aparelhamento”. Aras se referia ao gesto de demissão coletiva de três procuradores que atuavam no grupo de trabalho da Lava-Jato na PGR.


INDEPENDÊNCIA DO MP – Colega de Dallagnol no grupo da Lava-Jato do Paraná, o procurador Roberson Pozzobon, também se manifestou sobre o caso no Twitter e pregou independência do Ministério Público. “É óbvio, mas ultimamente até o óbvio precisa ser dito, relembrado, dito novamente: a independência funcional não é um luxo, mas requisito mínimo para que o Ministério Público, por todos os seus integrantes, de 1ª à última instância, possa cumprir seus deveres constitucionais”, escreveu Pozzobon.

A debandada dos três membros do MP ocorreu por conta de discordâncias com a coordenadora do setor, a subprocuradora-geral da República Lindora de Araújo e com a gestão de Augusto Aras. O estopim para a demissão foi a visita feita por Lindora à força-tarefa de Curitiba nesta semana na qual, segundo ofício enviado pela força-tarefa à Corregedoria do Ministério Público Federal, ela teria tentado obter acesso a informações sigilosas dos bancos de dados da operação sem realizar o devido procedimento legal.

“QUEBRA DE CONFIANÇA” – O caso foi revelado nesta sexta-feira pelo O Globo e gerou uma crise interna na PGR. Segundo a colunista Bela Megale, os procuradores de Curitiba suspeitam que Aras busca acessar dados da Lava-Jato para atacar o ex-ministro Sergio Moro. Segundo a colunista, o procurador-geral da República também tem interesse nos dados sigiloso da Lava-Jato do Rio e de São Paulo.

Nos bastidores, procuradores usavam o termo “quebra de confiança” ao se referir a ação de Lindora. Entre os membros que pediram demissão estão Hebert Reis Mesquita, Luana Vargas de Macedo e Victor Riccely. Eles cuidavam de inquéritos sobre políticos com foro privilegiado no Supremo e na negociação de delações premiadas.

Embora a PGR negue que tenha pedido compartilhamento informal de dados, o clima azedou com os procuradores da Lava-Jato. Um dos pontos que causaram mal estar foi a retomada das negociações para um acordo de delação com Rodrigo Tacla Duran, advogado alvo da Lava Jato e foragido da justiça. Duran chegou a acusar o advogado Carlos Zucolotto, que foi padrinho de casamento de Sergio Moro, de pagar propina para obter vantagens em um acordo de colaboração premiada que terminou não se concretizando.

8 thoughts on “Deltan Dallagnol responde a PGR sobre nova crise na Lava-Jato e prega independência no MP

  1. Os procuradores da Lava Jato foram devidamente informados, através de oficio da PGR ao Deltan Delagnol, sobre o requerimento de informações. Deltan pediu, inclusive, para adiar o envio de informações até que este retornasse das férias, o que foi cumprido pela PGR. O que temem os procuradores da Lava Jato, objetivando impedir que seus superiores estejam a par do andamento dos processos? Seria por conta da delação do Tacla Duran, desconsiderada por Moro e agora reavaliada pelo Aras? E o sumiço dos equipamentos de escuta telemática, chamado Guardião, avaliados em 1 milhão de reais? Estavam sob a responsabilidade dos procuradores da Lava Jato na república de curitiba…

        • Não! Se submetem as leis e normas que disciplinam a atuação dos membros, sejam elas editadas pelos Conselhos Superiores de Cada Ministério Publico ou do CNMP.

          Os Tribunais, por seu turno, existem a missão de decidir de acordo com as leis.
          -estuda um pouco que uma hora vai entender.

    • Tem que ver se essa notícia sobre o Guardião não é falsa.
      Aliás, o Guardião é um sistema que conjuga software e hardware, com valores muito variáveis.

      Neste site de notícias a equipe da lavadaria informa que teve apenas trabalhos de interceptação com sistema da PF, não possuindo o MPF-PR tal sistema.
      Se é verdade ou não, precisa verificar nós relatórios de auditoria do CNMP.

      https://paranaportal.uol.com.br/politica/procuradores-forca-tarefa-lava-jato/

      • Sr. Leão ..tu estás errado em sua análise. Em tudo existe sempre um ser superior que deva saber do que acontece ..optar por uma outra vertente é no minimo falta do que escrever.

        Sua enfática defesa do erro é infantil … TODOS envolvidos em cargos politicos (judiciário é um cargo politico assim como estes tais procuradores), estão sujeitos a serem observados e seguirem uma norma da máfia que os controla…sempre foi assim e sempre será..Achar que fulano ou sicrano está acima do bem ou do mal …é no minimo tese de criança.

        E notei em sua resposta …sua deselegancia de mandar um cidadão ir estudar para depois escrever…puxa que cousa feia sr. Leão , afinal este espaço não é um espaço da Liberdade de expressão ? contenha-se e sejas mais elegante com teu próximo…e lembre-se que uma montanha( que se considera alta ) deve sempre lembra que sempre tem uma outra mais alta do que ela …

        YAH SEJA LOUVADO SEMPRE …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *