Depois da CIA, outro documento sinistro exibe a paranoia pós-ditadura

Resultado de imagem para comunismo charges

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

Clóvis Rossi

A autorização para matar, revelada pelo documento da CIA divulgado por Matias Spektor na semana passada, é consequência inescapável de uma paranoia que, se chegou ao auge na ditadura, permaneceu também na democracia, ao menos por algum tempo.

É o que fica claro em documento que a Folha obteve e divulgou em 1988. Era o texto da 17ª Conferência dos Exércitos Americanos, realizada em Mar del Plata (Argentina) em 1987. Já haviam caído as ditaduras no Brasil (1985), na própria Argentina (1983) e no Uruguai (1985), mas estava de pé no Chile.

ANTICOMUNISMO – Em plena democracia, o documento dos exércitos era um monumento à paranoia anticomunista e ao intervencionismo militar para enfrentar o fantasma do comunismo. O informe sobre “a situação da subversão no Brasil”, assinado pelo general de brigada Paulo Neves de Aquino, afirma que “dos 559 membros da Assembleia Geral Constituinte, cerca de 30% são militantes ou simpatizantes das OS” (“organizações subversivas”).

Neves de Aquino não era figura secundária na hierarquia militar, tanto que, depois, foi comandante militar do Sudeste, a guarnição mais importante do país, por ter sede em São Paulo.

Na época da emissão do documento (repito, 1987), a luta armada já havia sido desbaratada e todos os constituintes tinham mandatos legitimamente obtidos nas urnas, como candidatos de partidos legais, que, como tais, não podiam ser chamados de “organizações subversivas”.

AMEAÇA COMUM – Um dos 15 acordos assinados em Mar del Plata (o de número 15) partia do princípio de que “o Movimento Comunista Internacional (MCI) continua sendo a ameaça comum e principal a todos os países americanos e, como tal, deve ser combatida, particularmente através da união e de procedimentos comuns entre todos os exércitos americanos”.

Essa expressão, “união e procedimentos comuns”, é, claramente, o espírito que orientou a Operação Condor, a multinacional da repressão que perseguiu e matou adversários das ditaduras instaladas em boa parte da região.

O documento defendia, ainda, a intervenção dos exércitos “nos demais campos do poder”, além do campo estritamente militar.

TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO – O documento dedicou 15 páginas à análise de Teologia da Libertação, formulação teológica embebida de marxismo desenvolvida na América Latina a partir da década de 1960.

A análise de inteligência militar não condena a TL em si, mas sim o que chama de “variantes marxistas da Teologia da Libertação”. Cita nominalmente um punhado de teólogos como integrantes dessas “variantes marxistas”, entre eles o brasileiro Hugo Assman, sociólogo e doutor em Teologia (morreu em 2008).

Chama a atenção que, entre os “subversivos” citados, figurava o jesuíta espanhol Ignácio Ellacuría. Dois anos depois, em 1989, Ellacuría foi assassinado em El Salvador, onde servia, por um pelotão do Batalhão Atlacatl das Forças Armadas locais, junto com outros cinco jesuítas.

EXECUÇÕES – A mentalidade que impregna o documento de 1987, já na democracia, ajuda a entender a decisão de autorizar execuções de opositores, tomada na ditadura.

Mentalidade assim descrita em editorial desta Folha a propósito da publicação do documento dos exércitos emitido em Mar del Plata: “Seria uma débil opinião pública, por outro lado, a que não repudiasse com máximo vigor este testemunho de um autoritarismo, de uma rusticidade mental, de uma estreiteza e de uma prepotência que já foram amplamente ultrapassados pela sociedade brasileira”.

O dramático é que reapareçam agora, 33 anos após o fim da ditadura, cabeças que preservam essa “rusticidade mental” e essa “prepotência” que o editorial dava por ultrapassadas.

14 thoughts on “Depois da CIA, outro documento sinistro exibe a paranoia pós-ditadura

  1. Das organizações subversivas, a pior, mais desastrosa, chamavamos, antigamente, de Canal 5.
    Foi o canal 5 que impregnou a Banânia em Pindorama.
    E ainda hoje o canal 5 subverte geral!
    Chega o horário nobre; a família reunida após um dia de trabalho; e o ancora comenta: “cocaína, a cocaína. quilos de cocaína”, tendo ao fundo imagens da cocaína.
    E começa….
    Deixam as famílias e saem para comprar cocaína…

    Subversão que dissolve as famílias, que enche muitos cofres cofres, enche as prisões, que enche de balas a população das cidades brasileiras.

    Bala de leite Kids a melhor bala que há!
    Bala de leite Kids quando o baleiro parar!

  2. o comunismo e os comunistas tem que ser varridos da face da terra, pois em nome de um causa ideológica, os psicopatas, como stalin , Fidel e outros da mesma organização criminosa internacional, mataram milhões de inocentes que nem sabiam o que é essa praga defendida por luladrão, dilmalandra e outros traidores e roedores da pátria, que aqui, através do foro de São Paulo, roubaram-nos bilhões de reais e, se essa bandida não fosse expulsa do poder, estaríamos pedindo ajuda à Venezuela ou mesmo à Cuba que foram os países cujos governos covardes mais nos roubaram em conluio com a corja petista, peessedebista, pedetista, pesebista e outros dessas espécies.

    Portanto, tolerância zero com essa bandidagem que se aproveita das delícias do capitalismo, basta observar as roupas que as deputadas e senadoras comunistóides exibem diariamente, compradas às custas da miséria do povo brasileiro, ainda que alguns do povo os tenham ajudado para estarem lá no congresso, defendendo as causas que somente beneficiam a curriola comunista instalada no poder.

    Deus é grande, e já está fazendo justiça ao nos dar de presente o juiz Sérgio Moro e tantos outros que estão encarando, de frente e com altivez, esses assaltantes da pátria, e o exemplo maior, é a prisão do salafrário Luiz Inácio que até hoje não está arrependido de ter saqueado, juntamente com seu bando e de todas as formas, os recursos do povo brasileiro que às duras penas, luta diariamente para produzir as riquezas do Brasil, e vê o seu honroso patrimônio ser arrancado por esse bandido apedeuta.

    Não reconhecer que as atrocidades foi de ambos os lados porque quem se junta com terroristas, terrorista´é, e quem se junta com dilma, é no mínimo suspeita, haja vista o que ela fez quando chegou a poder, e quase livrou seu comparsa ao tentar dar-lhe uma carta de assunção de ministro para livra-lhe das mãos da justiça, incorrendo em verdadeiro delito, mas graças a Moro, foi pega com a boca na botija juntamente com o malandro que lhe agradeceu, chamando-le de “QUERIDA”.

    Comos os bandidos se admiram, e agora Palocci vomita tudo na cara do apedeuta, que lhe atribuía grande fidelidade, em sua vã esperança de não ser delatado por seu ex comparsa, todas as falcatruas do único ex presidente a ser preso por crime comum na história do nosso querido Brasil.

    Dessa forma, o vampiro do sertão, mancha para sempre a história do nosso país, mas foi a oportunidade que tivemos para termos plena certeza de que ideologia não escolhe berço, mostrando que uma pessoa de origem pobre pode ser muito mais ladra que um rico a quem, quase sempre se atribui que somente é rico porque roubou de alguém. Ledo engano, o trabalho sério e inteligente pode e deve enriquecer a quem a ele se dedica.

    Temos, no momento, a figura de Donald Trump, que faz suas viagens em sua própria aeronave, e não como o apedeuta que logo construiu o famigerado aerolula para passear pelo mundo e acelerar a roubalheira e t aornar mais rápida entrega dos nossos interesses, o que foi a marca do desgoverno, aplaudida principamente por psicopatas do pt e pelo malandrão Barak Obama, que o chacoteou dizendo: “Esse é o Cara”, e o basbaca acreditou, tornando-se presa fácil da sua arrogância e hoje preso literalmente.

  3. A lamentar, que mentes embotadas ou mal intencionadas querem a cisão entre os brasileiros de qualquer maneira!

    Que a esquerda faça o seu papel de ter o poder mediante expedientes ilícitos e enganadores, mas fomentar a separação do povo com as FFAA, trata-se de um crime Lesa-pátria!

    O regime de exceção foi eviscerado.

    Quem se sentiu prejudicado e entrou com uma ação por perdas e danos morais embolsou gorda indenização, e nada mais justo.

    Não aconteceu o mesmo com aqueles que foram mortos pelos subversivos, que lutaram para implantar uma ditadura do proletariado no Brasil à lá Cuba, logo, uma injustiça clamorosa.

    Na questão da tortura, onde este tipo de crime hediondo não poderia ficar impune, pois os militares e os “guerrilheiros” cometeram seus assassinatos usando desse expediente abominável, surgiu a Anistia Ampla, Geral e Irrestrita, nivelando vítimas e torturadores de ambos os lados da mesma forma.

    Portanto, e por uma questão de sensatez, jamais um regime de exceção poderá ser defendido, na mesma sintonia que a democracia não pode ser usada para um modelo de administração com absolutos fundamentos na cleptocracia!

    Se o roubo institucionalizado no país nos últimos 33 anos ou depois da ditadura não pode ser classificado como tortura nos moldes da década de sessenta, os desvios de fortunas incalculáveis para parlamentares, membros do executivo e partidos políticos, indiscutivelmente ocasionam sofrimentos atrozes nos cidadãos porque o desemprego, a inadimplência, a violência exacerbada, saúde pública deteriorada, matam do mesmo jeito!

    Então, a minha discussão e acalorada com aqueles que teimam em apresentar as mortes geradas pelos conflitos no passado entre militares e guerrilheiros, pois estes queriam outro modelo de ditadura, e que jamais poderão ser comparada aos números que os presidentes eleitos ocasionaram ao país tanto em milhares de mortos pela violência, quanto pelo descaso do bem-estar da população!

    Critiquemos o que houve na ditadura, evidente, mesmo após tantos anos do seu término, mas deixar de lado os crimes abomináveis dos políticos contra o Brasil e seus cidadãos, definitivamente é irresponsabilidade, má intenção e desviar-se da realidade!

    Somente Cabral, ex-governador do Rio, quantas mortes podem lhe ser atribuídas pelos roubos que praticou somente em seu Estado?!

    Muito mais do que as 430 pessoas que morreram pela ditadura, inquestionavelmente!

    E Lula, através da sua quadrilha de ladrões, os petistas?!
    Estatais, fundos de pensão, obras superfaturadas, aparelhamento do Estado, empréstimos consignados … quantas milhares de pessoas que morreram pela falta de dinheiro do governo porque lesado e prejudicado pelos crimes do PT e aliados?!

    Ocultar esta verdade é crime, cujo objetivo não é auxiliar o povo e país, mas a manutenção de interesses e conveniências com esta falsa democracia que se tem no Brasil!

    Enfim, esta nação vem sendo negligenciada tanto pelos seus mandatários, quanto por aqueles que se dizem defensores desse sistema lesivo e pernicioso ao povo, que terão em mim um opositor de seus métodos condenáveis, de modo que não possam sem contestação responsabilizar os militares pelos problemas atuais!

  4. O Caetano conta numa entrevista que um oficial culto e esclarecido conversava com ele, numa boa, quando esteve preso, depois do show histórico na Boate Sucata, com os parangolés do Hélio Oiticica e toda aquela mis en scene tropicalista e psicodélica, dizendo: “vocês não enganam não, essa postura de ativismo cultural é mais subversiva que a guerrilha”.

  5. O nível de confiança que os brasileiros depositam no Exército atingiu a marca de 80,3%.

    Brasília (DF) – O nível de confiança que os brasileiros depositam no Exército atingiu a marca de 80,3%. Foi o que mostrou uma pesquisa realizada pelo Instituto Qualitest Ciência e Tecnologia, contratada pelo Exército Brasileiro, com o objetivo de identificar a percepção que a sociedade carrega quanto à imagem da Instituição. Foram realizadas cerca de 2.000 entrevistas, com nível de confiabilidade de 95% e uma margem de erro de 2,2% para mais ou para menos. O levantamento foi realizado em todo território nacional, no primeiro trimestre de 2018.

    O capital de confiança do Exército, conquistado junto à população brasileira, vem se sustentando ao longo dos anos, como atestam pesquisas realizadas por diferentes institutos. Esses resultados ressaltam o reconhecimento da sociedade brasileira pelo esforço dos integrantes da Força Terrestre de se fazerem presentes em inúmeras ações dentro ou fora do País.

    A atuação do seu “Exército que nunca para” em cooperação na área de segurança, em obras de desenvolvimento, no patrulhamento de fronteiras, no desenvolvimento tecnológico, nas situações de esforço humanitário, como ocorre atualmente em Roraima, ou em missões de paz são parte dos grandes desafios que a Instituição enfrenta com entusiasmo e dedicação. Por essa razão, o índice de confiança, que alcança cerca de 160 milhões de brasileiros, constitui-se em um patrimônio forjado por homens e mulheres que representaram, representam e continuarão representando o seu Exército Brasileiro.

    http://www.eb.mil.br

    Podem rui varem bastante os vermelhinhos.

  6. Essa história quanto à confiança é assaz relativa. Populações já confiaram em Hitler, Collor, Lulla e, presentemente, há até quem confie em ” democratas” especializados em matar.
    Pode?

  7. Clóvis Rossi e foice de SP? Credibilidade zero, verdadeira fake News, este folhetim já era, redação apinhada de sapata, gazelinhas, fumetas e comunas, patéticos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *