Diante da pressão por impeachment, Bolsonaro diz a apoiadores que “se Deus quiser” permanecerá no cargo até 2022

Até agora há 61 pedidos de impeachment protocolados na Câmara

Patrik Camporez
Estadão

Com a crescente pressão nas redes sociais e no meio político para que o Congresso abra um processo de impeachment, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira, dia 20, que “se Deus quiser” vai permanecer no cargo até 2022. Até agora, há 61 pedidos de impeachment contra Bolsonaro protocolados na Câmara.

“Se Deus quiser vou continuar meu mandato e, em 2022, o pessoal (que) escolha. Tem muita gente boa para escolher”, afirmou o presidente, em conversa com apoiadores, no Palácio da Alvorada. “Espero que os bons se candidatem também, para não deixar os mesmos de candidatos.”

MANAUS – A afirmação foi feita após perguntas de eleitores sobre a trágica situação de Manaus, onde pacientes com covid-19 morreram por falta de oxigênio nos hospitais. “Agora o problema lá é mais grave que no resto do Brasil. Geralmente, a rede pública lá, de hospital, sempre esteve cheia, 90%, 95%, e as cirurgias estão sendo adiadas”, disse Bolsonaro.

“Então, a pessoa que podia ter um tratamento preventivo lá atrás não vai (ao hospital) porque não tem atendimento e, quando agrava a doença, ela vai e junta com a pessoa que está com covid. Daí vem o caos”, acrescentou.

Apesar de afirmar que a situação de Manaus é mais grave, Bolsonaro observou depois que “o caos não é só lá”. Disse, ainda, que “parece” que em uma cidade do interior do Amazonas havia começado a aparecer o mesmo problema. Foi quando um eleitor o lembrou que em Coari (AM), a 450 quilômetros de Manaus, sete pessoas também morreram porque não havia oxigênio.

IMPEACHAMENT – Na semana passada, partidos de oposição anunciaram que vão  protocolar, nos próximos dias, um novo pedido de impeachment contra Bolsonaro, sob o argumento de que ele cometeu “crimes de responsabilidade em série” na condução da pandemia do coronavírus.

Aos apoiadores, o presidente disse que o governo tem agido para minimizar a crise no Amazonas. “Quando nós fomos notificados do problema, dois dias depois o Pazuello (Eduardo Pazuello, ministro da Saúde) esteve lá, ficou três dias. Ele acionou toda estrutura da Força Aérea, levamos oxigênio para a região de balsa, de avião. Fizemos todo o possível”, justificou.

Os eleitores de Bolsonaro concordaram, mas relataram casos sobre a triste situação de Manaus. “Olha, tem o governo federal, os estaduais e municipais. É compartilhado. Nós aqui fazemos tudo o que é possível. Quando é solicitado, nós atendemos”, disse. Logo depois, afirmou haver “uma diferença enorme entre o que acontecia no passado e o que acontece hoje em dia”, citando, mais uma vez, o PT, partido com o qual rivaliza na cena política.

12 thoughts on “Diante da pressão por impeachment, Bolsonaro diz a apoiadores que “se Deus quiser” permanecerá no cargo até 2022

  1. JB está visivelmente perdido. Acuado. Desesperado. Basta observar as expressões faciais. Os olhares e a dificuldade em balbuciar palavras.
    Mas, isso tudo NAO é crime. É fruto da escolha dos brasileiros.

  2. Tudo que sabem dizer é vc não sabe deixa roubar e aqui é para os profissionais ,,

    Só a globo sonegou segundo o doleiro bilhão …

    Bolsonaro não serve para o sistema !!

    Os homens podem fazer planos , mas Deus tem a última palavra !

  3. “se Deus quiser” permanecerá no cargo até 2022”

    Ou seja, o Bozo sabe que por ele não ser mais útil pode ser descartado a qualquer momento.

    Somente as idiotas bolsonaretes achavam que esse Coiso é antissistema!

  4. E lá se vão 22 anos de luta pelo possível Novo Brasil de verdade. Mestre Brizola, parceiro de chapa, em 1998, foi um bom camarada, um líder político de ponta no segmentos progressista, mas, infelizmente, ele tb não tinha Projeto Novo e Alternativo de Política e de nação, que tive a oportunidade de lhe mostrar com ele me dizendo de viva voz, “… é isso ai, nós políticos temos que ser visionários, pensar e projetar grande, para que possamos realizar o grande feito que o nosso país e o nosso povo tanto necessitam, há muito tempo. Não concordo com algumas coisas que ai estão, mas o conjunto da obra é fabuloso, é de fato o possível novo Brasil de verdade…”. https://www.facebook.com/photo?fbid=2860865314159955&set=a.1435801529999681

  5. As declarações do Pinóquio é que vão levá-lo ao impeachment. O cara debate questões importantíssimas na saída do palácio, sempre criando uma nova polêmica, vai perder o emprego para si mesmo. A presidência da república devia acabar com o cargo de porta-voz, o cara não tem serviço.

  6. O Brasil poderia se reerguer facilmente: bastaria ter um Presidente de verdade (um verdadeiro Estadista). METADE DOS POLÍTICOS QUE TEM, não maIs do que três partidos, o Judiciário ganhando metade do que ganha, um décimo das mordomias que aufere e uma aposentadoria normal como todos os outros brasileiros e, em caso de crime, ser julgado como um homem ou uma mulher e não como um deus. O governo deveria proporcionar escolas públicas de tempo integral, gratuitas e obrigatórias, com os melhores professores possíveis, muito bem treinados, muito bem pagos e muito exigidos. É muito mais barato gastar com escolas do que com penitenciarias. Mas isso não interessa aos políticos, porque logo, logo, os estudantes se tornarão eleitores e eleitor inteligente, alfabetizado, bem informado, não vota nesses idiotas e ladrões que estão aí.

Deixe uma resposta para Ricardo Lemos Belo Horizonte Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *