Deputado desmente ter recebido oferta de propina para não atrapalhar a negociação da Covaxin

ImagemDeu na Folha

Segundo reportagem da Revista Crusoé, após avisar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre possíveis irregularidades na compra da vacina Covaxin, o deputado Luis Miranda (DEM-DF) teria recebido uma oferta de propina para não atrapalhar a negociação.

Diz a revista digitalque poucos dias depois de falar com o mandátario, Miranda participou de uma reunião na região do Lago Sul, em Brasília, com Silvio Assis, lobista ligado ao deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara dos Deputados.

OFERTA DE PROPINA – Durante a reunião, Miranda teria recebido uma oferta para que ele e o irmão, o servidor do ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, não se envolvessem no caso da vacina indiana. De acordo com a revista, durante a conversa não foram citados valores, apenas a possibilidade de pagamento em troca do silêncio dos irmãos.

Cerca de um mês depois deste primeiro encontro, diz a Crusoé, o deputado Miranda participou de uma nova reunião, no mesmo local, com Assis. Desta vez, o líder do governo Ricardo Barros esteve presente. De acordo com a reportagem de Patrik Camporez, Ricardo Miranda guardou os registros das conversas realizadas via Whatsapp que viabilizaram a reunião.

Uma nova oferta de propina foi feita para que o deputado Miranda e seu irmão não atrapalhassem as negociações envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin. Desta vez, a conversa teria sido mais direta e Miranda recebeu a oferta de cerca de $ 1milhão pela “parceria” no negócio.

MIRANDA DESMENTE – À revista, Assis confirmou ter se encontrado com Miranda, mas negou que tenha conversado sobre a compra de vacinas. Já o deputado afirmou que prefere falar sobre o assunto somente à Polícia Federal.

Em postagem no Twitter, porém, Miranda não confirmou que recebeu oferta de propina. Após a publicação da reportagem da Crusoé, o deputado disse que a revista “é responsável por suas matérias e certamente arcará com o que escreve! Não quero ser usado para criar narrativas e volto a afirmar que todas as minhas conversas com Ricardo Barros foram republicanas e não vou me pronunciar sobre fatos que não posso provar!”.

2 thoughts on “Deputado desmente ter recebido oferta de propina para não atrapalhar a negociação da Covaxin

  1. Ou seja, desmascarada a tramóia, o denunciante “bomba” está tirando o corpo fora.

    Aos aliados da bandidocracia tucano-petista, como o crápula Diogo Mainardi, restou abraçar-se a gente como Aziz (o homem de 250 milhões), Randolfo (DPVAT), Renan 17 processos de corrupção) e esse tal de Miranda. Tudo gente finíssima, mamulengos do ladrão-mór, Lula da Silva.

    Enquanto isso, o povo aclama o Presidente Bolsonaro lá no Mato Grosso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *