Desencontros, avanços e recuos

Carlos Chagas

 Continuamos assistindo a  um festival de desencontros, avanços e recuos do governo e de sua base parlamentar. Afinal, a presidente Dilma Rousseff demitiu com desonra  quatro altos funcionários do ministério dos Transportes,  e depois, o  próprio ministro, para deixar aquele setor da administração federal nas mãos da mesma quadrilha do PR,  que o dilapidava? Se não era assim,  por que convidou o senador Blairo Maggi para novo ministro? Se estava mesmo determinada a fazer de Paulo Passos o titular do ministério, por que demorou tanto para confirmá-lo?

E o PR, que repudiou a designação interina do secretário-executivo do ministério,  como logo depois curvou-se à sua nomeação? Dilma participou ou não a senadores do PR haver-se decidido por Paulo Passos? O palácio do Planalto  diz que sim, Blairo Maggi, que não. Mas tem mais: Luiz Antônio Pagot prometeu revelar que autoridades situadasno governo Lula e no PT,  acima dele,  decidiam a respeito do superfaturamento de  obras rodoviárias, mas, depois, desmentiu a intenção. Teria sido pressionado pela cúpula do PR, tendo esta se acertado com a presidente da  República?  Afinal, houve roubalheira ou não, no ministério dos Transportes?  Quem será responsabilizado? Quem  vai pagar?

Um adendo: e as  empreiteiras, as que contribuíram com altas comissões e propinas para dirigentes do PR, serão identificadas, consideradas inidôneas,  perdendo  seus contratos?

***
 O PARTO DA MONTANHA

Como acontece faz tempo, a montanha gerou um rato. Na administração pública, sempre que alguém se vê  caído  em desgraça, começa fazendo ameaças. Anuncia que contará tudo o que se passou nos bastidores, acusando autoridades superiores como responsáveis pelas irregularidades causadoras de seu infortúnio.  Põe o mundo em polvorosa, sem saber se fala a verdade e se efetivamente dispõe  de  provas contra seus superiores. No fim, é convencido a calar, sabe-se lá porque variados métodos de persuasão. 

Uma única frase de Luiz Antônio Pagot em seu depoimento de ontem, no Senado, condensa essa prática centenária entre nós: “ele nunca me exigiu  nem me pediu nada”.

Ele, no caso, é o ministro  Paulo Bernardo, que ocupava o Planejamento no governo Lula e há dias  foi denunciado  por Pagot como quem ditava o  comportamento do Dnit, inclusive escolhendo empreiteiras de obras e  autorizando superfaturamentos. De repente, a acusação se esvai, o depoente nega tudo o que antes  vazou para a imprensa.  Alguma coisa terá acontecido, nesse interregno. Entre mortos e feridos salvaram-se todos. Pagot não fez denúncias e a culpa, como sempre, será debitada aos  meios de comunicação.        

***
VEXAME

Vexame, mesmo, ontem, nessa lambança envolvendo Luiz Antonio Pagot, o PR e  o  governo,  foi a súbita interrupção da transmissão  do depoimento do ex-diretor-geral do Dnit  nas Comissões de Infra-estrutura e Meio Ambiente do Senado.  Quando eram formuladas as primeiras indagações capazes de elucidar  denúncias de corrupção no ministério dos Transportes, a TV-Senado entrou com imagens de uma reunião da Comissão de Economia onde se discutiam  empréstimos para o governo do Rio de Janeiro. Trocaram  Pagot pelo Pezão. 

Fica difícil acreditar que tudo não passou da aplicação dos postulados da emissora, dentro da hierarquia de transmissão dos trabalhos das comissões.   Obviamente vieram de  cima  ordens para tirar do ar uma  discussão que deixava todo mundo mal, a começar pelo governo.   

Adiantou muito pouco, pois a imprensa inteira continuou acompanhando o depoimento de Pagot. Infelizmente, tratou-se de  mais uma  demonstração de estarem  os meios de comunicação estatais e públicos submetidos a forças e  a  interesses situados além da natureza do jornalismo, que é  divulgar os fatos  importantes.

***
EM RITMO LENTO

Com todo o respeito, mas acaba de ser encenada outra novela-tartaruga. Há três semanas que os supermercados Pão de Açúcar e Carrefour anunciaram a disposição de se unir numa só empresa, sob os auspícios do BNDES, que entraria com 4 bilhões de reais. Mais do que surpresa, a informação  despertou indignação.  Por que usar  recursos públicos num negócio exclusivamente privado?  Apesar da gritaria na imprensa e no Congresso, o governo endossou a fusão das empresas. A chefe da Casa Civil confirmou e apoiou o ingresso dos recursos do  BNDES.

Agora vem a presidente Dilma e dá o dito pelo não dito. Quer  aquele banco público  de desenvolvimento econômico e social  fora da operação privada. Uma decisão acertada, mas profundamente lenta. O desgaste é evidente, para o governo.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *