Dilma quer sair fora da corrupção e culpar apenas Lula e PT

João Bosco Rabello
Estadão

A etapa da Operação Lava Jato que cumpriu anteontem dezenas de ordens de prisão contra executivos de grandes corporações marca o início da contagem regressiva das investigações em direção à classe política.

Por isso está sendo muito utilizada entre parlamentares a analogia com o naufrágio do Titanic, cujo choque com o iceberg corresponde à fase atual do processo conduzido pelo juiz Sérgio Moro. A ela se segue a lenta agonia do afundamento do navio.

Lembra o deputado Miro Teixeira (PROS-RJ), autor da iniciativa de trazer para o Brasil o instituto da delação premiada, que as prisões da sexta-feira representam o baque da embarcação contra o gelo, que desperta os participantes da festa na primeira classe, inebriados pelo clima de onipotência que os fazia sentir-se inatingíveis.

Na vida real, antes ainda do início do calendário formal do segundo mandato, abre-se o ciclo que determinará se a presidente Dilma Rousseff terá as condições políticas para impor-se à crise, tendo ela participado de toda a fase dos governos do PT em que a pilhagem da Petrobrás se desenvolveu e se consolidou, sob alertas seguidos e insistentes do Tribunal de Contas da União (TCU).

Dilma dá sinais de que não parece disposta a dividir o protagonismo da corrupção na Petrobrás com o partido – e nem com o ex-presidente Lula, que começa a ter a sua versão de desconhecimento do que se passava na estatal gradualmente desconstruída pelos fatos.

Essa determinação da presidente, que lhe custa hoje a oposição do PT, já estava sinalizada na versão que atribui à sonegação de informações pela diretoria da Petrobrás a aprovação pelo Conselho da compra da refinaria de Pasadena.

Com essa versão, embora frágil, excluiu-se de responsabilidade sobre a diretoria nomeada por Lula e agora completa o processo afirmando não ser a presidente do PT, mas do País, e prometendo que se juntará ao esforço de esclarecimento da corrupção na empresa, para que não fique “pedra sobre pedra”.

Resta saber se sua versão antecipada a blindará da possível omissão sobre o que aparentemente sabia e contra a qual sugere que nada podia, mas ainda assim permaneceu no governo que sustentava o esquema. Parafraseando o ministro José Múcio, ao herdar a relatoria de José Jorge sobre a Petrobrás no TCU, o compromisso de Dilma agora é com seu CPF. Múcio usou essa imagem para dizer que, a essa altura, o compromisso de cada um é com sua biografia.

A própria presidente, porém, conspira contra seu êxito, ao sinalizar que pretende dobrar a aposta no modelo responsável pela crise econômica, agravando o quadro político cuja instabilidade só se viu no governo Fernando Collor.

36 thoughts on “Dilma quer sair fora da corrupção e culpar apenas Lula e PT

  1. DILMA PRECISA SER FORTALECIDA, CONTRA INGERÊNCIAS NOCIVAS NO NOVO GOVERNO

    Em algumas postagens no Facebook – que podem ser acessadas aí https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1550161535200112&set=t.100006188403089&type=1&theater – repercuti informações difundidas aqui na Tribuna da Internet, e não negadas, dando conta de que o ex-presidente Lula pressiona pela nomeação do ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, para novo ministro da Fazenda.

    A presidente Dilma Rousseff busca alternativa para a pasta e as apostas maiores no momento giram em torno do ex-secretário executivo do Ministério, Nelson Barbosa, que atua na área de ensino e pesquisa da Fundação Getúlio Vargas. No exterior a presidente tem evitado falar em prazos para o anúncio de nomes de sua próxima equipe, o que não deixa de ser salutar porque mostra que não cedeu aos apelos do antecessor, que havia “sugerido” a definição imediata do ministro “para aquietar o mercado”. Sempre o Deus mercado, parece que menos agora.

    Não é novidade que a grande mídia, à frente a revista Veja e TV Globo, atuou para evitar a reeleição da atual presidente centrando baterias no escândalo da Petrobras, quando desde o início apontava sua origem no governo passado mas ateando fogo sempre na então ministra-chefe da Casa Civil e poupando o ex-presidente, cooperando para o êxito o “Movimento Volta Lula”, que acabou em nada. E, a despeito de tudo, não há fato determinante para justificar o alardeado impeachment.

    DOIS FATOS E UMA QUESTÃO:

    1. O mensalão lulista é fruto de experiência tucana, surgiu na época de FHC e foi “aperfeiçoado” pelo governo Lula;

    2. O escândalo da Petrobras iniciou no governo FHC e foi seguido pelo governo Lula, há pouco tempo vem sendo desmontado;

    3. Reeleita por conta própria para novo mandato presidencial, Dilma destoa de FHLula ou cai na vala comum?

    Estou gostando de ver…

  2. Foi ministra das minas e energia e não viu nada de errado, como presidenta da demagogia sente orgulho do pleno emprego quando na realidade temos mais desempregados do que na Espanha, pior, continua aumentando, e que a maioria dos “empregados” ganham menos que os escravos antes da aprovação da teórica lei Áurea.
    Ps. Bugalhos. O limão esta sendo comercializado igual a melancia, por unidade ou em metades, eheh, o pior é que vai ajudar a azedar o índice de inflação e a indexação das tarifas.

    • Notícia divulgada em 17 DE NOVEMBRO DE 2014 (Dinheiro Público & Cia.)

      A economia brasileira permanecerá estagnada neste ano e no próximo, mostram os novos dados do Banco Central.

      De janeiro a setembro, a variação da atividade [o PIB] foi de, exatamente, 0,01% na comparação com o mesmo período de 2013.

      É o SUPER MICRO PIBINHOZINHO !

    • E é dessa forma que a tia trata o ensino: ( O Fluminense).
      ” Os campi da Universidade Federal Fluminense (UFF) em Niterói poderão ter a luz cortada. Isso porque o débito pendente com a Ampla, empresa responsável pelo fornecimento de energia elétrica em Niterói, já chega há quatro meses. Apesar da universidade e da concessionária não falarem em valores, mas confirmarem a pendência, estima-se que o débito possa chegar a R$ 3 milhões. Se houver a suspensão da energia, mais de 10 mil alunos poderão ficar sem aula nos próximos dias.

      A UFF informou, através da assessoria de imprensa, que o reitor Roberto Salles irá se posicionar sobre o caso após uma reunião com os diretores da concessionária, que deverá acontecer hoje ou amanhã à tarde. A Ampla não confirmou a reunião, no entanto, afirmou apenas que notificou a universidade sobre o débito pendente.

      Estudantes do Instituto de Artes e Comunicação Social (IACS), em São Domingos, ficaram surpresos ao saberem da dívida e disseram que aguardam um desfecho positivo o mais rapidamente possível.

      “Ficar sem luz a essa altura do campeonato não pode acontecer em hipótese alguma. Estamos no final do ano letivo. E quatro meses de débito? Sério?”, se surpreendeu a estudante de jornalismo, Lara Lopes, de 19 anos.

      Outro que se surpreendeu com a informação foi o estudante do curso de Estatística, Marcelo Santos, de 29 anos. Ele afirmou que o Instituto de Matemática, no Centro de Niterói, sofre com alguns problemas na infraestrutura e pede resolução do problema.

      “É para lamentar e cobrar uma solução desses problemas. Imagina quantos alunos ficarão sem aulas? Absurdo”, lamentou.

      • Virgílio, vc, convenientemente, cortou o último parágrafo da reportagem, onde está escrito: “Procurado, o Ministério da Educação informou que o Governo Federal faz o repasse anual às universidades federais, mas não informou o valor repassado à Universidade Federal Fluminense neste ano. O total de receitas da universidade no ano passado, segundo consta no próprio site da UFF, foi de mais de R$ 1,6 bilhão.” Sou assessora de imprensa na UFF e informo que a universidade tem autonomia para administrar a verba repassada pelo Governo Federal. Portanto, espere para saber qual vai ser o argumento do Reitor, pois o problema, provavelmente, foi causado por má administração do dinheiro repassado.

      • Foram os procuradores do Ministério Público Federal que afirmaram que o esquema na Petrobras teve início em 1999. Portanto, no governo do Fernando Henrique. Provem que Lula e Dilma tinham conhecimento e depois nós conversamos… Até prova em contrário, a maracutaia envolvia o Legislativo, diretores da Petrobras e executivos de empreiteiras.

        • e os CASTOS, PROBOS, ÍNTEGROS, CÂNDIDOS, DECOROSOS, HONRADOS, ILIBADOS, IMACULADOS, RECATADOS, PUROS, ANGELICAIS

          peti$$$$$$ta$$$ passaram 12 (D-O-Z-E) ANOS

          A U M E N T A N D O

          a maracutaia.

  3. Depois de doze anos de canalhices, Depois de elevarem mensaleiros condenados da justiça à categoria de heróis do povo brasileiro, Depois de lançarem resoluções prometendo golpear a democracia, Depois de fazerem o diabo para permanecerem no poder, Depois de se apoderarem do Estado como se extensão do partido fosse, Depois de boicotarem praticamente de morte a CPI que tenta investigar o escândalo do petrolão, Depois de aparelharem cinicamente a própria justiça que os julga, Depois de depois de tudo de perverso e de IMORAL que JÁ FIZERAM contra o País, virem com uma conversa dessas?

    É muito escárnio! Qual a vigarice da vez? Tentar blindar a chefe? Tentar proteger contra… Será que eles agora estão com medo? Será?

  4. INVESTIGADORES DO DEPARTAMENTO DE JUSTIÇA DOS EUA, a partir de informações obtidas nos processos da Operação lava Jato, já identificaram o centro bilionário de lavagem de dinheiro de corruptos políticos do Brasil. Incentivos fiscais do estado de Nevada foram usados por centenas de empresas abertas em nome de brasileiros para investir a grana obtida em negociatas com o setor público. A maior parte das operações do doleiro Alberto Youssef se direcionava para aquele estado norte-americano famoso pelos impostos baixíssimos.

    Investigadores já descobriram que o principal sistema para lavagem de dinheiro era uma espécie de investimento em participações acionárias de hotéis. O esquema mafioso-contábil superfatura as tarifas, cobrando pelo teto de hospedagem, sem que tenha ocorrido ocupação de quartos. As notas fiscais são emitidas, recolhendo-se e os mínimos impostos cobrados em Nevada. Os resultados financeiros tornavam legalizado o dinheiro de brasileiros que doleiros “transportavam”.

    No SUBMUNDO DO CONGRESSO NACIONAL, em Brasília, já se comentava ontem (15.11.2014) que os peritos norte-americanos já identificaram centenas de políticos com negócios apenas em Nevada. Eles foram descobertos pelo complicado cruzamento de dados de parentescos. A maioria das empresas é registrada em nome de laranjas. Os mais idiotas usaram parentes. Os mais espertos usaram “amigos” com maior dificuldade de rastreamento, mas que foram identificados por uma coincidência fatal. Todos usaram o doleiro Youssef como “Banco Central”.

    A novidade é que as falcatruas agora mapeadas já tinham sido usadas no velho escândalo do Mensalão – que agora é exemplo de impunidade. O maior prejudicado foi Joaquim Barbosa, pressionado a se aposentar, pelo rigor excessivo com que agiu no julgamento da Ação Penal 470. A maioria dos condenados já está tecnicamente solta, cumprindo regime de “prisão domiciliar”, excetuando-se Marcos Valério Fernandes de Souza – que, uma hora, pode ficar pt da vida e partir para alguma delação premiada. Por enquanto, Valério mantém o silêncio obsequioso na cadeia, para alívio de muitos grandes investidores no ramo de hotelaria…

  5. SOL QUADRADO – Não bastasse ter se transformado no alvo principal das investigações da Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, a Petrobras agora está na mira das autoridades norte-americanas, que desejam apurar a conduta da companhia nos Estados Unidos. As apurações devem, mais uma vez, causar ENORMES DANOS à imagem da estatal brasileira, que também negocia suas ações na Bolsa de Nova York.

    De acordo com o jornal britânico “Financial Times”, em matéria publicada na edição do último domingo (9), o Departamento de Justiça dos Estados Unidos abriu investigação criminal contra a estatal. Já a Securities Exchange Commission (SEC) – órgão que regula o mercado de capitais nos Estados Unidos e equivale no Brasil à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) – iniciará uma investigação civil contra funcionários da empresa.

    A situação da Petrobras nos Estados Unidos SE DETERIORA com o passar do tempo, pois uma empresa que é vulnerável a interferências políticas, começando por ESCÂNDALOS DE CORRUPÇÃO, não pode ter suas ações comercializadas na Bolsa de Nova York, que impõe regras rígidas aos participantes do mercado acionário local.

    A investigação do escândalo conhecido como “Petrolão” poderá arranhar ainda mais a imagem do País e dificultar o acesso de outras empresas brasileiras ao mercado de capitais norte-americano.

    Na segunda-feira (10), o vice-presidente da República, Michel Temer, minimizou a investigação das autoridades dos EUA sobre suspeitas de desvio de recursos na Petrobras. Ele disse que se os EUA abriram a investigação, devem dar continuidade “como o Brasil está fazendo”. “A expressão doa a quem doer é muito correta em relação às investigações que já estão sendo feitas pelo governo federal”, disse Temer.

    É importante destacar que, ao contrário do que disse a presidente Dilma Rousseff durante a campanha eleitoral, o governo federal tem feito tudo para impedir a investigação do maior escândalo de corrupção da história nacional. A ação da tropa de choque do Palácio do Planalto na CPMI da Petrobras, nesta terça-feira (11), impediu a aprovação de requerimentos, em especial de convocação dos envolvidos no esquema criminoso.

    A posição do governo brasileiro em relação às investigações que já estão em curso nos Estados Unidos é muito delicada, uma vez que para continuar comercializando ações na Bolsa de Nova York a estatal terá de reconhecer as ilegalidades, já explicitadas nas investigações, e submetendo-se, na melhor das hipóteses, a um termo de ajustamento de conduta, como informou um renomado operador do mercado financeiro internacional. Se isso acontecer, ou seja, a petrolífera reconhecendo o esquema de corrupção, O GOVERNO DO PT SERÁ ARRASTADO DE VEZ PARA O OLHO DO FURACÃO, sem direito a desculpas esdrúxulas.

    No caso de negar que o caso de corrupção tenha ocorrido, apesar do cipoal de provas incontestáveis, a Petrobras poderá ser banida da Bolsa de Nova York, o que deixaria a empresa em situação de dificuldade ainda maior. Isso significa que O GOVERNO BRASILEIRO TERÁ DE DECIDIR se salva a Petrobras ou poupa o Partido dos Trabalhadores.

    • Depois de doze anos de canalhices, Depois de elevarem mensaleiros condenados da justiça à categoria de heróis do povo brasileiro, Depois de lançarem resoluções prometendo golpear a democracia, Depois de fazerem o diabo para permanecerem no poder, Depois de se apoderarem do Estado como se extensão do partido fosse, Depois de boicotarem praticamente de morte a CPI que tenta investigar o escândalo do petrolão, Depois de aparelharem cinicamente a própria justiça que os julga, Depois de depois de tudo de perverso e de IMORAL que JÁ FIZERAM contra o País, virem com uma conversa dessas?

      É muito escárnio! Qual a vigarice da vez? Tentar blindar a chefe? Tentar proteger contra… Será que eles agora estão com medo? Será?

  6. A PRESIDANTA quer cuspir no prato que comeu e lambeu os beiços. É muita falta de vergonha na cara, a principal beneficiaria da roubalheira agora querer se travestir de moralista e combatente da corrupção da qual foi a principal beneficiária. DEUS É GRANDE ,essa BANDIDA não pode ficar impune e ficar DESGOVERNANDO o país até 2018. Aliás se ela ficar ilesa até lá, pode-se contar que sua permanencia no poder vai ser eterna e isso não vai acontecer, ainda mais se o LULA dançar. Esse estrume moral não terá a minima competencia politica para se manter no cargo, nem capacidade gerencial de recuperar a economia e muito menos condição de se impor militarmente.
    A porta da rua lhe será a serventia da casa, isso prá deixar barato, pois se ficar enchendo muito o saco o que lhe restará será a porta do xadrez.

    • Autoridades dos ESTADOS UNIDOS estão investigando o envolvimento da Petrobras e de seus funcionários em um suposto esquema de pagamento de propinas, segundo reportagem publicada neste domingo pelo “Financial Times” em sua página na internet. Conforme o jornal, fontes familiarizadas com o assunto contaram que o DEPARTAMENTO DE JUSTIÇA dos Estados Unidos abriu uma investigação criminal sobre a empresa, que tem ADRs (do inglês American Depositary Receipt) listados em Nova York, enquanto a Securities and Exchange Commission (SEC), que regula o mercado de capitais americano, está buscando um inquérito civil.

      A reportagem lembra que a estatal, a maior empresa brasileira, é alvo de investigações pela Polícia Federal e pelo Ministério Público que podem culminar na revelação de “um dos maiores casos de corrupção da história do país”. O jornal também destaca que muitos dos problemas apontados na Petrobras teriam ocorrido quando a presidente reeleita Dilma Rousseff estava à frente do conselho de administração da empresa.

      “As autoridades dos Estados Unidos estão investigando se a Petrobras ou seus funcionários, intermediários ou prestadores de serviços violaram a Lei de Práticas Corruptas no Exterior [tradução livre de Foreign Corrupt Practices Act], uma lei anticorrupção que torna ilegal subornar funcionários estrangeiros para ganhar ou manter negócios”, indica a reportagem, citando as mesmas fontes como origem da informação.

      No Brasil, segue o texto, promotores alegam que a estatal e seus fornecedores superfaturaram custos de projetos e aquisições em “centenas de milhares de dólares e repassaram parte dos recursos para políticos da coalizão governista liderada pelo Partido dos Trabalhadores”. Segundo o Financial Times, o Departamento de Justiça e a SEC declinaram de comentar o assunto e a Petrobras não respondeu o pedido de entrevista.

  7. Só para lembrar:
    Petrobras pagou US$ 3 milhões a conselheiros do caso Pasadena

    Leandro Mazzini
    03/04/2014 06:25

    Enquanto o trabalhador brasileiro recebia salário mínimo de R$ 350 em 2006, a Petrobras pagou, e muito bem, os trapalhões do conselho administrativo e os diretores que fizeram vistas grossas às cláusulas do contrato com a Astra Oil, que onerou a estatal em US$ 1,2 bilhão na compra da refinaria de Pasadena (Texas).

    O Annual Report de 2006, ano do contrato, informa que a petroleira desembolsou US$ 3 milhões de bônus e jetons, para os 10 conselheiros e os sete diretores executivos. Cada um levou para casa US$ 176 mil naquele ano – ou, em valores de hoje, cerca de R$ 401 mil.

    A revelação está na página 131 do report (veja abaixo). Os sete diretores executivos tinham outra vantagem: recebiam salários milionários. E todos os 17 – entre conselheiros e diretores – tinham direito a auxílios-moradia, educação e plano de saúde.

    Leia mais: http://colunaesplanada.blogosfera.uol.com.br/2014/04/03/petrobras-pagou-us-3-milhoes-a-conselheiros-do-caso-pasadena/

    Depois dona Dilma quer dizer que “Sabe nada. Inocente”

  8. O trecho dessa matéria que acabou de sair no Estadão, deixa claro duas coisas: Se um GERENTE vai devolver U$ 100 milhões, os dos andares de cima devem ter levado muito mais! Segundo, vejam que ele diz que a questão das propinas era conhecida por todos… Só a Tia não sabia ???
    (…)…Propinas
    “Regra do jogo conhecida por todos”. É assim que definiu o executivo Julio
    Camargo, em sua delação premiada, o esquema que cobrava propina em troca de
    contratos bilionários da Petrobrás. O executivo da Toyo operacionalizava
    pagamentos de propina por meio de três empresas abertas por ele (Treviso,
    Piemonte e Auguri), em especial aos ex-dirigentes da Petrobrás ligados ao PT –
    Duque e Barusco.
    Ele e outro executivo do grupo apontaram por exemplo as obras da Refinaria
    Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná. Para ganhar as obras, participando
    dentro do Consórcio Interpar – controlado pela Mendes Júnior -, teve que pagar
    R$ 12 milhões em propina. Um contrato de consultoria foi firmado pelo consórcio
    com a empresa Auguri Empreendimento e Assessoria Comercial, usada pelo
    delator para movimentar a propina.
    “Houve solicitação de pagamento de vantagem indevida por Renato Duque e
    Pedro Barusco do valor aproximado de R$ 12 milhões”, revelou o executivo. “O
    valor foi pago mediante transferências feitas no exterior”, apontou Camargo,
    indicando a conta de onde saiu, no Credit Suisse, a offshore que controlava a
    conta, a Drenos, e qual contrato da Auguri, no valor de R$ 40 milhões de
    comissionamento, respaldou a movimentação da propina

  9. Provavelmente, mais na frente, as investigações das autoridades que levantam o caso Lava-Jato, devem chegar aos dois personagens, Lula e Dilma.

    É inconcebível que cada um no seu tempo, mesmo se sabendo que estavam avisados dos malfeitos, ainda persistam no argumento há muito já falido, de que “eu não sabia”.

    A presidente, ainda conta contra ela o fato de ter instrução de nível superior, ser Economista, ter sido ministra da Casa Civil e de Minas e Energia, ter participado do Conselho de Administração da Petrobras, gozar de imagem de gestora eficiente, bem antes de exercer o primeiro mandato de presidente. E, nisso tudo, bota lá 12 anos…

    Todas essas experiências no campo da alta administração do estado brasileiro, mais o fato de conviver com o noticiário do julgamento do Mensalão, não dá margem de se levar em consideração – como defesa e fator de exclusão do processo do Petrolão – o argumento de ignorância do esquema.

    É o caso de perguntar o que ela fazia lá, no Conselho de Administração da Petrobras…

  10. Brasil, acorda! Voce ainda tem a cadencia de ter um governo – o mais corrupto da historia – ser o seu presidente?
    Brasileiros, nao deixem os seus filhos e geracoes futuras (?) com os seu dentes desbotados. Eles pagarao
    pesado, caso voces fiquem acomodados. Voces poderao pagar muito caro – uma divida inapagavel.

  11. Tolerar a Dilma, Lula e PT no poder, é cavar a sua propria cova. Nao deixem essa corja comprar a sua integridade por uma colher de “sopa,” chamada bolsa-familia. Elestao fazendo de voce, um(a) bobo (a), manipulando a sua consciencia. Até quando ficara voce nessa de PT-Dilma!

Deixe uma resposta para Francisco Vieira Brasilia - DF Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *