Deputado denuncia que governo interfere na CPI da Petrobras

Enio Bacci foi pressionado para faltar à CPI da Petrobras

Mariana Jungmann e Iolando Lourenço
Agência Brasil

O deputado Enio Bacci (PDT-RS) denunciou que foi “pressionado” a não comparecer à reunião da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras, a fim de que não houvesse quórum para a votação de requerimentos. Segundo Bacci, a pressão partiu da cúpula de seu partido e de parlamentares ligados ao governo. A maioria dos parlamentares da base não compareceu aos trabalhos desta terça-feira, e o quórum para apreciação de requerimentos não foi atingido.

“A pressão foi no sentido de que a minha continuidade como membro titular da CPMI poderia estar comprometida caso eu não seguisse essa orientação de não comparecer para que não houvesse o quórum necessário. Essa pressão veio tanto de membros do governo quanto da cúpula do meu partido”, disse o deputado.

Bacci disse ainda que tem o apoio da bancada de seu partido para continuar investigando “doa a quem doer” as denúncias de corrupção na Petrobras. No entanto, ressaltou que “há uma diferença entre a bancada e a direção partidária”.

PRESSÃO

O deputado contou que recebeu de sete a oito ligações e até contatos pessoais para que não fosse à reunião, e que alguns desses interlocutores disseram que ele seria obrigado a deixar a CPMI se contrariasse a orientação. O parlamentar não quis revelar os nomes das pessoas que telefonaram para ele por considerar que isso seria “antiético” e acreditar que elas não o fizeram por vontade espontânea, mas por orientação do governo.

Procurado pela Agência Brasil, o presidente do PDT, Carlos Lupi, disse “que faz algum tempo que não fala com o deputado Enio Bacci”, e acrescentou: “Não tenho conhecimento de nada. Desconheço essa denúncia”.

O líder do governo na Câmara, Henrique Fontana (PT-RS), também declarou não ter conhecimento da denúncia do deputado do PDT. Disse ainda que “não falou com ele” e que não tem informação de que alguém teria procurado Bacci com o objetivo de repassar qualquer orientação.

O líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), disse não saber da denúncia de Bacci e negou que o PT tivesse feito qualquer tipo de pressão. “Eu não estou sabendo disso [da denúncia de que houve constrangimento], mas posso afirmar que da parte da liderança do PT não houve [pressão para o não comparecimento]”. Perguntado se na próxima reunião haveria votação de requerimentos, Vicentinho disse que “a reunião foi convocada pelo presidente da CPMI [senador Vital do Rêgo] para deliberar administrativamente, e eu espero que assim aconteça”.

16 thoughts on “Deputado denuncia que governo interfere na CPI da Petrobras

  1. Autoridades dos ESTADOS UNIDOS estão investigando o envolvimento da Petrobras e de seus funcionários em um suposto esquema de pagamento de propinas, segundo reportagem publicada neste domingo pelo “Financial Times” em sua página na internet. Conforme o jornal, fontes familiarizadas com o assunto contaram que o DEPARTAMENTO DE JUSTIÇA dos Estados Unidos abriu uma investigação criminal sobre a empresa, que tem ADRs (do inglês American Depositary Receipt) listados em Nova York, enquanto a Securities and Exchange Commission (SEC), que regula o mercado de capitais americano, está buscando um inquérito civil.

    A reportagem lembra que a estatal, a maior empresa brasileira, é alvo de investigações pela Polícia Federal e pelo Ministério Público que podem culminar na revelação de “um dos maiores casos de corrupção da história do país”. O jornal também destaca que muitos dos problemas apontados na Petrobras teriam ocorrido quando a presidente reeleita Dilma Rousseff estava à frente do conselho de administração da empresa.

    “As autoridades dos Estados Unidos estão investigando se a Petrobras ou seus funcionários, intermediários ou prestadores de serviços violaram a Lei de Práticas Corruptas no Exterior [tradução livre de Foreign Corrupt Practices Act], uma lei anticorrupção que torna ilegal subornar funcionários estrangeiros para ganhar ou manter negócios”, indica a reportagem, citando as mesmas fontes como origem da informação.

    No Brasil, segue o texto, promotores alegam que a estatal e seus fornecedores superfaturaram custos de projetos e aquisições em “centenas de milhares de dólares e repassaram parte dos recursos para políticos da coalizão governista liderada pelo Partido dos Trabalhadores”. Segundo o Financial Times, o Departamento de Justiça e a SEC declinaram de comentar o assunto e a Petrobras não respondeu o pedido de entrevista.

  2. O site do advogado americano Jason Coomer possui uma seção específica para processos de delação de corrupção do governo brasileiro. Coomer encoraja internautas que “tenham conhecimento de contratos fechados por meio de suborno ou contrapartidas ilegais” a entrar em contato, pois as recompensas previstas na legislação dos Estados Unidos variam de 10% a 30% do valor do suborno e de possível superfaturamento.

    Apesar de ser uma publicação que precede as revelações da operação Lava Jato, a Petrobras já era um dos principais alvos de Coomer, pois ao combinar as enormes reservas de petróleo e gás com investimentos estrangeiros diretos, a estatal faria do Brasil o quinto maior produtor de petróleo do mundo, atrás apenas da Rússia, Arábia Saudita, EUA e Irã.

    O site afirma que o Brasil é um dos países que atrai muitos investidores internacionais e “essa ferrenha competição combinada com o histórico brasileiro de corrupção no governo será um teste para inúmeras leis anti-suborno”.

    Como forma de incentivar delatores, Coomer lista várias companhias ligadas à indústria do petróleo condenadas pela lei anti-corrupção nos EUA, bem como os valores dos respectivos acordos selados junto à Securities and Exchange Comission (CMV americana). Confira abaixo a lista e os valores pagos nos acordos.

    Panalpina – Subornou autoridades na Nigéria, Angola, Brasil, Rússia e Cazaquistão. US$ 81,9 milhões
    Pride International – US$ 56,1 milhões
    Royal Dutch Shell – US$ 48,1 milhões
    Transocean – US$ 20,6 milhões
    Noble Corporation – US$ 8,1 milhões
    Tidewater – US$ 7,5 milhões
    GlobalSantaFe – US$ 5,8 milhões

  3. Certamente os fatos ocorreram. O que ganharia o deputado para contar histórinhas?
    O inusitado é a denúncia do mesmo. Faz parte da base aliada, seu partido é da base aliada. Quanto a CPI, parece que não vamos precisar dela para nada. A lama correndo solta e sendo realimentada diariamente, ajudará a sociedade a entender.
    Já a CPMI, continuando ou não, já mostrou que seu trabalho é falso. Servirá para mais pessoas entenderem por que tem de ser feita reforma política, por que os eleitores tem de votar pelo país e não por esmolas, etc.
    Como seria bom que alguns deputados/senadores, semanalmente, desses notícias assim.

  4. Mais uma demonstração inequívoca da não independência entre os podres poderes. Só podemos protestar ou lastimar, pois não resta outra coisa. Nossos representantes não nos representam. Os dirigentes amam mais os cargos que a eles próprios.

  5. Cambada de políticos inconsequentes,tão destruindo a democracia com seus atos impensados e interesses escusos, é como desastre de avião, só caí ,depois de sucessivos erros. Tão errando e muito, e a democracia corre perigo, tanto pelos comunistas representado pelo PT ou então pelos militares representando a direita radical

    • Verdade Reis.
      E no centro, no meio da confusão, uma sociedade abestada, omissa e que trocou o país por bens de consumo, funk, cerveja e carnaval.
      A escola pública (em todos os níveis) virada em lixo, com honrosas exceções, saúde e segurança na UTI.
      Só funciona os mensalões, a propina, a corrupção e a incapacidade mental da sociedade. Ah, a esperteza da classe política cada vez maior e mais atuante.
      Imagine, nós que lutamos pela redemocratização, sofremos com a ditadura, por vermos todos os mecanismos institucionais comprometidos, termos de buscar os quartéis para pedir-lhes socorro e assumirmos que não sabemos o que fazer.
      A maior herança maldita que deixaremos aos nosso filhos e netos. Os bisnetos talvez não tenham mais país para se preocupar.
      Abraço e Deus nos ajude!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *