Dilma e PT vetam perguntas, e Folha desiste de debate

Deu na Folha

A Folha decidiu sair da organização do debate presidencial que estava preparando em conjunto com o SBT, UOL e rádio Jovem Pan. A decisão foi tomada após a campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) anunciar que não aceitaria a presença de jornalistas fazendo perguntas aos candidatos.

“Os debates são muito engessados por imposição da Lei Eleitoral e dos próprios candidatos. As regras impostas já vetam o direito à réplica para jornalistas. Agora, querem dar um passo atrás e proibir também as perguntas dos jornalistas. Nesse caso, para a Folha, fica sem sentido organizar um evento sobre o qual não terá nenhuma influência para representar os direitos e interesses de seus leitores”, diz o editor-executivo do jornal, Sérgio Dávila.

A campanha presidencial de Aécio Neves (PSDB) também não queria inicialmente a participação de jornalistas fazendo perguntas. Essa posição foi apresentada em reunião na tarde da última terça-feira (7). No dia seguinte, o tucano recuou e afirmou que aceitaria um bloco no qual os candidatos responderiam perguntas de jornalistas escolhidos por Folha, UOL, SBT e Jovem Pan.

PT RECUSA

A mudança de posição de Aécio foi informada ao comando da candidatura de Dilma, que se propôs a novamente analisar o assunto. Nesta sexta-feira (10), entretanto, a campanha petista informou que não desejaria mesmo as perguntas de jornalistas. O presidente nacional do PT, Rui Falcão, explicou a posição do partido: “O debate no segundo turno deve ser entre os candidatos, um contra o outro; se for para fazer perguntas de jornalistas, é melhor fazer uma entrevista, como a presidente tem feito”.

O debate no SBT será realizado no dia 16 de outubro, uma quinta-feira, às 18h, um horário diferente dos encontros promovidos pelas outras emissoras, que são sempre mais tarde, no final da noite.

O portal UOL, empresa do Grupo Folha, continua participando do evento e deve fazer a transmissão ao vivo, pela internet. A Jovem Pan também vai transmitir o som do debate no dia 16.

O formato do encontro será tradicional, sem espaço para surpresas. Cada candidato terá tempo fixo para fazer perguntas, réplicas e tréplicas. O moderador será o jornalista Carlos Nascimento, do SBT, a quem caberá apenas o controle dos tempos de Dilma e de Aécio, sem autorização para emitir juízos de valor a respeito do conteúdo do encontro.

OUTROS DEBATES

Além do debate no SBT, há outros três encontros entre os presidenciáveis previstos. O primeiro será no dia 14, na Bandeirantes. Depois, no dia 19, na Record. O último será na Globo, dia 24. Em nenhum deles será permitida a participação de jornalistas fazendo perguntas. No evento promovido pela TV Globo, as campanhas de Dilma e de Aécio aceitaram que um dos blocos seja com perguntas de eleitores indecisos selecionados pela emissora.

9 thoughts on “Dilma e PT vetam perguntas, e Folha desiste de debate

  1. Já me parece uma conquista haver os três debates ( dias 14;19 e 24 – respectivamente, na Bandeirantes, Record e Globo). Quanto a formatação do debate, imaginamos que as tentativas das emissoras, compreensivelmente, visam audiência.
    Por sua vez, também imaginamos que os marqueteiros dos candidatos atentaram aos formatos que podem complicar a atuação dos mesmos.
    Ninguém melhor do que eles, conhecem os pontos fracos e fortes de cada um deles.
    Daí, que o quesito perguntas de jornalistas ficou prejudicado, e parece , ficará fora do debate, porquanto somente o candidato Aécio, topou encarar essa parte, já que a presidente tirou o corpo fora, admitindo preferir perguntas de candidato a candidato, ou seja, trololó…
    No entanto, há uma tendência que talvez seja considerada, que é um quadro destinado a perguntas dos eleitores indecisos… considerando que esse número de eleitores chegou a 30% do eleitorado no primeiro turno, seria uma boa sua inclusão…

    • Andrade. O que a Dilma e o PT têm é medo que mais um pouco da verdade apareça. Quem passou doze anos praticando bandidagem um dia tem que ir para a cadeia. E, neste rítmo a Dilma não vai ter 30% dos votos no segundo turno. Não é de se admirar o medo das perguntas e então agora surge a salvação da pátria a pergunta dos indecisos. Provavelmente só aquelas a qual uma grande mentira da Dilma seja possível. A Dilma deveria jogar a toalha para não perder de goleada. O pior das denúncias ainda está por vir.

  2. Em regra, jornalistas, são mais bem informados e farão perguntas embaraçosas
    a quem tem muito o que explicar. É evidente que o candidato que distorce os fatos,
    mente, que tem em seu governo uma série de “malfeitos” não quer jornalistas fazendo
    perguntas. Como diz o ditado: quem tem culpa tem medo.

  3. Vicente, em parte você tem razão. mas político tem que estar preparado.
    Só para argumentar: numa entrevista com Brizola, um jornalista da Globo
    fez uma pergunta leviana, Brizola deu uma resposta a altura, humilhando
    o jornalista.

  4. Não, Vicente. Seriam perguntas com o interesse do povo. Mas o PT há muito tempo esqueceu o que é o povo. O que a Dilma tem é medo, muito medo das perguntas porque quem trafega dentro de um partido bandido tem medo até da sombra. E de bandidos o PT entende.

  5. Vicente, jogo sujo, patrulhamento, molecagem e leviandade têm sido a tônica do jornalismo MAV do PT. Qual é o medo? Medo da verdade? Com ou sem jornalistas a verdade está vertendo e cada vez mais a Dilma afundando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *