Dilma governará com Lula ou Lula governará com Dilma?

Carlos Chagas

Certeza, ninguém tem. Surpresas sempre podem acontecer. Mas como os ventos sopram  em favor de Dilma Rousseff, importa raciocinar em função da vitória da candidata, domingo que vem. Com quem ela irá governar, impossibilitada de repetir a experiência do Lula, que nos últimos oito anos governou com ele mesmo, acima e além do seu partido?

Posiciona-se o PT para ocupar os espaços que,  senão negados por completo, foram-lhe reduzidos pela onipresença do presidente. Imaginam os companheiros que com Dilma será diferente, tendo em vista o artificialismo de sua  candidatura,  tirada do bolso do colete presidencial. Pode repousar aqui o primeiro erro do partido: o lulismo não desapareceria mesmo se o Lula pretendesse entrar em cone de sombra, hipótese descartada pela própria personalidade do presidente em vias de tornar-se ex-presidente.  Se na campanha prevaleceram  integralmente a palavra e os conselhos do rei, porque seria diferente no governo da rainha? Para o primeiro-companheiro   estarão voltadas as atenções e as expectativas dos novos ocupantes do palácio do Planalto. Aliás, nem tão novos assim, tendo em vista a presença obrigatória de ex-ministros no ministério a ser formado.

É preciso registrar, também, que depois de dois mandatos pendurados no salva-vidas oferecido pelo Lula, o PT não é mais o mesmo.  Os que desejavam as mudanças fundamentais e até a revolução proletária  dos  idos da criação do partido não  conseguiram fazê-las. Naufragaram, em grande maioria. E os  que falsamente   tentaram fazê-las,  não as desejavam.  O resultado foi a transformação do PT, de partido operário em partido de funcionários públicos, agarrados os líderes que sobraram às estruturas do estado, às diretorias de estatais, às ONGs de ocasião e até a uma burocracia fajuta.

Será esse o PT que pretende conduzir o governo Dilma Rousseff? Ela  mesmo conseguirá dispersar e  botar para correr quantos companheiros  tiverem coragem de tentar condicioná-la.  Bastaria um de seus  tradicionais  gritos tão a gosto de sua performance no governo Lula.

Sendo assim, a primeira conclusão será de que Dilma governará com  o Lula, muito mais do que com o PT. E o Lula governará com Dilma, apesar do PT.  Quebrará a cara  quem imaginar o  PMDB pensando em infiltrar-se no núcleo palaciano através do vice-presidente Michel Temer.  O grande  obstáculo a impedir essa trajetória chama-se Lula.

A MONTANHA GEROU UM RATO

A imagem  é  conhecida: raios, trovões e tempestades concentraram todas as atenções para o alto da montanha, de onde poderia surgir a hecatombe universal. No fim, quando temerosos e apavorados habitantes da planície  procuraram o resultado, encontraram um ratinho…

Com todo o respeito, assim se registra o último fim de semana de atuação da mídia semanal empenhada em demolir e implodir a candidatura de Dilma Rousseff. Imaginou-se a revelação de escândalos inomináveis, de revolução  nos intestinos do poder, de falência total das estruturas governamentais.

Fora a bolinha de papel e o carretel de fita durex que atingiram a careca de José Serra, apareceu o  que?  A denúncia de um ex-funcionário do ministério da Justiça, posto para fora depois de flagrado em irregularidades com uma quadrilha de chineses, dando conta de que a candidata pedia dossiês a respeito de adversários do governo. Só que não se revelou mais nada. Nem nomes, nem situações, muito menos provas, sequer evidências. A montanha gerou um rato…         

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *