Dilma parte para reacender flama do PT

Pedro do Coutto

Depois de visitarmos, eu e Elena, o Oceanário de Lisboa, um monumento à biologia marinha universal, leio no jornal O Público reportagem de Alexandra Lucas Coelho, correspondente do Rio de janeiro sobre o debate da noite de domingo, na BAND entre Dilma Roussef e José Serra. No primeiro debate na televisão do segundo turno, a ex-chefe da Casa Civil de Lula partiu para o ataque cerrado, segundo a reportagem do jornal português. Esta tática certamente destina-se a reacender o entusiasmo e flama do PT, arrefecidos com o desfecho das urnas de 3 de outubro. Isso acontece nas competições em que existe um favorito destacado, mas cuja vantagem não foi a esperada.

O Partido dos Trabalhadores certamente esperava vencer no primeiro confronto obtendo a maioria absoluta. Como esta não ocorreu, o desfecho bateu como uma ducha fria no entusiasmo da coligação liderada pelo PT. Eu me lembrei da final de cinquenta entre Brasil e Uruguai em relação a qual todos esperavam uma vitória fácil, porém se surpreenderam com a dificuldade que a partida apresentava.

Não quero dizer com isso que Dilma vá ser derrotada a 31 de outubro como a Seleção Brasileira foi no dia 16 de julho, há 60 anos. Quero dizer somente que os adeptos de Dilma Roussef não esperavam se deparar com a resistência que se configurou, como disse em artigo anterior muito mais com base no avanço de Marina Silva, que duplicou sua votação nos dias finais, do que propriamente com a progressão de Serra.

A campanha continua e a sua decisão, a meu ver, vai depender do desempenho dos adversários na reta de chegada. O apoio de Marina Silva a qualquer um dos candidatos é um enigma. Mas menos enigmático parece ser o desfecho da convenção do Partido Verde. Poderá inclusive acontecer uma divergência entre a maioria do PV e sua candidata do primeiro turno. Isso porque se setores do PV, como Marina disse, desejam negociar cargos, esta negociação só pode aproximá-los de Lula e não de Serra. Lula tem a caneta agora. Serra se vencer só poderia usá-la depois de janeiro de 2011.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *