“Disseminar notícias falsas configura crime”, diz Gilmar, mandando recado direto a Bolsonaro

ImagemDeu na Carta Capital

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, defendeu nas redes sociais o colega de Corte Luis Roberto Barroso, alvo de ataques do presidente Jair Bolsonaro nos últimos dias. No sábado 10, Bolsonaro disse, sem apresentar provas, que Barroso defenderia a pedofilia.

“Ministro esse que defende a redução da maioridade para estupro de vulnerável, ou seja, a pedofilia é o que ele defende. Ministro que defende a legalidade das drogas. Com essas bandeiras todas, ele não devia estar no Supremo. Devia estar no Parlamento. Lá é o local de cada um defender a sua bandeira“, afirmou o presidente durante motociata em Porto Alegre (RS).

FOI DESMENTIDO – O próprio STF desmentiu Bolsonaro, ainda no sábado à noite. Em nota, o tribunal esclareceu que, no caso que o presidente usou “para acusar Luís Roberto Barroso de defender a redução de maioridade para estupro de vulnerável – o que para ele beiraria a defesa da pedofilia –, o ministro do Supremo Tribunal Federal fez exatamente o oposto: votou pela continuidade da ação penal contra um jovem de 18 anos que manteve relações com uma menina de 13”.

Pelas redes sociais, Gilmar Mendes reforçou a resposta do STF e mandou um recado a Bolsonaro. “Disseminar notícias falsas é corrosivo para a democracia e configura crime. Não existe juiz da Corte Constitucional brasileira favorável à pedofilia, à tortura ou a qualquer forma de violência. A mentira jamais vai conseguir impedir a defesa da Constituição”, escreveu.

2 thoughts on ““Disseminar notícias falsas configura crime”, diz Gilmar, mandando recado direto a Bolsonaro

  1. Para o facinoroso Giumá Jagunceiro disseminar notícias falsas é crime, o que não é crime é inventar desculpas para libertar um notório ladrão condenado em 3 instâncias e tentar condenar um juiz togado com base em gravações ilegais. São vagabundos como esse sinistro os heróis da imprensa aliada do Sistema do Crime Organizado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *