Distribuir sobras de comida é o mais criativo projeto impossível de Paulo Guedes

Guedes defende utilizar sobras de restaurantes para alimentar pobres

Pedro do Coutto

Ao participar na quinta-feira do Fórum Nacional de Abastecimento, promovido pela Associação Brasileira de Supermercados, o ministro Paulo Guedes apresentou como solução para combater a fome a distribuição de sobras de comida de restaurantes deixadas nos pratos pelos clientes.

Com isso, ele propõe o absurdo de querer apresentar como solução contra a miserabilidade uma nova geografia da fome, título do livro clássico de Josué de Castro, escrito há mais de 70 anos.

ORDEM DO DIA – Josué foi deputado federal e dedicou sua vida a analisar a possibilidade da fome ser combatida no país. O seu projeto não vingou, tanto que a fome agora voltou à ordem do dia como uma das questões prioritárias da população brasileira. Reportagem de Bernardo Caram, Folha de São Paulo de ontem, focaliza o assunto que também é tratado pela repórter Gabriela Caseff, na mesma edição.

O ministro Paulo Guedes considera que a classe média come demais e por isso deixa sempre no prato as sobras de alimentos, e essa solução funcionou na Europa após a Segunda Guerra. “O prato de um [membro de] classe média europeu, que já enfrentou duas guerras mundiais, são pratos relativamente pequenos. E os nossos aqui, nós fazemos almoços onde às vezes há uma sobra enorme. Isso vai até o final, que é a refeição da classe média alta, até lá há excessos”, disse Guedes.

O ministro acrescentou que toda aquela alimentação que não for utilizada em determinado dia no restaurante deve ser dada para alimentar pessoas desamparadas. É muito melhor do que deixar estragar essa comida toda”, afirmou Paulo Guedes.

FLEXIBILIZAÇÃO – Guedes fez uma promessa aos dirigentes de supermercados, e disse que o governo deverá avaliar a flexibilização da regra que trata da validade de alimentos no Brasil. Custa crer que isso seja apresentado como política de governo, já que se o alimento está classificado dentro de um período, como alterá-lo por vontade do governo ou da concordância dos donos de supermercados?

A fome tem que ser combatida com empregos. O problema está no mercado de trabalho. O benefício é válido, mas não é a face essencial do problema que desafia o passar do tempo.

A ministra Tereza Cristina, da Agricultura, participou do evento e propôs criar um grupo para avaliar o tema da prorrogação do prazo de validade. Ela acha que poderia ser feita uma adaptação, sem precarizar, o verbo que ela usou, fatos e obstáculos em relação à validade dos alimentos.

NÃO SABE O QUE É FOME – Para Rodrigo Afonso, diretor-executivo da ONG Ação da Cidadania, organização de combate à fome fundada por Betinho em 1993, a sugestão de Guedes em destinar sobras de alimentos de famílias e restaurantes a pessoas vulneráveis mostra que o ministro “nunca sentou com uma família para saber o que é fome.”

Não há necessidade de sentar à mesa com pessoas com fome para se avaliar esse drama, que é a luta para adquirir alimentos. Isso tem mais a ver, penso eu, com a questão do desemprego do que com a capacidade de se resolver problemas com utopias. No caso da validade dos alimentos, o problema não é só de fome, mas junto com ela uma iniciativa capaz de produzir intoxicações.

O Ministro Paulo Guedes, como sempre, propõe projetos inexequíveis. Funciona no papel e nas telas de computadores, mas não chega ao estômago e à ansiedade das populações carentes que têm na fome o seu flagelo diário. Rodrigo Afonso lembra ainda a frase de Betinho: “quando pessoas passam fome, todos os outros direitos lhes foram negados”. Dar um alimento como uma ração humana é uma humilhação.

ELETROBRAS – Reportagem de Manoel Ventura, O Globo, focaliza a aprovação pelo Senado da Medida Provisória do presidente Bolsonaro que autoriza a privatização da Eletrobras. Vale assinalar que a privatização é um processo complexo, não se trata apenas de colocar ações novas no mercado. É sobretudo uma questão de preço e além deste as consequências prováveis e inevitáveis que revestem a questão.

Mas há um ponto do texto aprovado, que voltará para a Câmara pois recebeu emendas de senadores, que merece uma atenção especial. Um dispositivo incluído dispensa de licença ambiental a instalação de uma linha de transmissão muito extensa no  país.  Mas por que deve ser dispensada a licença ambiental? Ela é exigida para a Eletrobras que é estatal, mas deixaria de ser exigida para uma Eletrobras eventualmente privada? Não é possível. É preciso que a Câmara ao votar a matéria elimine essa dispensa fundamental a qualquer obra pública no país.

O prazo para a Câmara votar termina no dia 22, quando se esgota a validade da MP que está em vigor. Ainda existe tempo para consertar maiores estragos. Mas dificilmente ocorrerá tal desfecho, sobretudo em face dos altos interesses de que a matéria engloba.

18 thoughts on “Distribuir sobras de comida é o mais criativo projeto impossível de Paulo Guedes

  1. “A ministra Tereza Cristina, da Agricultura, participou do evento e propôs criar um grupo para avaliar o tema da prorrogação do prazo de validade.”
    Há uma política genocida e ecocida em curso. Jair Bolsonaro, o psicopata que aterroriza o Brasil, cumpriu o que prometeu quando falou que a ditadura matou pouco… mais 300 mil vida perdidas de maneira dolosa em função de psicopatas no poder.

  2. Por que o Brasil tem que se desfazer de tudo que é dele? Só na cabeça dos dois maiores psicopatas do mundo: o boçal e o guedes. Organizações que deram um trabalho enorme para construir e custaram uma fortuna, extremamente úteis a nós, têm que passar parra as mãos de particulares, quiçá de estrangeiros? É o preço que estamos pagando por votarmos MUITO MAL.

  3. Mais uma ideia estupida desse incompetente ministro. Quer uma sugestão muito mais exequível e sem risco de contaminar ninguém? Milhões de decompostadores para transformar tudo que e sobra de alimento em adubo, item essencial para aumentar a produção de alimentos

  4. 1) Antigamente, vez por outra, havia mortandade de peixes na Lagoa Rodrigo de Freitas, RJ. Então, alguém menos avisado sugeriu que se enviassem tais peixes mortos para os pobres. A ideia logo foi rechaçada pois os órgãos competentes disseram que isso era impossível, tratava-se de uma questão de saúde pública… e aqueles que comessem tais peixes ou morreriam logo, ou ficariam doentes ou com graves sequelas orgânicas.

    2) Agora o Ministro da Economia sugere o acima comentado pelo bom jornalista Pedro do Coutto, que acompanho desde os tempos da Rádio Jornal do Brasil AM, RJ.

    3) E, como se não bastasse, é esse alargamento das datas de validade dos produtos alimentícios…

    4) “Tamus lascadus” – disse o matuto na Idade da Pedra Lascada.

  5. Bolsonaro não é um proliferador solitário de coronavírus. Todos os seus mariolas estão imbuídos do mesmo propósito: empreender métodos eficazes para disseminar o vírus, num maior número de pessoas possível.
    Sobejos de comidas é, sem dúvidas, uma ferramenta eficientíssima, no processo de contágio exponencial da Covid-19.
    -Se cuida, Dr. Joseph Mengele, tua hegemonia de “doutor da morte” está seriamente ameaçada.

  6. A cada dia que passa me sinto mais enojado com esses Genocidas.

    A Terra gira, ó!, criminosos boçais.

    (Sinto-me contemplado pelos comentários de Augusto, Antonio, Willy, Antonio Rocha e Paulo.)

    Parabenizo o articulista.

  7. Isso é para ver o nivel de banqueiros que temos no Brasil.
    Um lixo desses ainda está livre, leve e solto, e continua mamando nas tetas públicas.

  8. Antônio, o preço de se viver num país de analfabetos é esse. A privatização da Eletrobrás, com um monte de jabutis embutidos, e o afrouxamento da Lei de Improbidade, que uniu PT, Bolsonaro, Artur Lira e caterva, nesta semana, são exemplos disso.

  9. Tenho reiterado sobre o quanto o povo tem sido desprezado por este governo, a começar pela despreocupação com a pandemia, seguido pelo desemprego, nessas alturas o maior registrado no Brasil até agora!

    No entanto, se faltavam comprovações da minha acusação a Bolsonaro, no que diz respeito ao repúdio que sente pelo pobre e miserável deste País, o seu guru chancelou com muita propriedade o que venho afirmando:
    os desvalidos não são considerados seres humanos, mas como se fossem animais, que basta dar-lhes restos de comida que estarão satisfeitos e vão dormir!!!

    O desgraçado deste idiota e imbecil, Paulo Chicago Guedes Boi , tem tanta empáfia, tanta insolência, que sequer pensa nas atrocidades que planeja contra seres humanos, brasileiros, que mereceriam da parte dele e do governo, a devida importância e consideração!

    Mas, a dupla infernal não pensa dessa forma.
    Pobre, miserável, desempregado, contaminado pelo Covid 19 … precisam ser descartados, e de maneira cruel, sádica, humilhante.

    Qualquer governo na face deste planeta teria vergonha, até medo da reação do povo, se propusesse para os necessitado que buscassem restos de comida em restaurantes!
    Mais do que um insulto, o guru de merda desta economia nacional agride a socos e pontapés a dignidade humana, nos mesmos moldes do Bolsa Família!

    Não há projetos de trabalho, de se elaborar meios para milhões de brasileiros desempregados voltarem a trabalhar, ter o seu sustento, a sua autoestima devolvida à sua existência.
    Que busquem restos de comida dos restaurantes, ora. Uma ideia “brilhante” e conforme pensa o governo a respeito dos desvalidos.

    O que mais me deixa curioso e decepcionado, é a falta de imaginação que temos.
    Incrível, como não nos damos conta, que a cada presidente que elegemos o seu sucessor será pior!!
    Quem diria que haveria outro pior que o Collor?
    Houve.
    Quem pensaria que teríamos alguém pior que Lula?
    Tivemos.
    Agora, duvido que elegeremos alguém como Bolsonaro, a menos que seja reeleito ou Lula o suceda, então o Brasil fechará com chave “de ouro” o seu caminho para a destruição!

  10. Caro Bendl;
    Trabalhei alguns anos ( na década de 80) numa multinacional.
    As sobras diárias ( não os restos dos pratos) , eram doadas para dois Asilos.
    Uma vez, um alimento estragado provocou problemas nos Funcionários e nestes Asilos ( não houve óbito).
    A partir deste dia, toda a sobra era jogada fora.
    Dava pena de ver .

    • “Uma vez, um alimento estragado provocou problemas nos Funcionários e nestes Asilos ( não houve óbito)”
      -Isso me fez lembrar da mulher que pôs uma mosca, na garrafa de coca-cola, para receber idenização. Bem como dos agricultores de Paraná mostrados no programa Globo Rural, que decepavam os dedos, para sacarem o seguro-acidente. Ainda bem que, na sua narrativa, não houve caso de autovitização ou má-fe.
      Gente é um “bichinho” muito ruim de lidar.
      Governos, igrejas e sociedade como um todo deveriam envidar esforços, a fim de que a nova geração de despossuídos fosse fruto de um planejamento familiar trabalhado ainda hoje mesmo!
      Empresas da construção civil, tais quais: Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, Camargo Correa, Odebrecht e outras de grande porte; término o jantar, tratores abrem valas para enterrar sobras de alimentos. Aos olhos de quem passa e vê, perece um gesto de extremo egoísmo, mas, como dizem os mineiros: “Cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém”

  11. Ainda bem que o ministro da economia é o Paulo Guedes. Já pensou se fosse o sr. Pedro do Coutto? As decisões da economia dependeriam do que escrevesse O Globo, a Folha e o Estadão. Estariam roubados!

    • Paulo Guedes vai fazer o brasileiro pagar mais impostos e a bolsonarete acha que temos que elogiar o dito cujo!

      É muito ser robô mesmo!!!!!!!

      https://jornalpurosangue.com/2021/03/21/a-reforma-tributaria-do-posto-ipiranga/

      Paulo Guedes é o queridinho da mídia brasileira anti-Brasil que é liderada pelas Organizações Globo.

      As Organizações Globo não tem nada contra o Paulo Guedes.

      Me mostre uma critica da família Marinho, ou de qualquer outra família que mantem grandes grupos midiáticos no país contra a politica econômica desastrosa do Paulo Guedes?

      Esse é um dos motivos do Bozo ainda não ter caído.

  12. Os comentários de Victor e Paulo III comprovam a ideia energúmena de Paulo Chigago Guedes Boi, com relação a alimentar os pobres e miseráveis, mediante restos de comida ou sobras de restaurantes.

    A chance de o beneficiado comer algo estragado ou que não lhe tenha feito bem, dependendo do tempero, é concreta.
    Pode haver mais problemas nessas doações que resultados.

    O plano do bucéfalo ministro da economia está de acordo com a sua cachola, a sua cabeça de camarão, onde a pessoa que não faça parte da relação que ele entende como ser humano é totalmente desconsiderada.

    Exemplo maior tem sido o auxílio emergencial, uma esmola tapa-buraco, mais para alívio de sua maldade que estender para os desvalidos alguma condição digna de sobrevivência!

    E sigo questionando:
    se existem mais de 15 milhões de desempregados por que não se abrem postos de trabalho neste País??!!
    Não preciso enumerar o quanto estamos necessitando fazer no Brasil, que esta mão de obra ociosa, fruto de políticas econômicas de falsos gurus, poderiam ser utilizadas.

    Haveria um aquecimento na economia, mais arrecadação de impostos, um salário mínimo pago seria muito mais barato que a doação do Bolsa Família, bilhões de reais literalmente jogados fora, sem qualquer solução para a miséria e a pobreza, pelo contrário, serve de condenação a essas pessoas viverem dependendo do governo o resto de suas vidas!

    Sinceramente, e posto essa frase sem qualquer ressentimento e vergonha:
    eu seria infinitamente melhor que o atual abestado na testa da economia deste País!
    Sem eu ter qualquer faculdade, e ter concluído o Ensino Médio aos sessenta anos, eu seria muito mais capaz, eficiente e eficaz, no trato do desenvolvimento nacional e cuidados com os desvalidos!

Deixe um comentário para Willy Sandoval Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *