Desmoralização de Aécio Neves prejudica a base de apoio a Michel Temer

Resultado de imagem para aecio neves charges

Apoio de Aécio era fundamental para Temer

Pedro do Coutto

A decisão da primeira turma do Supremo Tribunal Federal, ao suspender o mandato do senador Aécio Neves, sejam quais forem os desdobramentos que vai provocar, sem dúvida alguma representou uma forte deterioração da imagem do presidente licenciado do PSDB, com reflexos na posição do partido em relação à denúncia contra o presidente Michel Temer. Foi um duro golpe desfechado logo no início da articulação desenvolvida pelo Palácio do Planalto para blindar o julgamento do presidente da República pelo STF.

Aécio Neves é senador, mas sua influência no PSDB significava uma base de apoio na Câmara à posição de Temer. Recorda-se que na primeira denúncia de Rodrigo Janot 22 deputados tucanos votaram a favor da continuidade do processo e 21 foram contrários. Na parcela desses 21 registrou-se influência anunciada por parte de Aécio.

AS COISAS PIORARAM – Naquela ocasião, o senador mineiro já estava afastado da presidência nacional do partido, mas estava numa posição muito melhor do que a que se encontra no momento. Inclusive porque as denúncias contra Temer e Aécio tiveram a mesma procedência em matéria de delação premiada. Joesley Batista divulgou gravações feitas no Palácio Jaburu e também na residência de Aécio Neves.

Aécio Neves disse ter apenas aceitado um empréstimo de R$ 2 milhões de reais que pedira ao controlador da JBS. Sua versão evidentemente encontra-se rejeitada pela opinião pública do país. Tanto assim que teve ele de se afastar da direção dos tucanos. Michel Temer foi gravado pelo mesmo Joesley e não apresenta nenhuma explicação. Somente tenta se recolher numa espécie de bunker estratégico de onde se irradiam luzes tornando clara a corrupção desenvolvida.

A matéria que focaliza a decisão do STF afastando Aécio é de Carolina Brígido, em O Globo desta quarta-feira.

COMPRANDO VOTOS – Verbas públicas estão sendo usadas para seduzir votos decisivos. Mas o povo do país não autorizou a realização desse sombrio pagamento marcado pela troca de ações ilegítimas. Um amigo meu, o médico Pedro Campello, em conversa informal, colocou um tema bastante sensível no episódio que se desenrola na Esplanada de Brasília.

Ele diz, com razão, que este era o caso de as oposições recorrerem ao Supremo contra o uso de verbas públicas para fins particulares do chefe do Executivo. Deixo aqui a idéia, que considero legítima e procedente. Afinal, é preciso distinguir bem as causas e seus limites entre o público e o privado. O Presidente Michel Temer, claro, tem pleno direito de defesa. Porém não com utilização de recursos do Tesouro Nacional, como é público e notório.

PRIVATIZAR A ELETROBRAS – Nesta quarta-feira o Valor, em matéria de Rafael Bitencourt, reproduziu declarações do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, sobre o projeto de privatização da Eletrobrás. Disse o titular da Pasta que o modelo final, incluindo a colocação de ações no mercado será entregue ao presidente Michel Temer nos próximos dias. Frisou que a estatal tem ativos avaliados em 170 bilhões de reais. Acrescentou, entretanto, que há necessidade de superar alguns desafios.

Um deles, na minha opinião, está na dúvida se o desafio maior poderá ser ultrapassado com a pulverização das ações da holding. Pulverização capaz de transformar a União de majoritária em minoritária no capital da empresa. Deve-se levar em conta que a manutenção, digamos, de 40% dos papeis, não significa posição minoritária, desde que os outros 60% estejam divididos por vários sócios.

Como tudo é relativo, definição de Einstein, quem possui 40% é dono da maior parte do capital com direito a voto.  Vamos aguardar o modelo final anunciado pelo ministro Fernando Coelho.

2 thoughts on “Desmoralização de Aécio Neves prejudica a base de apoio a Michel Temer

  1. Os tucanos estão em extinção. Deixe-os definhar até o seu desaparecimento !

    Já o presidente da câmara, Rodrigo Maia quer salvar o sogrão a todo custo, mas não depende apenas dele.

    O relator da CCJ ainda pode fazê-lo.

    Em última hipótese a oposição tem que ter um questionamento pronto para ser feito junto ao STF no caso de que se tente votar um processo 3 em 1 !!!

  2. Lembrando que a oposição também fez uso deste instrumento quando precisou, acho dificil deles se manifestarem desta forma. Talvez a OAB ou outra entidade mais sérias que a oposição. Esse tipo de manobra difere pouco ou nada da corrupção pura e simples. Não se trata de acertos entre políticos e empreiteiros para se financiar campanhas ou enriquecimento ilícito em troca de favores, mas de políticos comprando a consciência de outros políticos com o uso descarado dos cargos e verbas públicas. É evidente que restam dois caminhos, ou o STF toma a frente ou as FA se verão forçadas a fazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *