Dilma foi mal informada sobre a importância histórica de 8 de maio

Presidente faltar à homenagem é uma atitude imperdoável

Pedro do Coutto

A presidente Dilma Rousseff recuou mais uma vez não comparecendo às comemorações pela passagem do Dia da Vitória no Monumento dedicado aos mortos da FEB, no Aterro do Flamengo – RJ. O motivo, novamente, foi o temor de manifestações populares contrárias à sua presença. Foi um erro, uma vez que a ausência acentua falta de confiança no sucesso do esforço que tem que desenvolver para recuperar o espaço perdido na opinião pública. Mas não é esta a questão essencial.

A questão essencial é que 8 de maio representa uma importância histórica enorme para o Brasil. Ela esqueceu este aspecto, ou foi mal informada a respeito. O Dia da Vitória eterniza também a derrota do nazi-fascismo, da Alemanha de Hitler e da Itália de Mussolini. O Japão render-se-ia meses depois em agosto, da luta do Pacífico, derrotado pelos Estados Unidos.

A importância histórica para o Brasil é fortemente realçada pelo fato de nosso país ter sido o único da América do Sul a declarar, no final de agosto de 42, guerra a Alemanha, a Itália e ao Japão. Da América Latina quase também ocorreu o mesmo, pois o México declarou guerra ao eixo duas semanas antes de maio de 45. Além disso, o Brasil teve 21 navios mercantes covardemente afundados por submarinos alemães e foi também o país que forneceu aos Estados Unidos as bases aéreas de Natal e Recife, importantes para o combate aliado no Atlântico Norte. O presidente Franklin Roosevelt, inclusive veio a Natal, em 1943 encontrar-se com o presidente Vargas na capital do Rio Grande do Norte.

Não bastassem esses fatos, o Brasil foi palco, no Palácio Tiradentes, da reunião Panamericana de janeiro de 42, articulada e convocada pelo Chanceler Oswaldo Aranha no sentido de estabelecer um posicionamento comum contra a politica alucinada de Hitler. Aranha aproveitou a oportunidade para ressaltar a posição brasileira, embora não tenha sido seguido pelos demais países do Continente, os quais se mantiveram neutros em relação ao conflito que se generalizava na Europa e a partir de dezembro de 41, com o episódio de Pearl Harbor estendia-se aos Estados Unidos.

A FEB E A FAB

Para acrescentar a importância da participação brasileira, deve-se lembrar a presença no teatro da guerra dos integrantes da FEB e também da FAB. Mais de 400 soldados, sargentos e oficiais na Força Expedicionária Brasileira deixaram suas vidas nos campos da Itália. A participação brasileira nas tomadas das posições nazistas em Monte Castelo e Montese foram páginas heroicas registradas na história da guerra e acentuadas pelo General Mac Clark, comandante em chefe dos aliados na região.

Quando cito Monte Castelo e Montese como posições alemães é porque as forças italianas praticamente já haviam desaparecido de cena e o país fora ocupado pelos nazistas. A Itália assim sofreu duas ocupações: as de nossas forças comuns e das forças do nazismo. Mas isso hoje pertence ao passado.

Dilma Rousseff foi mal informada pela sua assessoria dos exemplos históricos que nesta página estou relatando e relembrando. Por isso, para o Brasil, 8 de maio de 45 não é uma data qualquer. Pelo contrário: ela marca a nossa importância no plano externo. E, no plano interno, ela significa o desencadeamento de um processo que levou ao fim a ditadura de Getúlio Vargas iniciada em novembro de 37, com o Estado Novo, e terminaria com sua deposição a 29 de outubro de 45, a convocação de eleições no dia 2 de dezembro e a posse dos eleitos a 31 de janeiro de 1946, entre os quais o próprio Getúlio Vargas mais votado em vários estados, preferindo o mandato de senador pelo Rio Grande do Sul. Naquele tempo não havia a obrigação de domicílio eleitoral e o candidato podia ser eleito simultaneamente por vários estados. Foi o caso de Vargas.

CONSTITUINTE DE 46

Esse processo marca a redemocratização brasileira baseada na Constituinte de 46. Esta Carta Magna estendeu-se até 1964 com a deposição do presidente João Goulart. O processo democrático foi interrompido por 21 anos, como a história moderna registra e uma nova Constituição a de 88 assinala.

Foi pena, portanto, que Dilma Rousseff não aproveitasse a soma de todos esses acontecimentos para se pronunciar vigorosamente nas comemorações do dia 8 de maio no Rio de Janeiro onde estão sepultados os heróis do assado. Ao transferir para Brasília a comemoração para recinto fechado no Palácio do Planalto, perdeu uma oportunidade de registrar e marcar sua presença num dos mais belos capítulos da história do Brasil. Mais do que um erro foi uma pena a sua desinformação.

12 thoughts on “Dilma foi mal informada sobre a importância histórica de 8 de maio

  1. Pedro, Pedro,

    Essa gente desqualificada tem horror à palavra militar, não sabem nada de História e detestam ir a algum lugar para aplaudir_ só querem ser aplaudidos.
    Contudo, dona Dilma enviou uma carta à Vladimir Putin, explicando que não poderia ir ao 9 de maio, na Rússia, devido a um casamento que teria que comparecer_ e efetivamente foi_ , em São Paulo.
    Quer prova mais eloquente do que essa para provar-se que os micro-homens estão no poder?
    Questões pessoais se sobrepõem às de Estado, e concluímos, seriamente, que se antes nossos soldados foram pro fundo do mar, pela Pátria, estamos todos, pelas mãos dessa gente desprezível, afogados em vergonha e perplexidade.

    Saudações,

    Carlos Cazé.

  2. A culpa não é da assessoria. Uma presidente da república não poderia nunca ignorar a história do seu país, principalmente episódios tão significativos da história recente. A culpa é da ignorância dela mesmo, ou então de sua absoluta covardia.

    • Ronaldo, você está equivocado, o imperador Hiroito declarou em discurso pelo rádio a rendição do Japão no dia 15 de agosto de 1945, poucos dias depois de os americanos detonarem duas bombas atômicas, a primeira em Hiroshima e a segunda em Nagasaki. A rendição foi assinada em 2 de setembro de 1945, a bordo do couraçado americano Missouri, ancorado na baía de Tóquio, quando o Japão já estava sendo ocupado pelas forças americanas.

  3. Comentaristas da TI, preparem-se o número de MAVs vai aumentar, para ver se melhoram a imagem da Tia. Mais do mesmo….
    “O ministro Edinho Silva (Comunicação Social) deu a ordem às agências de propaganda a serviço do governo para bancar um esquema paralelo para atuar nas redes sociais e fornecer ideias de factóides para tentar salvar a imagem deteriorada da presidente Dilma. A “força tarefa” já começou a funcionar em dois andares (ou “pétalas”) do Edifício Varig, um dos mais caros da região central de Brasília.

    A “frente de marqueteiros” já desenvolve campanhas, peças, vídeos e textos para a “nova Dilma”. Nós pagamos a conta.

    Agências de comunicação como a Click/Isobar e Agência 3 colocaram à disposição espaços para a “força tarefa” de salvamento de Dilma.

    Sites oficiais do governo, como o Portal Brasil, devem se concentrar em materiais específicos para internet, como vídeos curtos e “memes”. Leia mais na Coluna Cláudio Humberto

  4. Dias atrás, registrei este comentário na Tribuna da Internet:

    “maio 7, 2015 10:28 pm

    Os assessores da presidente Dilma são idiotas e mentecaptos!
    Ela tem a obrigação de comparecer a esta solenidade, a mais importante em termos internacionais porque se comemora o fim da Segunda Guerra Mundial, na Europa, frise-se bem, pois o maior conflito da História seguia firme no Pacífico, entre americanos e japoneses por mais alguns meses.
    Dilma tem o dever de prestigiar e homenagear as centenas de pracinhas que morreram em combate, que ajudaram os aliados a liquidar com a resistência alemã na Itália.
    A presidente pode detestar o Exército pessoalmente, mas na sua função deve enaltecê-lo nos momentos onde se mostrou glorioso, valente, destemido, e elogiado tanto pelos Estados Unidos quanto pelos generais alemães detidos!
    Permanecendo em Brasília, Dilma demonstra medo da população e das vaias, e confirma seu envolvimento nos escândalos da Petrobrás, corrupção e desonestidade, que varrem o seu governo.
    Ora, agindo desta forma, deve renunciar.
    Que país deseja um mandatário acuado, sem iniciativa, que se esconde do povo, que não age como exige a função?
    Ou a presidente enfrenta cara a cara (eu ia escrever de peito aberto, mas não ficaria adequada a frase) o povo que está insatisfeito com a sua administração ou pede as contas, agora, ficar nesta situação de inconstância, intranquilidade, sem saber o que fazer, comprova em momentos difíceis que não possui a capacidade necessária para liderar uma nação do porte da brasileira.
    Vai lá, Dilma, ouve os protestos, observa a população, admite que estamos em dificuldades, mas não foge à responsabilidade, e aprende de uma vez que governar não é somente um mar de rosas e, os marqueteiros, não são o Mago Merlin, mas simples mortais, e que erram e feio nas suas previsões, como esta, da sua ausência nesta comemoração a respeito do término da Segunda Guerra Mundial.”

    Então, só posso crer que a ausência da presidente Dilma, no Rio, em comemoração ao Dia da Vitória, foi um ato de fraqueza, pois ela representaria a derrota, uma presidente contestada pelo povo, responsável por um governo reconhecido como corrupto, desonesto, incompetente e altamente prejudicial ao povo e ao País!

  5. SINCERIDADE! ESSA ANTA PRESIDANTA SIMPLESMENTE NÃO FAZ FALTA NENHUMA EM QUALQUER EVENTO!
    É SIMPLESMENTE O(A) GOVERNANTE MAIS MEDIOCRE E DESPREZIVEL DE TODA A NOSSA HISTÓRIA. NESSE QUESITO DEIXA SARNEY E COLLOR NO CHINELO!
    FOI UM POSTE QUE O MULLA 9 DEDOS PLANTOU NO PLANALTO E NÃO TEVE CORAGEM DE TIRAR PORQUE É ANTES DE MAIS NADA UM COVARDE QUE ATUALMENTE SÓ VIVE A DIZER BRAVATAS!
    COMPORTAMENTO TIPICO DE CACHACEIRO VAGABUNDO QUE É O QUE ELE REALMENTE É!

  6. Além das Festividades aqui no Brasil serem transformadas em “animação palaciana” para a doidivana de plantão, fomos agredidos historicamente pela ignorância da política externa do foro de São Paulo com o envio do representante de Dilma o tal de Wagner para as Festividades soviéticas com os países satélites comunistas da Russia, onde hoje o Brasil é inserido por essa canalha corrupta. É preciso ensinar a essa canalha que quem lutou ao lado do Brasil e onde o Brasil foi aliado foram o Estados Unidos, e lá deveria ter um representante do Brasil nas festividades de 70 anos do final da guerra !!!! Esse país tá precisando urgente de um líder para por ordem nessa imoralidade sem fim !!!!!!

  7. O não comparecimento, voluntário da Presidente Dilma, às homenagens comemorativas dos 50 anos da derrota nazifascista e fim da segunda guerra mundial, mostra o seu desprezo pela luta contra a tirania e o holocausto e a falta de sensibilidade em homenagear os nossos oficiais e soldados morto no campo de batalha, pela liberdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *