Desgaste no Exército: Militares do governo defendem saída de Pazuello após derrota em vacina

Charge do Gilmar Fraga (gauchazh.com.br)

Gustavo Uribe e Daniel Carvalho
Folha

A derrota do governo federal na queda de braço pelo início da vacinação contra o coronavírus aumentou o apoio de militares da atual gestão para que o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, se afaste do comando da pasta responsável pelo combate à pandemia.

Para integrantes das Forças Armadas de alta patente, a vitória do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que conseguiu sair na frente do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na imunização da população, vinculou ao general da ativa uma imagem de negligência com a saúde da população, colocando em risco a aprovação das Forças Armadas.

NEGACIONISMO – O diagnóstico feito à Folha, em caráter reservado, é de que, ao ter começado a encampar, desde o final do ano passado, o discurso negacionista do presidente, o militar compromete a postura institucional de independência do Exército.

A avaliação no Exército e de militares que integram o Executivo é de que o ministro resolveria a questão passando para a reserva, como os demais militares do primeiro escalão da gestão federal. Ele, assim, teria mais liberdade para defender posições políticas.

Desde o ano passado, quando era pressionado por não conseguir conter o crescente número de infectados e mortos com a Covid-19, no entanto, Pazuello tem resistido a essa alternativa e, de acordo com assessores do presidente, já disse que prefere deixar o governo a passar para a reserva. A postura resoluta tem feito com que parte do núcleo verde-oliva considere que a única alternativa se tornou realmente a sua saída da pasta.

DESGASTE – O desgaste na imagem do Pazuello também levou integrantes do centrão a retomarem pressão para uma mudança no comando da Saúde. O bloco de partidos aliado à atual gestão tem interesse no comando da pasta.

Desde o ano passado, porém, ministros palacianos já avaliavam o timing ideal para que Pazuello deixasse a pasta. Segundo relato feito à Folha, em dezembro, em uma reunião no Palácio do Planalto, o nome do líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), foi defendido para substituir o general no final do primeiro semestre deste ano.

A incapacidade do Ministério da Saúde em adquirir doses da vacina e o fracasso da pasta na negociação com a Índia, porém, foram episódios considerados pelo braço militar a gota d’água para que a mudança no comando da pasta seja antecipada.

TRAPALHADAS – A insatisfação com Pazuello entre os militares do governo não se deve apenas às trapalhadas do ministro relacionadas à imunização. A avaliação é também de que ele não tem feito uma defesa enfática das Forças Armadas no transporte de insumos a cidades em situação de emergência por causa da doença.

O último mal-estar ocorreu na crise recente em Manaus. No dia 8, o Ministério da Defesa iniciou operação de transporte de cilindros de oxigênio para o Amazonas. No dia 11, Pazuello visitou Manaus e, na opinião de militares do governo, não deu o devido destaque à operação iniciada quatro dias antes.

O incômodo é tamanho que militares palacianos costumam se contrariar com matérias jornalísticas que lembrem da patente militar do ministro da Saúde. Para evitar uma vinculação com o Exército, preferem que jornalistas se refiram a ele apenas como ministro, não como general.

EXPLICAÇÕES – No domingo, dia 17, outro episódio gerou mais desgate na imagem de Pazuello. A PGR (Procuradoria-Geral da República) deu 15 dias para o ministro explicar por que não agiu para garantir o fornecimento de oxigênio aos hospitais de Manaus. O pedido foi feito com base em reportagem publicada pela Folha no sábado (16).

Na semana passada, com o aumento das críticas a Pazuello, Bolsonaro fez uma defesa enfática do ministro e disse que não tem motivos de ele deixar o governo. “Pazuello está fazendo um trabalho excepcional. Não vai sair de lá. Não tem motivo de sair de lá”, disse.

Com a derrota do domingo que, segundo aliados do presidente, o deixou irritado, a aposta é de que, em busca de culpados, Bolsonaro possa ser convencido a rifar o general da ativa, deslocando-o para outro cargo no governo.

PONDERAÇÃO – Auxiliares civis do presidente e parlamentares do centrão, contudo, não acreditam em uma troca agora. Eles ponderam que os militares sempre reclamam, mas que Bolsonaro gosta do perfil “cumpridor de ordens” de Pazuello.

Além disso, apesar da pressão de alguns integrantes do centrão, a cúpula do bloco diz ser preferível assumir a pasta depois que o desgaste com o início da campanha de imunização tenha sido superado. Para o comando do bloco, é mais viável que a troca seja efetuada durante a reforma ministerial aguardada para fevereiro.

Além de Pazuello, Bolsonaro avalia outras mudanças em sua equipe ministerial após a eleição da presidência da Câmara dos Deputados. São discutidas alterações em pastas como Turismo, Educação, Minas e Energia e a Secretaria de Governo.

REPUBLICANOS –  Para o lugar do ministro Onyx Lorenzoni, por exemplo, que hoje comanda a Cidadania, a ideia é nomear um indicado do Republicanos, sigla a qual se filiaram dois filhos do presidente: o senador Flávio Bolsonaro (RJ) e o vereador Carlos Bolsonaro, do Rio de Janeiro.

Em entrevista no domingo, Pazuello mentiu ao afirmar que o governo federal tinha em mãos vacinas do Butantan e da AstraZeneca, e criticou o governador de São Paulo, que iniciou a vacinação no estado.

Até o início da manhã desta segunda-feira, dia 18, Bolsonaro ignorou nas redes sociais o início da campanha de vacinação em São Paulo. Desde domingo, ele, seus filhos e auxiliares ligados ao gabinete do ódio têm se empenhado em compartilhar publicações que confrontem a letargia do governo federal no enfrentamento à pandemia.

8 thoughts on “Desgaste no Exército: Militares do governo defendem saída de Pazuello após derrota em vacina

  1. Mourão e Vilas Boas, padrinhos do JB achavam que o Capitão lhes respeitaria. Porém já enfiaram o galho dentro.
    Os militares q de início sonhavam em novamente ditar os rumos da nação estão hoje sem saber como sair de cena sem parecer desertores.

  2. Tá certo! Gostoso mesmo é ficar na moita, ganhando altas salários e acumulando regalias; e em troca: emprestar a “carranca” para dissuadir quem pretender derrubar Bolsonaro.
    Afinal, ninguém quer ser colocado à prova; o bom mesmo é levar a vida blefando, para impressionar os trouxas!

    • O Brasil está sendo arrastado tratar e discutir fatos irrelevantes, ainda qie graves, mas que não nos leva a um patamar superior.
      A questão do impeachment do Bolsonaro, sim já deveria estar em pauta, primcipalmente agora que as negligencias aumentaram.
      Se nao fizermos isto em curto espaço de tempo iremos nos arrepender profundamente. Tomemos como exemplo o caso do mensalão, onde estava claríssimo que luiz inacio era o chefe daquela quadrilha, e.que através das artimanhas de muitos membros do STF e do congresso, a condenação do dito cujo foi relaxada, abrindo caminho para a escalada do petrolão onde o bandido e sua turma se locupletaram, a aí nem a condenação dele e de muitos outros impediram os prejuízos enormes aos cofres públicos.
      Quantas crianças deixaram de estudar, quantos chefes de família deixaram de recwbwr salários e quantos permaneceram nas filas dos atendimentos de saúde sem lograrem êxito.
      Tudo por causa da ladroagem das empresas de engenharia que mancomunadas com o maior ladrão do país e sua bem organizada quadrilha que fazim a festa e riam de nós trabalhadores.
      Depois de tudo isso. o STF irá julgar a suspeição do juiz Sergio Moro, justamente que mais trabalhou çara colocar o bando de luiz inacio e de Dirceu na cadeia.

  3. WOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOW!!!!

    Olha a notinha agrojornalística aê, genteeeem!!!!!

    Quer dizer que a milicada, do alto dos seus mais de 6 mil carguinhos (números de setembro) na administração Civil está incomodadinha com o bosta do Pazuello???

    Do alto dos seu plano de carreira, das regalias que receberam na Reforma Previdenciária (se aposentam com proventos integrais), estão preocupadinhos com o general que deixa vencer 6 milhões testes de covid????

    Não falha nunca!

    Percebam o modus operandi neste trecho maroto:

    “O diagnóstico feito à Folha, em caráter reservado, é de que, ao ter começado a encampar, desde o final do ano passado, o discurso negacionista do presidente, o militar compromete a postura institucional de independência do Exército.”

    “Caráter reservado”….kkkkkkkkkkkkkkk xD

    Assim é fácil, né, Gado?

    Repito aqui: Quero ver um militar de alta patente ter a dignidade de criticar em público o general vagabundo que ocupa o Ministério da Saúde: tem que dar nome e patente. Anonimato é plantação vagabunda pra inglês, ops, pra gado ver.

    E que história é essa de “postura institucional de independência do Exército.”???

    Quem não se lembra do boquirroto Mourão, bem antes da campanha de 2018, falando caca em Loja Maçônica??

    Acham mesmo que o vagabundo do Pazuello teria alguma independência se passasse pra reserva?

    Todo mundo sabe que ele só foi escolhido para o cargo por ser o que é: um vagabundo invertebrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *