Depoimento de Cabral indica que o casamento com Adriana Ancelmo não existe mais

Resultado de imagem para cabral e adriana ancelmo presos

Pela primeira vez, Cabral denunciou o envolvimento de sua mulher

Juliana Castro
O Globo

A cumplicidade dos tempos de poder e viagens a Paris sucumbiu em apenas 31 minutos. Foi a duração do depoimento, prestado na segunda-feira, dia 10, à Justiça Federal, em que o ex-governador do Rio Sérgio Cabral abandonou a estratégia de isentar de culpa a mulher, Adriana Ancelmo, e envolveu, pela primeira vez, a ex-primeira-dama em seu esquema criminoso. As declarações de Cabral deterioram uma relação já conturbada diante da prisão de ambos, no fim de 2016.

Embora continuem casados no papel, o ex-governador e a advogada estão separados quando o assunto é a defesa nos processos da Lava-Jato. Desde o primeiro momento, eles foram atendidos por advogados diferentes. O depoimento de anteontem, porém, foi o ponto de inflexão que expôs caminhos opostos das duas defesas.

CAIXA PARALELO – Ao dizer ao juiz Marcelo Bretas que Adriana sabia de seu caixa paralelo, fruto de propinas pagas por empresários com contratos com o governo, e que ela “desfrutava largamente” desses recursos, Cabral quis dar credibilidade ao seu acordo de delação premiada.

Outra declaração do ex-governador sobre Adriana reforçou ainda a chance de condenação da mulher em mais um processo. Cabral confirmou fatos apontados pela força-tarefa da Lava-Jato no Rio para demonstrar que o escritório de advocacia da ex-primeira-dama foi usado para lavagem de dinheiro do esquema de corrupção.

Assim, além das informações fornecidas por outros delatores que já constavam no processo, a acusação do Ministério Público Federal (MPF) ganhou mais um amparo. Adriana, por sua vez, mantém a estratégia de negar as acusações.

SEM ALIANÇA – Em depoimentos anteriores, Cabral havia pedido desculpas a Adriana por ela ter sido alvo da Lava-Jato por sua causa, sem que estivesse envolvida. Na última audiência, como em algumas anteriores, ela não usava aliança. Embora o ex-governador tenha sido liberado recentemente para receber visita íntima, a ex-primeira-dama nunca foi visitá-lo nessa condição. Ainda assim, oficialmente, continuam juntos.

Adriana encontrava com o marido às quartas-feiras, inclusive na que antecedeu a audiência desta semana. A dúvida é se hoje, depois do ocorrido, ela vai repetir essa rotina. No dia da oitiva em que o ex-governador a envolveu pela primeira vez, os dois não se cruzaram.

Se as afirmações de anteontem não foram bem vistas pela defesa de Adriana, que divulgou nota afirmando que não se podia “levar a sério” o depoimento de Cabral, a situação deve piorar com a expectativa de que o ex-governador cite na delação mais fatos referentes ao escritório de advocacia da mulher.

TORNOZELEIRA – A ex-primeira-dama já foi condenada em quatro ações a penas que somam 36 anos e, atualmente, está em liberdade, porém usando tornozeleira eletrônica. Cabral, por sua vez, está condenado a 282 anos.

Quando Bretas decidiu ouvir Cabral como delator, o advogado da ex-primeira-dama, Alexandre Lopes, foi o primeiro a reclamar, dizendo que não havia nos autos qualquer documento que comprovasse a homologação do acordo.

QUESTIONAMENTO – “Em qual Cabral acreditar: naquele que acusa Adriana de participação ou no que a defende, dizendo que ela nunca fez parte da organização criminosa? “, disse o advogado ao O Globo.

Adriana e Cabral se conheceram na Assembleia Legislativa do Rio, em 2001, quando ela era assessora da Procuradoria-Geral da Casa, e ele, presidente. Ambos eram casados, mas logo se separaram e foram morar juntos. Casaram-se no civil três anos depois. Chegaram a se separar por um período. Eles têm dois filhos.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Como diziam Vinicius de Moraes e Tom Jobim, o amor é coisa mais triste quando se desfaz. (C.N.)

9 thoughts on “Depoimento de Cabral indica que o casamento com Adriana Ancelmo não existe mais

  1. Ó ó ó……”demonstrata” que o casamento “acabou”, puxa vida que percepção…que dissernimento.
    Acho que até o Roberto Cabrini assinaria essa matéria e/ou reportagem.
    New TI, filtro não serve apenas para comentários. Filtro deveria servir também para artigos.
    Putz…que coisa.

    Quem tem um minimo de acesso aos “podres poderes” recentes de nosso estado, sabe muito bem como esse casal se formou.
    As alcovas e guardanapos de Paris são apenas um capítulo dessa sórdia história protagonizada pelos Cardeais do PMDB, PT, PSOL, PCDOB, PSDB, etc.
    Aniquilaram o outrora maravilhoso estado do RJ. Claro que com ajuda do “parceir8nho” Duduzinho Paes das Candongas e agora o mumificado Crivella.
    Todos apoiados pela mídia ISENTONA.

    Porra, dizer que o casamento subiu no telhado? Tá de sacanagem não é, ô Sherlok ?

    Para os mais ingênuos e alienados, quando saiu a noticia que a ex-primeira dama (só rindo) estava “namorando”, poderia imaginar o rumo desse romance policial.

    Jogando água quente vira canja.

    Cercando e jogando uma lona, vira um circo, bem mequetrefi.

    Nota Fora do contexto:

    E a mídia antiga de guerra, hein?
    Virou bataclã e berço vendendo e oferecendo “outros ” serviços.
    Vale lembra que foi testemunho e convocado pelo PTezão do povão..
    Eita partido batuta

    Ahh…outra fora do contexto.
    Maduro quer Vender PDVSA….e pode isso Arnaldo?

Deixe uma resposta para Ednei José Dutra de Freitas Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *