Democracia, família, corrupção e marxismo

Paulo Solon

Dos países que compõem o chamado BRIC, dois, pelo menos, ignoraram a questão de democracia e família que, no caso do Brasil, são dois fatores a gerar essa onda desenfreada de corrupção. Russia e China trilharam outros caminhos.

Mao Tse Tung aparece na política da China como assistente de um livreiro politicamente ativo chamado Li Dazhao, que publicava o jornal Nova Maré, rejeitando os valores culturais centrados na família, herdados do Confucionismo, e advogando a primazia do indivíduo. Isto é importantíssimo para se entender o desprezo que Mao teria, não só pela família, como pelo CRISTIANISMO ADULTERADO, que também a exaltava. Adulterado, sim, porque Cristo jamais exaltou a família. Muito pelo contrário.

Foi Li Dazhao, e não Mao, quem deu boas vindas à Revolução Russa de 1917, urgindo a China a se adaptar à Nova Onda Social, a assumir suas idéias sobre valores sociais e culturais. Organizou a Sociedade Marxista de Pesquisas, que se tornou muito popular entre os estudantes.

O mais importante naquela época entre os novos ativistas políticos foi Chen Dixiu e não Mao Tse Tung. Foi Chen quem organizou demonstrações, chegando a passar certo tempo na cadeia em decorrência de suas atividades políticas. Como catedrático da Universidade de Beijing, Chen era também editor do Nova Juventude, trabalhando com Li Dazhao para explicar o Marxismo ao povo chinês. Em 1920 fundou a Sociedade de Estudos Marxistas e a Juventude Estudantil Marxista. Ambas organizações sedimentaram as bases do que é hoje o Partido Comunista Chinês.
Porém, o editor Li Dazhao, de quem Mao foi assistente, era um herdeiro da rebelião dos Boxer. Em 1884, após a Revolução americana de 1776 e a francesa de 1789, Karl Max já havia publicado “O Homem Comum” em 1848, tres anos antes da revolução dos Boxer.

Como se sabe, os Boxer constituiam um movimento radical xenòfobo, anti-estrangeiro, que se espalhou pela China. Combinando artes-marciais com rituais místicos, atacava alvos estrangeiros (britânicos, americanos, alemães, russos, franceses, e japoneses). Os Boxer também atacavam violentamente os cristãos. Mas essa é outra história que não interessa a este comentário.

O foco aqui é Mao Tse Tung, como ele surgiu no cenário político da China e sob quais influências. Mao surgiu já sob a influência xenófoba dos Boxer e já como um intelectual e filósofo marxista.

Como Chen Dixiu e Li Dazhao não chegavam a um acordo sobre os detalhes de como o comunismo poderia ser implementado na China, Mao interveio. Chen tinha predileção pelos trabalhadores urbanos. Li, pelos trabalhadores do campo. Foi surpreendente a habilidade de Mao para encontrar uma solução que gerasse o Partido Comunista Chinês, hoje no comando da China Potência.

 
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *