Depois do recuo, Bolsonaro diz que a ‘minoria’ contra seu governo é ‘digna de pena’

bolsonaro-cercadinho

Bolsanaro afirma que o Brasil pode virar uma nova Venezuela

Dimitrius Dantas
O Globo

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que os manifestantes que foram às ruas domingo para protestar contra o seu governo não fazem parte da população “de bem” e são “dignos de pena”.

Em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, gravada e editada por um canal simpático ao presidente, Bolsonaro fez pouco caso dos protestos do final de semana. As manifestações foram esvaziados após a divisão na oposição sobre a participação ou não em atos que uniram desde grupos liberais, de direita, a grupos comunistas, de esquerda.

MAIORIA DO BEM – “A maioria da população é de bem. Essa minoria que é contra, que muitos foram às ruas ontem, são dignos de dó, de pena” — afirmou.

Na conversa, Bolsonaro reclamou que alguns dos manifestantes fizeram ataques pessoais à primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Além disso, o presidente voltou a alertar sobre o suposto perigo do Brasil seguir o caminho de países como a Venezuela e Argentina caso a esquerda vença as eleições. O presidente citou como exemplo uma parábola em que um sapo é colocado na água e não percebe que ela é esquentada aos poucos, até virar sopa.

“O sapo lá dentro começa a ficar numa boa, cheio de projetos sociais, não precisa trabalhar mais” — disse Bolsonaro, que completou: “Quando você vê, a água ferveu demais, o sapo tá relaxado, não tem mais força para sair da panela, ele vai virar sopa. É assim que começam os regimes de exceção e terminam da forma mais trágica possível como o da Venezuela. Como está indo, espero que mude nossa Argentina, o Chile começa a dar demonstração que essa parábola tem que ser levada em conta”.

CONVULSÃO SOCIAL – Logo depois, Bolsonaro afirmou que, caso siga pelo mesmo caminho, o Brasil poderá ter um “caos” ou uma “convulsão social”.

“Essa história não tem final diferente. Todos os finais são iguais. Se o Brasil tiver um caos, uma convulsão social, não vai ser diferente da Venezuela, de Angola e que está acontecendo em outros países também” — afirmou o presidente, no chamado “cercadinho”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A diferença entre os países citados é que o Brasil tem um potencial de desenvolvimento muito superior ao dessas nações mencionadas por Bolsonaro. Aqui, quem geralmente atrapalha não é o povo, mas seus governantes. (C.N.)

11 thoughts on “Depois do recuo, Bolsonaro diz que a ‘minoria’ contra seu governo é ‘digna de pena’

  1. Sempre digo para a minha mulher, o mito vai perder a reeleição para ele mesmo, o infeliz não consegue ficar um dia só de boca fechadam . O cara mente tanto que acredita nas próprias mentiras.

  2. “Depois do recuo, Bolsonaro diz que a ‘minoria’ contra seu governo é ‘digna de pena’ ”

    Se o Bolsonaro chama vagabundo esquerdista de vagabundo esquerdista, a mídia diz que é ódio do gabinete do ódio. Se o Bolsonaro alivia, e diz que está com dó; os esquerdistas também reclamam.

    Por isso que os bolsonaristas radicais sempre dizem: “Não pode ter dó de esquerdista; se eles se levantarem, eles vão criar um órgão de censura e vão voltar a espoliar os cofres públicos”.

  3. O mal do Brasil, o seu flagelo, são os políticos. Quando não há crise, inventam uma. No caos produzido por eles, somos depenados até o último centavo. Não somos como o GADO que foi as ruas para ser usado. E mal usados. A resposta a mais esse comentário infeliz, será dado nas urnas em 2022.

  4. Hehehehe tem gente que adora divulgar que o capitão só avança para a retaguarda.
    Tem também os que dizem que a vaia é o aplauso de quem não gosta.
    Os eufemismos estão aí mesmo para serem usados.
    Hoje usei um, do avanço para a retaguarda para a manifestação do Fique em Casa.

  5. Não sei por que o Dr. Edinei, que tanto nos honra com suas brilhantes análises políticas e comportamentais, não abre uma clínica exclusiva da TI, com certeza, falta de pacientes não seria o problema.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *