Demitir agora toda a diretoria da Petrobras ainda é pouco

Vinicius Torres Freire
Folha

Do ponto de vista político e econômico, tanto faz comprovar a extensão da negligência e talvez do acobertamento de malfeitos na Petrobras, sobre os quais o jornal “Valor Econômico” apresentou indícios deprimentes, em reportagem publicada na sexta-feira.

A direção da empresa não tem condições de permanecer no cargo não apenas devido às suspeitas, bastantes para basear processos urbi et orbi. Os diretores não têm condições de manter seus postos porque a direção que o governo impôs à empresa se esboroou em termos econômicos, judiciais e políticos. É preciso mudar tudo. Ponto. Fim.

Primeiro, há as consequências para a política menor. Por mais cínico que possa ser, o governo deve ter percebido que não tem o menor controle sobre os monstros que podem saltar do poço ora sem fundo de bandalhas da empresa.

ESPERTEZA DO GOVERNO

Na semana em que o ministro da Justiça foi a público defender a diretoria da empresa, descobre-se que um funcionário antigo da estatal colabora anonimanente para denunciar roubanças e que outra revela, de modo comprometedor até para si própria, negligências graves, para dizê-lo de modo muito benévolo. Há, portanto, descontrole e ineficácia até na esperteza do governo em botar panos quentes no caso.

Segundo, além de engrossar a crise política, a denúncia de negligência ou de acobertamento deve engordar os processos judiciais, se não aqui, certamente nos Estados Unidos, onde a empresa é investigada por negociar suas ações também por lá.

Os Estados Unidos não são a terra da pureza, mas a cadeia é um destino frequente para quem frauda a confiança empresarial, ainda mais depois dos escândalos contábeis do início do século (caso Enron etc.). Um processo assim não vai apenas arrastar a imagem da Petrobras para o lixo. Vai arrebentar o crédito da empresa.

No limite, a Petrobras pode ficar fora do mercado americano. O mero risco dessa desgraça vai desacreditar não apenas a estatal mas elevar ainda mais o custo de financiamento de outras empresas brasileiras e minar a confiança no Brasil.

Terceiro, o desarranjo se espalha pelo Brasil. Não se sabe quais empresas poderão fazer negócios com o governo, dado o processo do Petrolão. Há crise e medo no imenso mercado de fornecedores da Petrobras. O endividamento, a queda do preço do barril e a alta do dólar já seriam problemas de monta. A paralisia que sobrevirá com o tumulto policial e o risco no mercado de crédito vão colocar em risco ainda maior uma empresa responsável direta por mais de 10% do investimento do país, com efeitos difusos pela economia inteira.

E VAI PIORAR…

Tal estado de coisas tende apenas a piorar caso não ocorra reviravolta nas diretrizes gerais para a empresa, além de uma devassa, necessária tanto para estancar a sangria de más notícias políticas, que chegam cada vez mais perto do Planalto, quanto para indicar que passou o tempo da bandalha.

Não há alternativa a não ser destituir a diretoria, dissolver o Conselho de Administração, profissionalizar a empresa e limitar diretrizes políticas àquilo que não viola a racionalidade econômica. Em suma, trata-se de cancelar a política que foi ditada à Petrobras nos últimos quatro anos, pelo menos.

3 thoughts on “Demitir agora toda a diretoria da Petrobras ainda é pouco

  1. DEFESA DA PETROBRAS CONTRA AS AVES DE RAPINA

    Uma vida pelo Brasil – Carta AO POVO BRASILEIRO foi a que deixou GETÚLIO VARGAS, o maior vulto e realizador da história brasileira: https://www.youtube.com/watch?v=aECa_CVy4yI (“…Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência…”)

    Em sua Carta Testamento o Presidente Getúlio Vargas, que deixou a vida para entrar na história em 24/08/1954, mostra como a cobiça estrangeira pelo petróleo brasileiro vem de longe aliada a grupos nacionais revoltosos: “Quis criar liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobrás e, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma”. Desde 1953, a Petrobras é vítima de sistemáticas campanhas que visam desacreditá-la e o mais preocupante é que chega agora em meio à sua maior crise de credibilidade, quando é preciso maiores cuidado e discernimento em defesa da empresa no combate aos corruptos e corruptores. Que tudo seja apurado com absoluto rigor pela Polícia Federal ou por suspeito Congresso em vias de ser “renovado”, que no passado não só vendou olhos à corrupção quanto foi capaz de se envolver em golpismos exaltando meias verdades ou mentiras completas como fez depondo os presidentes Fernando Collor (1992) ou João Goulart (1964), respectivamente.

    Livrar a Petrobrás de ingerências empresariais e políticas nocivas a seu desempenho satisfatório e ao país é o caminho, a designação de diretores com notório conhecimento e especializados para as respectivas áreas, além do fundamental que é credibilidade acima de quaisquer suspeitas. Se assim proceder a presidente Dilma Rousseff ganha apoio dos brasileiros e atende ao clamor de servidores vinculados à Associação dos Engenheiros da Companhia (AEPET), como copio do link a seguir: http://www.aepet.org.br/site/noticias/pagina/11413/Manifesto-em-defesa-da-Petrobras-livre-das-nomeaes-polticas – “Nós, empregados da Petrobrás, estamos absolutamente indignados e impactados com as recorrentes notícias negativas sobre a Companhia veiculadas pelos meios de comunicação. Como cidadãos brasileiros e empregados da maior Empresa da América Latina, repudiamos veementemente qualquer tentativa de envolvê-la em negócios estranhos que prejudiquem seus interesses e seu desenvolvimento”.

    Dirigente diretor do Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindpetro-RJ), Emanuel Cancella alerta que a campanha midiática pela desmoralização da Petrobrás “tem o dedo da CIA, em conluio com as multinacionais de petróleo e parte da Opep”, que “atuam no sentido de inviabilizar as economias dependentes do petróleo, principalmente Rússia, Venezuela, Irã mas também o Brasil”. Ele lembra que o preço do barril despencou de U$ 120 no mercado internacional para U$ 66, apesar de que “todos os analistas de geopolítica do mundo apostavam que o petróleo nunca mais romperia, para menos, a barreira dos U$ 100 o barril, principalmente considerando que a produção alcançou seu ápice”.

    Cancella enfatiza que os indícios desse conluio já podiam ser observados em publicações como Folha de São Paulo, de 13/12/10: “petroleiras foram contra novas regras para pré-sal…”. A matéria revela ainda que influentes políticos da oposição como José Serra assumiram compromisso com os interesses estrangeiros, para alterar as regras sobre o petróleo caso fossem eleitos. Aliás o WikiLeaks já divulgara documento secreto americano antevendo risco de aflorar “o sentimento de nacionalismo nos brasileiros”. E é visível na grande mídia, com a majestosa TV Globo à frente, o direcionamento em sentido contrário apostando no baixo astral do povo brasileiro e na divisão do país.

    O GOVERNO Dilma deve apertar o cerco contra essas aves de rapina denunciadas por Getúlio em sua Carta, cooperando eficazmente para a apuração das irregularidades e prisão dos envolvidos em falcatruas ou “mal feitos” na administração pública e especialmente na Petrobras, como ela gosta de mencionar, sem paralisar as obras em andamento no setor petroquímico, que como diz Cancella “é o mais lucrativo da indústria do petróleo e o refino, diferentemente da prospecção que é de risco, pois um poço perfurado pode não conter petróleo”. E no refino, sublinha ele, “o lucro é permanente, gerando emprego e renda e arrecadação de impostos para União, estados e municípios”. Um governo dito brasileiro deixa de agir se quiser, por conluio ou falta de coragem.

  2. se é para manter a PuTifaria,

    por que não formar a diretoria com

    do rosário, gleisi, ideli, erenice, matilde, miriam (q.não sabe quem planejou o decesso do Celso Daniel), etc. etc. etc. ? e deixa a graça como asçesçora

    bem que daria muito certo…

  3. Parece Incrível!
    Um jornalista comentou na CBN, nesta manha de 16/12, que a Sra. Graça Foster vem fazendo uma boa gestão na Petrobras!
    Meu Deus do céu!
    Se esta senhora não se houve por dolo, mas culpa tem. Pelo menos por imperícia ou incompetência.
    Chegou a hora de limpar tudo na Petrobrás!
    De chefe de departamento ao conselho de administração!
    Colocar pessoas de credibilidade, pois os que ai estão, no mínimo vem agindo com pusilanimidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *