Divorciada da própria história, a esquerda trai o lema do combate à corrupção

Resultado de imagem para esquerda  e corrupção charges

Charge do Angeli (Folha de S.Paulo)

Vera Magalhães
Estadão

Um dos grandes fatores a unir a esquerda, capitaneada pelo PT, à classe média urbana e permitir a ascensão de líderes como Lula, José Genoino, Aloizio Mercadante e José Dirceu era o discurso impiedoso de combate à corrupção.

À sombra desses caciques, assessores parlamentares do PT, como foi um dia o jovem José Antonio Dias Toffoli – que começou sua carreira no petismo na CUT, passou pela Assembleia Legislativa de São Paulo, pela Câmara e chegou ao Planalto com a eleição de Lula –, eram fontes disputadas pela imprensa pelo que levantavam de irregularidades em governos aos quais o partido fazia oposição.

TUDO MUDOU – Treze anos de governo de dois presidentes do PT, um impeachment, mensalão e petrolão depois, o que se vê é a esquerda brasileira chegar às urnas tendo abdicado sem titubear à discussão sobre combate à impunidade, reforço nas leis de combate à corrupção – muitas aprovadas no governo Lula – e compromisso com a transparência na gestão pública.

Atados irremediavelmente à “narrativa” de que Lula e o partido são vítimas de perseguição da Justiça, da Polícia Federal, do Ministério Público, do Congresso e sabe-se lá de quantas outras instituições, os petistas renunciaram, até, a louvar decisões que atingem adversários, como Eduardo Azeredo, ex-grão-tucano condenado e preso como Lula, ou Eduardo Cunha, algoz de Dilma Rousseff e sem nenhuma perspectiva de soltura.

Fazê-lo significaria reconhecer que há uma nova perspectiva, que nasce da PF, do MPF e das instâncias iniciais do Judiciário, de utilizar os mecanismos disponíveis nas leis e nos códigos para garantir que crimes do colarinho-branco (de quaisquer partidos) sejam efetivamente pagos e seus praticantes, punidos.

LULA CONDENADO – A esperança dos partidos que antes empunhavam a bandeira da ética nos palanques e nos programas do horário eleitoral é que seu líder máximo conte com uma ajuda na undécima hora de ministros de uma Corte cindida, como é hoje o STF, para poder concorrer à Presidência da República. Mas Lula foi condenado em duas instâncias, e o STF não pode rever a condenação, apenas mexer eventualmente na pena ou no regime de cumprimento. Os petistas não se importam.

Outras condenações podem vir em vários processos a que Lula responde. “Perseguição”, repetem. Mas a Lei da Ficha Limpa fala em condenação por colegiado – o que Lula já tem – e não em condenação final. “Golpe”, só para tirar Lula do pleito.

Divorciada da própria história, a esquerda abre mão de dialogar com o conjunto da sociedade, que elegeu a corrupção como assunto central em 2018. Trata-se de uma decisão que cobrará um preço maior que a pena deste ou daquele companheiro.

7 thoughts on “Divorciada da própria história, a esquerda trai o lema do combate à corrupção

  1. 1) Lamentavelmente as ex-querdas brasileiras escorregaram feio nos Poderes…

    2) uma pena…

    3) Ainda que tenham um discurso religioso, messiânico tipo Salvador… vai ser difícil ressucitarem…

  2. Essa articulista não é brasileira. Se são Paulo é o “túmulo do samba”, o Brasil é a forrageira das ideologias. Quando aporta aqui, tudo se desfigura: importam um novo conceito de regime, e apenas usam isso para obter, na urnas, uma outorga a que lhes autorize a roubarem no exercício do Poder. Sempre foi assim. Por que somente os desvios do PT provocaram esse choque coletivo?
    Talvez apenas Leonel Brizzola teve perspicácia bastante, para traduzir essa idiossincrasia resultante dos modelos importados, quando misturados em nosso caldo cultural. Daí por que ele denominou o nosso pretenso socialismo de: Socialismo Moreno. Este moreno não tem nada a ver com tez, mas com a metamorfose pela qual passa uma ideologia, sempre que submetida ao caleidoscópio brasilis.

  3. Magnífico este texto da Vera Magalhães. Conta aos jovens o que aconteceu no passado recente e relembra aos mais velhos esses fatos reais que eram de domínio público à época. Rasga a fantasia dos petistas que restaram, e que após as eleições a população verá que este partido, hoje uma seita, terá no máximo 20 por cento de votos.

  4. As leis da Ficha Limpa e da Transparência, vieram no governo do PT. Fato inédito. Nunca na História desse país… Legislação que o golpista e os apoiadores estão afoitos para fazer retroceder ao estado anterior.

  5. Não tenho mente de pássaro – vou onde me leva o bom senso e a racionalidade. Esquerda e direita não passam de bullshit refinada.

  6. Paulo2…como vc quer que “Daniel” entenda o texto da Vera..!!!??
    Daniel é um defensor de ladrões petistas!
    É um cego que insiste em lutar contra fatos inquestionáveis tais como o fato de que o lulopetisno aparelhou a maquina estatal brasileira unica e exclusivamente para roubar recursos publicos em detrimento de um projeto hegemonico de poder e o que é pior….roubo para usufruto pessoal de uns poucos componentes da “Nomenklatura” do Politiburo Petista, sendo a maior parte destinada ao “Stalin” Lula Novededos.
    Daniel sabe disso, mas como um “bom” comissário do regime, defende canalhamente o esquema.
    Faz parte da cartilha soviética.
    Qual a novidade! !!??

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *