Deputados querem oficializar “rachadinha” para “vitaminar” fundo de campanha eleitoral

A ideia é taxar em 3% os salários de políticos e seus assessores

Ranier Bragon
Folha

Em meio às articulações para definir o montante de dinheiro público que será destinado às campanhas municipais de 2020, líderes partidários na Câmara discutem a possibilidade de vitaminar o fundo eleitoral taxando em 3% os salários de todos os políticos do país e de seus respectivos assessores.

A medida — cujo objetivo seria reunir algo em torno de R$ 4 bilhões a cada dois anos, passando a valer possivelmente já para as eleições gerais de 2022 — tornaria oficial, e com destinação carimbada para o financiamento eleitoral, uma prática que hoje é feita de forma escamoteada em alguns gabinetes.

“RACHADINHA”– Trata-se de uma espécie de “rachadinha”, que se tornou mais conhecida com as investigações sobre deputados e assessores parlamentares do Rio de Janeiro, entre eles Fabrício Queiroz, amigo e espécie de faz-tudo da família Bolsonaro.

Ex-funcionário de Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Queiroz teve movimentação atípica em suas contas e admitiu que recebia parte dos valores dos salários dos colegas de gabinete. Segundo sua versão, usava esse dinheiro para remunerar assessores informais de Flávio, sem o conhecimento do filho do hoje presidente da República.

O projeto que oficializaria a “rachadinha” já é objeto de discussões preliminares no  Ministério Público Federal (MPF), fonte inicial da informação obtida pela Folha. O responsável por levar aos demais líderes partidários da Câmara a proposta de uma nova fonte de recursos para o fundo eleitoral foi Luis Tibé (Avante-MG), líder da bancada e presidente nacional do partido.

“IRRISÓRIO” – “Eles até gostaram muito da ideia, até porque atenderia ao pleito de não tirar nada de outros investimentos públicos. Os envolvidos no pleito bancariam isso. E seria um valor pequeno, irrisório”, afirma Tibé. O congressista diz não ver relação com as “rachadinhas”.

“Isso não é ‘rachadinha’, isso é um fundo em que os cargos comissionados [assessores] já sabem que vão contribuir com 3% do salário. É completamente diferente uma coisa da outra”, afirma. “A pessoa entra, está lá público que será descontado do contracheque um valor para fazer um fundo para sustentar as eleições. Isso é uma lei em que vai estar claro que quem vai contribuir são os agentes diretamente envolvidos na eleição, os parlamentares, os cargos comissionados”, diz.

RENDIMENTOS – Tibé afirma que, pelos cálculos feitos por técnicos, a cobrança da taxa de 3% do salário de presidente, governadores, senadores, deputados, prefeitos, vereadores e funcionários públicos de livre nomeação (os concursados não seriam taxados) renderia algo entre R$ 3,5 bilhões e R$ 4 bilhões a cada eleição.

Há cerca de duas semanas o ex-deputado e principal comandante do PL (ex-PR), Valdemar Costa Neto, mandou a área técnica do partido fazer uma estimativa própria, que chegou a números inferiores. O partido confirmou a informação, mas não forneceu os cálculos. A Folha ouviu outros três líderes partidários, em condição de anonimato, que confirmaram estar avaliando a medida. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), diz que não conhece a proposta.

“A ideia foi muito bem vista. O problema é que há ‘n’ projetos que têm uma prioridade maior, que são ‘para ontem’. Para 2022 acho possível e vou trabalhar para que isso ocorra”, afirma Tibé. Só no caso dos 513 deputados federais, por exemplo, que ganham mensalmente R$ 33,8 mil e têm ao seu dispor uma cota mensal de R$ 111,7 mil para contratação de até 25 assessores, o valor arrecadado com a oficialização da “rachadinha” seria de R$ 58 milhões a cada dois anos.

CAMPANHAS – No Legislativo, o país tem ainda 81 senadores, 1.059 deputados estaduais e mais de 57 mil vereadores, todos com ampla rede de assessores comissionados. A proposta de taxação do salário de políticos e assessores tem como pano de fundo a intensa articulação de bastidores para definir a fatia do Orçamento da União que será destinada às campanhas.

Até 2015, as eleições eram financiadas majoritariamente pela doação de grandes empresas privadas, como empreiteiras e bancos. Naquele ano, o Supremo Tribunal Federal (STF ) proibiu a participação das empresas sob o argumento de que elas desequilibravam a correlação de forças entre os candidatos.

FINANCIADORAS – Algumas das grandes financiadoras do mundo político, como construtoras, foram foco de alguns dos maiores escândalos de corrupção da história do país. Com isso, o Congresso aprovou para o pleito de 2018 a criação do fundo eleitoral, que naquele ano destinou R$ 1,7 bilhão de verba pública para os candidatos. Esse valor é acrescido aos cerca de R$ 1 bilhão que os partidos recebem anualmente do fundo partidário.

Líderes dos principais partidos do Congresso, porém, afirmam considerar o valor insuficiente. Para a disputa municipal de 2020, discutem-se nos bastidores cifras que vão do R$ 1,7 bilhão de 2018, corrigido, até R$ 4 bilhões. O martelo só será batido na votação por deputados e senadores do Orçamento da União para 2020, o que deve ocorrer em meados de dezembro.

13 thoughts on “Deputados querem oficializar “rachadinha” para “vitaminar” fundo de campanha eleitoral

  1. Pera la: Até o dia de hoje, “rachadinha é crime” e Flávio Bolsonaro e seu assessor informal Queiroz estão a responder processos sobre este tipo de crime, e a jogada da “rachadinha” é esta, descrita no artigo : “Ex-funcionário de Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Queiroz teve movimentação atípica em suas contas e admitiu que recebia parte dos valores dos salários dos colegas de gabinete”.

    E agora, líderes partidários na Câmara pretendem transformar este crime em Lei, passando as “rachadinhas” a serem prática corriqueira e lícita ?

    A inovação criminosa que veio à luz na imprensa através da família Bolsonaro, inclusive do próprio Jair Bolsonaro que enriqueceu com “rachadinhas” em suas décadas como deputado do baixo clero e ensinou esta prática a seus filhos, de prática imputável por ser considerada ilícita agora vai virar Lei ? Lembro que as “rachadinhas” são feitas com o uso de dinheiro público, e não são para financiar partidos e sim para enriquecer parlamentares.

    Isto está certo ?

    • Pelo visto vai ficar “certo”. O triste caso é a que prática é comum para que eventuais sanções recaiam apenas sobre os Bolsonaro, porque sempre alguém vai lembrar que outros políticos fazem o mesmo e aí ficará difícil justificar a impunidade. Por isso irão legalizar o costume, para o “bem da nação”.

  2. Futura lei canalha , absurda e humilhante. Atitudes assim desmoralizam a Câmara Federal. Afronta ao bom senso e ao salário do funcionário. Coitado, terá que aceitar a humilhaçao para não perder o emprego.

  3. Esse dinheiro do fundo de campanha eleitoral interessa até quem não tem chance alguma de ganha eleições, é um maneria de enriquecimento ilegal. Por isso, esses políticos querem o máximo de dinheiro do fundo de campanha eleitoral
    Esse dinheiro é do povo, tirado da saúde, da educação etc.

  4. O que é a rachadinha. E como ela aparece na política hoje

    Géssica Brandino13 de set de 2019(atualizado 13/09/19 às 13h42)

    Esquema de desvio de salários de assessores é prática recorrente no baixo clero e faz suspeitos da direita à esquerda

    O senador Flávio Bolsonaro e o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro, filhos de Jair Bolsonaro, aguardam a confirmação da vitória do pai na eleição presidencial de 2018.

    Suspeito de empregar funcionários fantasmas e de receber a devolução de salários de assessores de seu gabinete, prática conhecida como “rachadinha”, o vereador Carlos Bolsonaro se tornou alvo de dois procedimentos de investigação do Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro, conforme revelou a revista Época nesta quarta-feira (11).

    Notícias sobre a prática da rachadinha têm movimentado o cenário político brasileiro. O esquema se tornou mais conhecido a partir do caso de outro filho do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro, investigado pela prática no período em que atuou como deputado estadual no Rio de Janeiro.

    Naquela ocasião, o Ministério Público mostrou que a transferência de vencimentos era uma prática comum no legislativo fluminense, atingindo outros 26 deputados estaduais. A rachadinha, entretanto, está longe de ser uma exclusividade de um único local ou partido.

  5. Os assessores dos deputados deveriam ter formação superior e mais dez anos de experiencia em sua formação. Hoje, qualquer palhaço, amigo conivente do deputado, é indicado para receber uma bolada como assessor e dividir o salário com o cretino deputado ladrão do erário.
    Estamos degradando e denegrindo a possível melhoria que os assessores poderiam, de fato, implementar se fossem preparados e capazes.

  6. Está mais do que na hora de fechar essa “bagaça”. Passaram de refis os limites. Político bão é eleito para legislar em causa própria. Isso deveria ser lei.

  7. Viva o Mengão Bi-Campeão da Libertadores!

    Os vendedores de tamancos piram!

    E salve o Tri-Rebaixado Clube de Regatas Vasco da Gama, freguês eterno do Mengão!

  8. Meeennggggooooooooo! Hora de berrar,beber, e soltar o grito do coração!Jesus fez as substituições certas e corajosas. Em 5 minutos virou o jogo. O português se consagrou de vez. Pelo título também do brasileirão, outro porre marcante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *