“Disparada”, uma canção de protesto com o mais puro sabor sertanejo, que empolgou o país

Disparada (Jair Rodrigues)Paulo Peres
Poemas & Canções

O advogado, cantor e compositor paraibano Geraldo Pedroso de Araújo Dias, mais conhecido como Geraldo Vandré, e seu parceiro Théo de Barros, na letra de “Disparada”, fazem uma crítica à ditadura vivida na época e, consequentemente, apresentam uma maravilhosa comparação entre a exploração das classes sociais pobres pelas mais ricas e a exploração das boiadas pelos boiadeiros, entre a maneira de se lidar com gado e se lidar com gente. 

Neste sentido, a boiada é o povo, a massa (população inconsciente, alienada). Boiadeiro é um líder carismático, que pode ser político ou religioso. Logo, quando o povo começou a sonhar, teve revelações sob a realidade das coisas e, então, acordou da ignorância e teve consciência da realidade.

Em 1966, a música “Disparada”, defendida por Jair Rodrigues, participou do II Festival de Música Popular Brasileira (TV Record), dividindo o primeiro lugar com “A banda” de Chico Buarque, defendida por Nara Leão. Nesse mesmo ano, a música foi gravada pelo próprio Jair Rodrigues no LP O Sorriso de Jair, pela Philips.

DISPARADA
Théo de Barros e Geraldo Vandré

Prepare o seu coração
Prás coisas
Que eu vou contar
Eu venho lá do sertão
Eu venho lá do sertão
Eu venho lá do sertão
E posso não lhe agradar…

Aprendi a dizer não
Ver a morte sem chorar
E a morte, o destino, tudo
A morte e o destino, tudo
Estava fora do lugar
Eu vivo prá consertar…

Na boiada já fui boi
Mas um dia me montei
Não por um motivo meu
Ou de quem comigo houvesse
Que qualquer querer tivesse
Porém por necessidade
Do dono de uma boiada
Cujo vaqueiro morreu…

Boiadeiro muito tempo
Laço firme e braço forte
Muito gado, muita gente
Pela vida segurei
Seguia como num sonho
E boiadeiro era um rei…

Mas o mundo foi rodando
Nas patas do meu cavalo
E nos sonhos
Que fui sonhando
As visões se clareando
As visões se clareando
Até que um dia acordei…

Então não pude seguir
Valente em lugar tenente
E dono de gado e gente
Porque gado a gente marca
Tange, ferra, engorda e mata
Mas com gente é diferente…

Se você não concordar
Não posso me desculpar
Não canto prá enganar
Vou pegar minha viola
Vou deixar você de lado
Vou cantar noutro lugar

Na boiada já fui boi
Boiadeiro já fui rei
Não por mim nem por ninguém
Que junto comigo houvesse
Que quisesse ou que pudesse
Por qualquer coisa de seu
Por qualquer coisa de seu
Querer ir mais longe
Do que eu…

Mas o mundo foi rodando
Nas patas do meu cavalo
E já que um dia montei
Agora sou cavaleiro
Laço firme e braço forte
Num reino que não tem

7 thoughts on ““Disparada”, uma canção de protesto com o mais puro sabor sertanejo, que empolgou o país

  1. A TRANÇA – Francisco de Paula Ney

    Esta santa relíquia imaculada,
    De teu saudoso amor, esta lembrança ,
    Da vida que fugiu, arrebentada ,
    Ligeira, como um sonho de criança,

    Nos sonos de uma noite de bonança …
    – Eu guardo , junto a mim, oh! noiva amada,
    Enquanto minha vista não se cansa
    De vê-la e adorá-la , extasiada!

    Como o fio desta trança , tão escura ,
    Tão negra,sim-que até minha amargura
    Lhe invejaria a cor – e t~]ao macia…

    Quais pétalas de rosa , e teço, à noite,
    Da viração sentindo o brando açoite ,
    – O epitáfio de minha campa fria!…

  2. Impossível escolher as dez melhores canções da MPB pelo seu vastíssimo repertório de músicas de qualidade, letras extraordinárias, canções inesquecíveis.

    Inegavelmente, Disparada, deve constar em qualquer lista que se queira fazer, pois simplesmente música poderosa, letra contundente, e imortalizada na voz incomparável de Jair Rodrigues!

  3. Lembrando Geraldo Vandré, dentre as belas canções com chamamento à conscientização, naquela época, não pode faltar ‘Aroeira’ do LP Canto Geral.

Deixe um comentário para Antonio Rocha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *