Denúncia contra Cerveró e Baiano pode atingir o PMDB

Eduardo Militão
Correio Braziliense

O Ministério Público, na Operação Lava-Jato, pede a condenação de envolvidos num esquema de corrupção ligados ao PMDB. A Procuradoria pede que R$ 296 milhões sejam ressarcidos aos cofres públicos ou incluídos definitivamente ao patrimônio da União, tendo em vista bens e contas correntes já bloqueadas. O ex-diretor de Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, indicado pelos peemedebistas, foi denunciado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, assim como o lobista Fernando “Baiano” Falcão Soares. O executivo da Toyo Setal e operador Júlio Camargo, por corrupção ativa e lavagem. O doleiro Alberto Youssef, por lavagem.

Segundo a Procuradoria, Cerveró e Baiano solicitaram propina de Camargo para contratarem navios-sondas. Na primeira ocasião, em 2006, a Petrobras contratou uma embarcação da Samsung Heavy Industries por US$ 586 milhões, mas Carmargo teve que desembolsar US$ 15 milhões em propina para a dupla para ter o negócio concretizado, segundo afirmou em depoimento em delação premiada.

Em 2007, para a Samsung fechar outro negócio e US$ 616 milhões, Cerveró e Baiano receberam US$ 25 milhões em propinas. Parte do dinheiro foi lavado com ajuda do doleiro Alberto Youssef. Baiano atua para o PMDB, segundo Camargo e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Ele e o partido negam. Logo se saberá a verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *