Dirceu entregaria o Lula?

Carlos Chagas

É óbvio que o ex-presidente Lula defende o seu governo, quando nega a existência do mensalão e pretende ver adiado o julgamento dos 38 réus pelo Supremo Tribunal Federal. No primeiro caso, procurando estabelecer a versão de que tudo se tratou de acertar o caixa dois de eleições passadas, jamais da distribuição de dinheiro mensal para deputados. No outro, por temer que condenações de companheiros petistas possam prejudicar seu partido nas eleições municipais de outubro. O Lula também sai em defesa de seus amigos e correligionários transformados em réus, a começar por José Dirceu.

Mas é preciso descer mais, na prospecção do lamentável episódio do encontro do ex-presidente com Gilmar Mendes. Qual a razão profunda de o Lula ter arriscado sua imagem ao sustentar a protelação do julgamento dos mensaleiros? Mais ainda, conforme versão do ministro do Supremo, o ex-presidente sugeriu a possibilidade de blindá-lo na CPI do Cachoeira, caso levantada sua ida a Berlim para confraternizar com o senador Demóstenes Torres, com passagem e estadia pagas pelo bicheiro.

A resposta pode estar nos diversos relatos do fatídico encontro no escritório do ex-ministro Nelson Jobim. No meio da conversa, o Lula teria dito que José Dirceu está “desesperado” com a possibilidade de ser condenado e até de parar na cadeia. Em pleno desespero, quem garante que o ex-chefe da Casa Civil não venha a aprofundar a afirmação feita às vésperas de sua cassação, sobre nada do que fez ter sido feito sem o conhecimento do então presidente?

Aqui mora o perigo, se o Lula estava ciente do que se passava no palácio do Planalto e se o mensalão era mesmo mensalão, nunca uma simples coleta de dinheiro para saldar dívidas com o caixa dois. Se no auge da emoção, às vésperas de ser condenado, Dirceu abrir o jogo e envolver o Lula, os 38 réus passarão a ser 39.

Quem conhece o atual consultor de empresas e ainda figura exponencial no PT sabe que ele jamais acusaria ou trairia o Lula, mas se for para livrar o pescoço, se estiver desesperado, quem garante? Pode estar nessa hipótese o gesto arriscado do ex-presidente de procurar um, mas anunciar que procuraria outros ministros da mais alta corte nacional de justiça para influenciá-los e obter deles o adiamento das suas decisões.

###
NÃO CONVENCEU

Apesar de sóbrio em sua defesa, o senador Demóstenes Torres não convenceu a Comissão de Ética do Senado. Cada uma das acusações foi respondida, mas será cassado pelo conjunto da obra. Disse haver estado com todos os ministros do Supremo Tribunal Federal, durante seus mandatos, levando empresários e pleitos relativos a ações que corriam naquela corte. Considerou normal esse trabalho de lobista, até apresentando o célebre Dadá ao brigadeiro José Carlos Pereira, da Infraero. Para ele, tudo normal, em prol do desenvolvimento do estado de Goiás. Inclusive seus múltiplos telefonemas a Carlinhos Cachoeira. Acentuou jamais haver recebido dinheiro do bicheiro, muito menos para pagar o vôo de um pequeno avião. Nunca foi sócio da Delta.

###
A VERDADE E AS VERSÕES

Contava o saudoso Pompeu de Sousa, então diretor de redação do “Diário Carioca”, haver almoçado com o ministro José Maria Alckmin e o empresário Antônio Sanchez Galdeano, no restaurante do Copacabana Palace. O ministro da Fazenda saiu mais cedo porque iria depor no plenário da Câmara. Quando Pompeu chegou à Câmara, uma hora depois, Alckmin ocupava a tribuna e respondia indagação de um deputado da UDN a respeito de suas relações com Galdeano, acusado de contrabandista. Dizia: “Jamais estive com esse senhor. Nunca o vi. Se passasse por ele na rua, não saberia quem é…”

Por que se conta essa história? Basta ler a nota acima.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *