Desta vez, não foi a economia, estúpido!

Resultado de imagem para radicalismo charges

Charge do Oliveira (Humor Político)

Lauro Jardim
O Globo

Jair Bolsonaro capturou corações e mentes de 49 milhões brasileiros em um país enredado em violenta crise econômica, com 12,7 milhões de desempregados. O triunfo eleitoral do capitão, contudo, passou ao largo de propor soluções para a retomada do crescimento ou para o drama fiscal. Ou ainda para a urgente reforma da Previdência.

Apesar do desemprego nas alturas, pareceram importar muito mais ao eleitor a corrupção, a segurança pública e os valores familiares.

FIM DO MANTRA – Bolsonaro sepultou o mantra consagrado por James Carville, o estrategista de Bill Clinton, para quem o que define o voto nas democracias ocidentais é a situação econômica do país (“É a economia, estúpido”).

Sua campanha tornou hegemônicos outros temas. E surfou neles com inegável sucesso. O que esteve em jogo, ao menos até aqui, foram os valores que Jair Bolsonaro encarna — e foram eles os vencedores do primeiro turno.

São os princípios mais retrógrados na área da segurança pública (“bandido bom é bandido morto”). São também anacrônicos na esfera do comportamento e valores familiares. Mas foi a bordo dessa caravana de preconceitos e atrasos que Bolsonaro capturou o seu eleitor.

APOIO DO MERCADO – O Posto Ipiranga deu um lustro ao campo econômico do candidato. Paulo Guedes serviu para acalmar o mercado financeiro, ainda que seus agentes não tenham confiança absoluta na súbita conversão de Bolsonaro ao liberalismo. Não importa — a aversão ao PT é maior do que uma eventual dúvida sobre as reais intenções de Bolsonaro nesta seara.

A economia, contudo, nunca foi o que mais importou para a grande massa dos eleitores do capitão. A pauta econômica foi sequestrada pela ideia da pistola nas mãos do “cidadão de bem”, pela luta antiaborto e o combate ao kit gay, pela defesa do antipoliticamente correto e da “família tradicional”. E pelo antipetismo, claro. Bolsonaro é o pastor desses brasileiros.

Henrique Meirelles pensou que, por causa da economia, iriam chamá-lo. Só que o eleitor preferiu chamar o guarda.

26 thoughts on “Desta vez, não foi a economia, estúpido!

  1. Não vejo a hora do Capitão Bolsonaro e do General Mourão acabarem com o regime ditatorial do comunista Maduro.

    Preparem-se FFAA para ajudar a libertar nossos irmãos Venezuelanos.

  2. Bandido bom é bandido morto não me parece um princípio moral ou uma máxima ou uma regra. É atitude que a sociedade aceita em face de um perigo que a ameaça – o crime existe em toda parte e se tornou poderoso e organizado. Tal qual a quadrilha do PT que quase nos dizimou e ainda fez seguidores, como se nota pelos resultados eleitorais do nordeste.
    Precisamos moralizar o país e iniciar a limpeza em todos os níveis. Por isso precisamos de uma pessoa determinada como o Bolsonaro. A presidentA foi diplomada pela Unicamp em economia e não sabia nem somar embora fosse uma gênia para subtrair dos outros (a Petrobras que diga).

  3. Trabalhadores, haverá segundo turno para Presidente da República do Brasil.

    São 33 milhões com carteira assinada e 11 milhões sem carteira assinada.

    Pensar em você trabalhador é pensar no Brasil também, pois o Brasil somos nós.

    Com a fala do candidato Bolsonaro e dos seus assessores, nossos direitos trabalhistas poderão acabar.

    Quem tem carteira assinada está correndo grande risco de perder os direitos tão duramente conquistados.

    E quem não tem carteira assinada vai continuar do mesmo jeito pois virá a carteira de trabalho verde e amarela, aquela com pouquíssimos direitos.

    Mesmo quem é autônomo também ficará na berlinda, a nossa previdência social será desmantelada pelo Bolsonaro, para morrer basta estar vivo, então a viúva ficará só com a metade de sua aposentadoria ou metade do que você teria direito caso se aposentasse naquele momento.

    Caso a sua esposa seja aposentada só poderá acumular aposentadoria com pensão até o limite de 2 salários mínimos e vice-versa.

    Isso vale para quem tem carteira assinada também.

    Estando com dúvida PESQUISE BASTANTE na internet e verá que o risco é grande.

    Então no segundo turno repense o seu voto se foi no Bolsonaro.

    Pense em você e em sua família.

    Caso ele ganhe no 2º turno é muito provável que a reforma da previdência seja votada ainda este ano, com os deputados e senadores já eleitos, isso passa tranquilamente.

  4. Urgência midiática reforma da Previdência. Convenhamos. Arruma-se a Casa e depois se apara as arestas, enxugar gelo, só agrada a quem quer vender previdência privada e extinguir por idade, teto e tempo de contribuição, a prevista na Constituição, com o nome real de Seguridade Social. A previdência que quem contribui, já faz isso pagando mais do que precisa para ele mesmo se aposentar. Bolsonaro apenas vai ter certeza disso quando se eleger e aí a verdade aparece do jeito que precisa, sem o filtro dos maus. Quanto a projeção estratosférica de Bolsonaro, não há a menor sombra de dúvida que a permanência de Temer, foi crucial e preponderante para isso. Manter o vice de Dilma enrolado até o pescoço, com denúncias e pedido de investigação aceitas pelo STF, acintosamente barradas pelo Congresso, foi uma afronta imperdoável a todo cidadão que se dá ao respeito e nutre um mínimo de caráter nesta terra. Alckmin teve mais voto do que merecia. Não há dúvida de que muita gente terá muito o que explicar ano que vem. Não há gênio da economia que consiga manter seu nome limpo em um país com um governo sujo. Raciocínio cartesiano.

  5. Realmente o que esta acontecendo não foi devido a economia e sim ao estilo Pixuleco PT de governar que provocou mais de treze milhões de desempregados, aumentos na conta de energia ( 46% de aumento em um ano), disparada dos preços dos combustíveis, quase destruição da Petrobras, etc.etc. Isto é tanto verdade que o Presidente de Honra do PT e outros afiliados estão presos.

    • Exatamente. Doeu no bolso, o povo dá o troco. Temer abriu as pernas para a iniciativa privada e os congressistas, enxertou dinheiro público demais para se manter livre das investigações e agora paga a conta. Ele e quem se manteve a seu lado.

  6. Esse “jornalista” foi aquele que criou a fake-news de que Bolsonaro queria fuzilar a rocinha inteira e foi desmentido pelo jornalista Augusto Nunes .
    Ele, essa mais uma coisa da nossa imprensa fake, não entendeu que o povo tá cansado é de mentiras das quais esse “jornalista” é um de seus hospedeiros e transmissores.

  7. Os bolsonaristas estão em clima de velório por que imaginavam que iam vencer já no primeiro turno.

    Os progressistas estão em festa!!! Pois contra todas as previsões contra mídia conservadora contra a perseguição insana, o povão com Haddad chega ao 2o turno com sua força espelhada por todo o Brasil.

    O povo disse não ao velho sistema político mas disse também sim ao PT Lula e Haddad.

    De agora em diante cada um por cento que Haddad subir vai tirar um porcento de bolsonaro.

    • “O povo disse não ao velho sistema político mas disse também sim ao PT Lula e Haddad.”

      É o que se chama contradição dos fatos. O petê – até os animais sabem disso – é o velho sistema.

      Alex, lamentamos – todos nós aqui da TI – por você. Paciência. Daqui a 10 ou 15 anos, quem sabe?

  8. Só não foi eleito no primeiro turno porque muitos preferem receber a miséria em forma de bolsa ajuda , do que se livrar da escravidão inconsciente …
    O nordeste prefere viver das migalhas do governo corrupto , a tentar se livrar dos grilhões !!

    • Concordo com Paulo 2. Infelizmente tem partidos que se aproveitam da miséria das pessoas comprando-as com um marmitex, quando poderiam, no caso do PT, nos seus 13 anos de governo empregar bilhões do dinheiro público em vez de desviá-lo para as ditaduras socialistas africanas, de Cuba e venezuela.
      Isto acabaria com a miséria, ma o PT perderia votos.

  9. O principal problema a ser resolvido é chutarmos o pestismo do Poder. Depois disto feito vem a retomada da economia e com ela a redução do desemprego. Mas para isto é preciso que chutemos o pestismo de vez do Brasil . E agora

  10. Bolsonaro terá de fazer diferente.
    Se fizer igual o resultado será igual ou pior.
    O segundo turno consolidará a união com o povo que quer mudanças, para melhor.
    Legislativo precisa cumprir com seu papel e responsabilidades.
    Quem eleger (e elegerá) Bolsonaro, terá de cobrar dos eleitos no parlamento.
    Não pode ser esquecido que, AS PROPOSTAS DE BOLSONARO TAMBÉM ESTÃO SENDO ELEITAS!
    Fallavena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *