Desembargador corrupto é condenado apenas a cumprir penas de prestação de serviço comunitário.

Carlos Newton

Reportagem do excelente jornalista Chico Otávio, no Globo, enviada ao Blog por Darcy Leite, mostra que o juiz federal Erik Navarro, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, condenou o desembargador aposentado Manoel Carpena Amorim, ex-corregedor da Justiça fluminense, a dois anos e meio de prisão e 41 dias multa (R$ 76 mil) por crime contra o sistema financeiro, em decisão que admite recurso.

Carpena é o  líder nacional dos desembargadores

Motivo: documentos apreendidos pela Polícia Federal na casa dos doleiros Christiane Puchmann e Norbert Muller revelaram que o magistrado criou duas empresas offshore em paraísos fiscais para depositar US$ 478 mil (R$ 971 mil), entre 2005 e 2006, em contas de bancos da Suíça e do Principado de Liechtenstein, na Europa, sem declarar os valores ao Banco Central e à Receita Federal.

Chico Otávio explica que Carpena, porém, não irá para cadeia. Por não ter antecedentes criminais, terá a prisão substituída pelas penas de prestação de serviços à comunidade e de prestação pecuniária, também com duração de dois anos e meio, a ser indicada pelo juiz de Execução. E não perderá os proventos da aposentadoria.

###
UM  SR. CORREGEDOR

O pior é que um juiz corrupto como ele ainda foi corregedor do Tribunal, era só o que faltava. Na função, Carpena Amorim foi responsável pela abertura de processo disciplinar contra a juíza Márcia Cunha, da 2ª Vara Empresarial do Rio, em 2005. A magistrada teve a conduta questionada após dar decisão liminar que permitiu à Previ e outros fundos de pensão retirar das mãos do grupo Opportunity, do empresário Daniel Dantas, o controle da Brasil Telecom.

Márcia, no mesmo ano, denunciou o lobista carioca Eduardo Raschkovsky por tentativa de corrupção em nome do Opportunity. Havia uma ligação entre o lobista e o corregedor. De 2003 a 2004, Raschkovsky foi sócio de Marlene de Souza Carpena Amorim, mulher do então corregedor, e de pelo menos dois doleiros, na empresa imobiliária Ocean Coast.

Traduzindo tudo isso: a Justiça está podre, os magistrados são cidadãos acima da lei e da ordem. Não cumprem prazos, trabalham quando bem entendem, têm férias de 60 dias ao ano, foram carnaval, semana santa e feriados prolongados, e não estão sujeitos a punições.

Por fim, lembremos que Carpena Amorim é criador e presidente da Associação Nacional dos Desembargadores – ANDES. Os magistrados – em sua maioria – realmente merecem um líder desse naipe.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Desembargador corrupto é condenado apenas a cumprir penas de prestação de serviço comunitário.

  1. Com o exemplo de não ir para cadeia. Juiz Euclides SG 3a vara no processo de reintegração de posse juiz conversa de amigos com autores um papo na audiência .Nao lê todos anexados no processo onde demonstra vendedores agindo des fé desde a assinatura do contrato de compra e venda. Assinam que documentos liberados e casa habitável. Enviado a financeira há uma execução trabalhista desde 2001 e 2010 notificada que agora seria pessoa física, logo, não poderia vender imóvel sem quitar com a justiça. Juiz Euclides devolve a posse a devedores da justiça e que agem de má fé desde o início.
    O juiz abona executada da justiça, herdeira que quer justiça, onde agiu de má fe.
    Processo 0054460.56.2019.8.19.0004.

    Pesquisem cada fase foi aprovada pelos herdeiros e ainda não quer pagar todas as melhorias necessárias para habitarmos o imóvel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *