Dividido e em crise, PT promove seu 5º Congresso Nacional

Paulo de Tarso Lyra
Correio Braziliense

O PT realiza o 5º Congresso Nacional entre 11 e 13 de junho em um momento de profunda tensão nas relações com o governo da presidente Dilma Rousseff. Críticas de petistas à política econômica, ameaças de apupos e ataques ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, uma relação fria entre Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a enxurrada de denúncias de corrupção que afundam a legenda, agora com o escândalo da Petrobras, são ingredientes de um encontro que muitos consideram desnecessário neste momento.

Até nisso governo e partido mostram descompasso. Para alguns auxiliares diretos da presidente, o PT erra ao marcar um Congresso para este momento. Para eles, os temas que afligem a legenda e o Planalto poderiam ser discutidos em uma executiva da legenda. Mas foram os integrantes da Executiva que insistiram na realização do Congresso, segundo um petista próximo à presidente.

Ex-chefe da Casa Civil e uma das principais defensoras da presidente Dilma no Congresso, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) acha que os parlamentares petistas já deram a sua cota de sacrifício ao aprovar as medidas de ajuste fiscal encaminhadas pelo ministro Joaquim Levy. “É natural que tenhamos divergências. Governo é uma coisa e partido é outra coisa. O partido sempre tem a obrigação de estar à frente dos governos, por serem mais dinâmicos.”

AJUSTE FISCAL

Gleisi, contudo, disse que, apesar das discordâncias, o PT não pode deixar que a essência do ajuste fiscal seja alterada, pois, segundo ela, a arrumação da casa será essencial para o governo Dilma retomar a agenda do crescimento e das conquistas sociais.

Uma das principais tendências do partido, a Mensagem, da qual fazem partes nomes como o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro, pensa diferente. O grupo defende uma mudança profunda na política econômica, o que, em tese, esvazia a autoridade do atual ministro da Fazenda.

 

6 thoughts on “Dividido e em crise, PT promove seu 5º Congresso Nacional

  1. As tragédias acompanham o ser humano.
    Ao longo da História a humanidade está repleta de episódios trágicos, terríveis, que jamais serão esquecidos.
    Tanto àquelas produzidas pelo homem, quanto às catástrofes que dizimaram milhões de almas através de doenças ou causas naturais.
    Peste Negra, Gripe Espanhola, Primeira e Segundas Guerras Mundiais, os Tsunamis na Indonésia em 2004 e Japão, em 2011.
    Tragédias pessoais me tocam profundamente.
    A pessoa está bem de vida, saudável, uma carreira profissional, família e, de repente, o mundo vem abaixo!
    Neste momento estou ouvindo e vendo pelo Youtube uma das vozes mais impressionantes de todos os tempos, Joe Longthorne, que surpreendeu o Show Business internacional com o seu poderio vocal, talento e vocação raros.
    Um de suas maiores interpretações – todas, indistintamente, são esplêndidas -, Impossible Dream, https://www.youtube.com/watch?v=gDPu8CgbKng&index=3&list=RDq1PXAJutdL4 apresenta um cantor no seu ápice, dotado de técnica e afinação inigualáveis, porém, hoje vive recluso em sua cidadezinha, no Reino Unido, porque vítima de leucemia anos atrás.
    Pois Joe Longthorne, me lembra o PT!
    Os petistas entoavam com dinamismo, vigor, afinação, que o povo brasileiro poderia sonhar com eles no poder.
    E cantavam com tanta vibração, que acreditamos que, pelo menos uma vez, poderíamos concretizar o sonho de um Brasil novo, diferente, sério, honesto, que seria desenvolvido e proporcionaria à sua população progresso e bem-estar!
    Vê-se que o sonho era impossível.
    Confundimos a belíssima canção com o canto da sereia. Sem que tivéssemos nos amarrado ao mastro do navio para não nos jogarmos ao mar como fez Ulisses ao voltar para casa, após vinte anos longe da sua amada Penélope, dez anos na Guerra de Tróia e mais dez anos para retornar aos braços de sua mulher, e morresse afogado levado pela maviosidade da música produzida por aquela personagem lendária, o PT jaz no seu leito de morte, mas não pretende ir sozinho.
    Quer arrastar o Brasil consigo, quer nos matar!
    Impressionante as tragédias que este partido ocasionou às pessoas.
    Não somente aos seus dirigentes, alguns foram presos, mas a fundadores, que abandonaram a sigla por completa decepção, partidários, e à população.
    Pois não satisfeito com os males produzidos, que deixar registrado na história como o partido mais avassalador, mais corrupto, mais desonesto, ladrão e criminoso, que o Brasil se viu obrigado a conviver por dezesseis anos!
    O sonho era mesmo impossível.
    O som que os petistas produziram não era deles, não era genuíno, fomos enganados pela tecnologia.
    Na verdade, ouvimos playback!

  2. Realmente, não fogem à luta. E como são ”lutadores” …
    Luta pela roubalheira e proveito próprio. São incansáveis.
    Negam tudo o que pregaram e praticam tudo o que , hipocritamente condenavam.
    Caras de pau.

  3. Crise, que crise isto tudo não passa de uma marolinha.

    Palavras do Lulanóquio!

    “Lá fora, a crise é um tsunami. Aqui, se chegar, vai ser uma marolinha”
    Lula, Rio de janeiro, lançamento do Fundo Setorial do Audiovisual.
    Fonte: Folha Online
    05/11/2008

  4. Este cartaz do congresso do PT é um primor da estética stalinista.
    Quem conhece história identifica num piscar de olhos o ideal do homem comunista.
    Eu devia estar com sérios problemas psíquicos quando apoiei este partido nos anos 80…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *