Dias Toffoli diz que “dificilmente” a prisão de Lula será derrubada

Resultado de imagem para toffoli charges

Charge do Sponholz (sponholz.arq.br)

José Carlos Werneck

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, disse nesta segunda-feira que “dificilmente” a prisão de Lula será derrubada no julgamento em Plenário do recurso apresentado pelos advogados do ex-presidente. O recurso objetiva mudar decisão do próprio Plenário que, em abril, por 6 votos a 5, negou um pedido que pretendia evitar a prisão, decretada após a condenação de Lula em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá

O julgamento da medida contra essa decisão começou a ser feito no plenário virtual, no qual os ministros não se reúnem, mas votam através de computador. Na última sexta-feira, conforme noticiamos na “Tribuna da Internet”, quando já havia 7 votos contra e 1 voto a favor da liberdade de Lula, o ministro Ricardo Lewandowski pediu vista, o que vai levar o julgamento ao Plenário físico.

SEM MUDANÇA – “O fato é que nesse caso já houve no plenário virtual sete votos foram sete a favor da situação anterior e um divergente. Na minha opinião, eu penso que como se trata de um recurso limitado, que são os embargos de declaração, e o tema foi extremamente debatido, muito dificilmente vai haver qualquer mudança”, afirmou o novo presidente do STF, durante entrevista à Imprensa.

Ele disse que o caso não será pautado neste mês, lembrando que Lewandowski ainda nem devolveu o processo e, consequentemente, não liberou seu voto para que a data para julgamento em Plenário físico seja determinada. Só após isso acontecer é que Toffoli, ele conversará com Ricardo Lewandowski para pautar o processo.

COM LEWANDOWSKI – “A pauta até setembro já está liberada. Essa pauta não entraria nesse período. Se eventualmente o ministro Ricardo Lewandowski liberar para o plenário físico essa pauta, eu vou conversar com ele a respeito de quando ele gostaria de ver isso pautado. Mas ainda agora em setembro não será”.

Votaram contra o recurso de Lula no plenário virtual os ministros Edson Fachin, que é o relator, Cármen Lúcia, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Gilmar Mendes, enquanto apenas o ministro Marco Aurélio Mello votou a favor.

No plenário físico, o julgamento começa novamente e todos os ministros votarão, inclusive os que já se manifestaram no plenário virtual. Antes que ocorra a proclamação final do resultado, qualquer ministro pode mudar o voto, mas isso dificilmente ocorre.

SEGUNDA INSTÂNCIA – Dias Toffoli disse que não pautará neste ano um novo julgamento sobre a possibilidade de prisão após condenação em Segunda Instância. Uma mudança do atual entendimento, que permite a chamada “execução antecipada” da pena, também poderia libertar o ex-presidente Lula.

“Esse caso, já conversei com o ministro Marco Aurélio. Não será levado esse ano. É um processo que evidentemente será julgado pelo Plenário físico. Já foi julgado o pedido de liminar, e agora é o mérito.

“Não será julgado neste ano, com a concordância do relator”, afirmou o presidente do STF. Ele declarou que, assim como outras ações polêmicas, a da prisão após Segunda Instância não entra em pauta neste ano, por causa das eleições.

NO FINAL DE 2016 – A última decisão de plenário sobre o tema, dentro de uma ação com validade para todos os casos, ocorreu no final de 2016, quando, num pedido liminar, por 6 votos a 5 o plenário manteve a permissão para a prisão após Segunda Instância.

A partir daí, advogados pressionam o STF para trazer o assunto de volta para julgamento, por causa da mudança de posição do ministro Gilmar Mendes, que passou a defender a execução da pena após a Terceira Instância ou seja, depois da condenação pelo Superior Tribunal de Justiça.

O processo está pronto para julgamento desde dezembro, quando o relator, ministro Marco Aurélio Mello, concluiu seu voto referente ao tema e a ministra Cármen Lúcia que ocupava a presidência do tribunal antes de Toffoli negou-se a pautar o julgamento, por entender que não havia decorrido tempo suficiente para uma mudança na jurisprudência . E agora Toffoli diz que o julgamento ficará para o ano que vem.

14 thoughts on “Dias Toffoli diz que “dificilmente” a prisão de Lula será derrubada

  1. Para o PT e a esquerda brazuca, o melhor é Bolsonaro ganhar no 1º turno. Se houver 2º turno contra o Haddad, a população brasileira verá no horário eleitoral do Bolsonaro as pérolas da esquerda que a mídia esconde. Como esta recentíssima, por exemplo: Maduro em restaurante de luxo em Istambul enquanto o venezuelano passa fome:
    https://www.youtube.com/watch?v=jBhiOurW4vQ
    Vai ser um massacre. Finalmente a esquerda vai mostrar a verdadeira cara no horário nobre.

  2. Toffoli é um homem de sucesso ou sorte. Sem grandes conhecimentos além de um cursinho de advogado conseguiu ser parte do STF; a esposa lhe dá uma mesada de 100 mil/mes (segundo oAntagonista). Essa mesada ele divide com a ex esposa. Tem gente que nasce com o fiofó pra lua ou se corrompe para ter uma sorte gerenciada.

  3. É mais do que óbvio que o mariliense vai por em discussão a prisão ou não em segunda instância. Este ano não porque aí iria por fogo no circo mas na volta do recesso o cara por em pauta a discussão. E o 6×5 vai mudar de contra para pró-51, aí o circo pega fogo de vez. Será um grande problema com que o capitão vai ter que lidar. Mas tanto o novo Executivo como o novo Legislativo podem fazer frente aos exageros do Judiciário, especialmente do STF.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *