Do jeito que a política está caminhando, não dá vontade de votar em nenhum candidato

30 ideias de Charge politica | humor político, rir pra não chorar, politicaRoberto Nascimento

Estamos vivendo uma hiperbólica “Divina Comédia”, muito mais terrível do que a saga de Dante rumo ao chamado último girão do Inferno, o tenebroso Nono Círculo. Essa insanidade existencial e política aqui no Brasil e no mundo está se tornando uma coisa rotineira, porque é uma continuidade diária – o novo normal.

Na política, não há diálogos civilizados, a suposta guerra do bem contra o mal virou regra, sem distinção entre um e outro, em meio à insistência nesse horror das fake news que semeiam o ódio entre as visões contrárias.

CADA VEZ PIOR – O Brasil está ficando cada vez pior, sem políticos de visão, sem estadistas, sem lideranças verdadeiras, sem nada, repetindo o famoso pensamento de Oswaldo Aranha – um deserto de homens e ideias.

Com as raras exceções, a gente topa somente com políticos querendo enriquecer a qualquer custo. Mesmo que saibam que da vida não levamos nada, insistem em entrar na ciranda do enriquecimento, mas sempre desprezando os interesses nacionais e colocando milhares, milhões e até mesmo bilhões de dólares nos paraísos fiscais, como fazem, sem o menor constrangimento, os economistas Paulo Guedes, ministro da Economia, e o Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central.

Alegam que colocar dinheiro lá fora é legal, embora saibam que é uma iniciativa torpe e antinacional, por demonstrar que os próprios gestores da economia não acreditam no futuro desta nação.

PAÍS À DERIVA – Assim o Brasil se tornou um país à deriva, apesar de dispor de quadros de qualidade e confiança para dirigir a nação rumo ao desenvolvimento. Mas os eleitores parecem preferir aqueles que apenas focam no desenvolvimento das suas famílias e dos seus amigos. O resto é cada um por si.

A grande maioria dos políticos está distante do povo. Quando falam em sandálias da humildade, trata-se de um engodo para enganar o eleitor. Preferem o salto alto, à moda de Luiz XV, o rei da França que se imaginava maior do que seus 1,60 m.

Na época de campanha, desfilam prometendo mundos e fundos. Fechadas as urnas e consagrados como vencedores, começam o festival de arrogância, mandonismo e descumprimento total das promessas. No último ano de governo, em busca da reeleição, iniciam a fase dos pacotes do bem, destinados a enganar de novo o eleitor, que no Brasil tem memória verdadeiramente curta.

SEM SAÍDA? – Aproximam-se as eleições e o quadro parece não se alterar, levando o país a uma nefasta polarização entre dois candidatos moralmente desclassificados, porque os pretendentes da terceira via demonstram uma dificuldade enorme de somar esforços pelo bem do país.

Não livro a cara de ninguém, porque não tenho político de estimação e meu partido é o Brasil.

Precisamos fazer alguma coisa, mas como? Pergunta difícil, parece que estamos num beco sem saída. Não há estímulo para votar em ninguém. No entanto, se enveredarmos pela depressão, a vida vai piorar. Não podemos perder a esperança na humanidade. Assim, penso no lema “paz e amor” da peça/filme “Hair”, para então seguir em frente, de cabeça erguida.

16 thoughts on “Do jeito que a política está caminhando, não dá vontade de votar em nenhum candidato

  1. Caro Nascimento.

    Texto perfeito, retrata a situação do Brasil e meu desencanto particular.

    “Amizades” de dezenas anos sucumbem à fé cega, à defesa absoluta de seu líder (principalmente se for Bolsonaro, muito mais dispostos a “brigar” em qualquer campo e sem limite.

    Me sobraram poucos contatos. A imbecilidade é a tônica.

    As palavras ideia e discussão desapareceram do cotidiano. Ou está comigo ou contra mim.

    Ainda espero uma terceira opção, mas meu pensamento racional é de que não temos saída nem futuro.

    É muito difícil não desanimar.

    Que Brasil nossos netos terão???

    Como é por que chegamos a isso???

    Tenho alguns indicativos mas discutir como é bom com quem???

    A própria Tribuna sofre e muito com este deserto de ideias.

    Tomara eu esteja errado.

    Parabéns pelo artigo .
    Posso assinar embaixo???

  2. 1) Hoje, na Feira da Glória, encontrei meu veterano amigo brizolista…

    2) Ele disse que não vai votar em ninguém… os candidatos são muito ruins…

    3) Mesmo sendo PDT histórico, discorda do que Ciro tem falado do ex-presidente Lula…

    4) O paulista cearense Ciro está fazendo política velha… lamentou o trabalhista amigo.

  3. Prezado Roberto Nascimento
    Ser derrotado, mesmo quando se está com a razão, é da vida, é da luta!
    Mas ser derrotado sempre, não é normal! É preciso analisar-se o fato com profundidade, coisa que poucos fazem ou conseguem fazer.
    Antigamente, quando era guri, ouvia os idosos (idade acima de 40 anos) debatendo – quase nunca se ouvia um palavrão, uma ofensa. E a maioria tinha somente o primário, quando muito o ginásio. A educação familiar era forte, com valores e exemplos.
    Hoje, a imensa maioria perdeu tudo: a noção, a educação e, só não perderam o conhecimento porque não o tem!
    Muitos erros foram cometidos ao longo das últimas décadas. E o resultado está ai: a ignorância usada em todos os sentidos e lugares.
    Estou neste embate a três décadas. Arrumei muitos amigos e outros tantos inimigos, mas aprendo todos os dias algo novo, o que é ótimo.
    Tem solução? Claro que sim, mas não é fácil.
    Quem achar que votando de seis em seis meses, aprenderão, afirmo: é uma mentira deslavada.
    A democracia pode ser o melhor sistema, mas é o único que precisa de qualidade no voto e nas escolhas! Jogar um voto na urna, é um ato que só terá sentido se for consciente e responsável!
    Por fim, já meu texto virou mais um “tijolão”, dentre quatro ou cinco ações imediatas, a primeira que precisamos alcançar é a UNIÃO DOS BONS BRASILEIROS! É o primeiro passo, sem o qual, todos os demais, não existirão e não darão frutos.
    Ah, minha visão: as mudanças precisam começar nos eleitores!
    Muita saúde. Fraterno abraço.
    Fallavena

    • Como começar pelos eleitores, se o texto do Nascimento, que me parece realista, como eleitor está dizendo exatamente o contrário disso: o eleitor não tem em quem votar, entre os nomes impostos pela máfia partidária, cuja ditadura eleitoral não nos concede nem mesmo candidaturas avulsas, das quais talvez pudesse sair algo inovador de verdade ?

      • Leão
        A lógica diz que “a democracia começa pelo voto!”
        Se não começa pelo voto, começa por onde? Pelo eleito é que não é!

        Releia o último parágrafo e encontrarás afirmativas que precisam de respostas, mas principalmente de ações!

        “- Precisamos fazer alguma coisa, mas como?
        R. Escolhendo melhor, acompanhando, cobrando.

        – Não há estímulo para votar em ninguém.
        R. Como pode ter estimulo aquele que nada sabe?

        – No entanto, se enveredarmos pela depressão, a vida vai piorar.
        R. Quem pega a lista de candidatos, em qualquer eleição, e analisa seu voto?

        Os partidos existem pelos filiados. Quantos sabem em que partido se filiou? Participou em alguma coisa ou só deu o nome para encher morcilha?
        A imensa maioria vota como se atirasse um pedra em um cão!

        Não é verdade que os partidos não oferecem bons candidatos! Todos tem gente honesta. Sabemos como são escolhidos e o eleitor se deia enganar todo o tempo.

        Se retiramos a responsabilidade de quem elege, para quem reclamaremos?

        Sem nos organizarmos, somos somente gatos miando na esquina!

        Fallavena

  4. O Problema do Brasil e do povo brasileiro não é a Política, até porque, até a coitada da Política, que tem apanhado bastante no Brasil, injustamente, tb restou capturada pela politicalha-partidária-eleitoral, à paisana e fardada, típica do sistema apodrecido, forjado, protagonizado e desfrutado, há 132 anos, pelo militarismo e o partidarismo, politiqueiro$, e seus tentáculos, velhaco$, que, com o famigerado fundões partidários bilionários ladrões, mostraram, definitivamente, a que vieram, com a revelação escancarada de que até mesmo a politicalha-partidária-eleitoral dos me$mo$ encontra-se capturada por uma legião de psicopatas, loucos por dinheiro, poder, vantagens e privilégios, sem limite$, que operam à moda todos os bônus para ele$ e o resto que se dane com os ônus, os quais são capazes de tudo e qualquer coisa para lograrem os seus intento$, à moda vale tudo por dinheiro, poder, vantagens e privilégios, sem limite$, até golpes abaixo da linha da cintura, revelando-se, por conseguinte, que até mesmo o país e a população tb restaram capturados pelos me$mo$, daí a necessidade inevitável e inadiável da Revolução Pacífica do Leão, a Nova Via, a libertação, via megaprojeto novo e alternativo de política e de nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso.

  5. Na medida que a candidatura do Bolsonaro avança a esquerda toca a sirene de alerta.
    Atabalhoados e confuso tentam se agrupar mesmo sabendo das idiossincrasias reinantes dentro do círculo do alto comissariado canhestro.

  6. Prezado Roberto Nascimento,

    por isso digo sempre que devemos ver os projetos, as ideias de desenvolvimento realistas do país para serem debatidas.

    Mas tais projetos precisam ter credibilidade, ser de longo prazo, sustentáveis e incluir a maioria.

    Dos candidatos potenciais que se apresentaram até agora, somente Ciro colocou suas ideias para melhoria do país. E colocou-as corajosamente, sabendo que atrairia a rejeição daqueles que no fundo não desejam mudança alguma e sim o mais do mesmo.

    Mesmo aqui neste blog, onde supõe-se que grande parte saiba escolher, quem defende projetos? Com raras exceções, entre elas Loriaga Leão (que fala de um projeto alternativo, mas que não os apresenta nunca), a maioria cita nomes, caindo na mesma armadilha de sempre.

    Citar nomes, dissociados de quais ideias apresentam é o pensamento mágico que teimamos sempre em acreditar.

    Os candidatos espertamente sempre vão falar que se eleitos, melhorarão o país, mas não apresentam coisas consistentes para isso. Pura enganação.

    E vamos caindo nas mesmas lorotas, não importa o nível de escolaridade e até aqueles que se dizem politizados, recaem nos mesmos erros: a pessoalidade dos votos, sem verificar a profundidade do discurso de seu candidato preferido. Um voto de paixão tão somente, como a maioria o faz..

    • Jose Vidal
      Lamento não possamos, ainda, realizar um debate presencial, ao vivo, mas estamos trabalhando para isto!

      Com o máximo respeito, estas pedindo o mesmo do mesmo! Projetos todos apresentarão, viáveis ou não! Verifique e verás: todos candidatos e todos os eleitos prometeram e os próximo prometerão.

      Ciro está fazendo o mesmo que Bolsonaro, Lula, FHC e Collor fizeram.

      Pergunto: qual o projeto de Brasil que o povo quer? Impossível? Se for, vamos eleger um projeto novo, de quatro em quatro anos!

      “O segredo da mudança é não focar toda sua energia em lutar com o passado, mas em construir o novo. Sócrates”

      Fazer a mesma coisa do mesmo jeito, que resultado obteremos? O mesmo!

      Fallavna

      • Prezado Fallavena,

        qual o projeto de longo prazo apresentado por esses citados no teu comentário?

        Não vi nada disso. Somente coisas genéricas. O que fazer? Isso todo mundo diz. Mas detalhar o como é que são elas.

        Pelo jeito não votarás em ninguém, pois nenhum candidato estará satisfazendo o teu desejo, já que consideras todos mais do mesmo.

        Não coaduno meu pensamento com o teu. Enquanto formos votar em pessoas. deixando de lado o principal, que são os planos de longo prazo, aí sim, ficamos na mesma de sempre. O que o povo quer?

        – Emprego e salários que possam fazer frente às despesas;
        – Saúde;
        – Educação (principalmente a básica);
        – Segurança;
        .

        Então, o presidenciável deve pormenorizar o seu plano para ir ao encontro desses desejos.

        E para iniciar uma virada, acho que para o país crescer, a classe média deve ser menos penalizada nos impostos, pois é a camada que mais consome e com o poder de compra aumentado, consequentemente o consumo, isso se espalhará por toda a população.

        Ciro coloca coisas óbvias, como taxar os dividendos recebidos por pessoas físicas. Qual o outro candidato que fala sobre isso?

        Abraço, saúde e vida longa.

        .

  7. Se os marginais do TSE usarem a urna eletrônica para roubar votos do Bolsonaro no primeiro turno, teremos três alternativas na segunda rodada:
    – Bolsonaro
    – O ladrão chefe do PT
    – Ficar em cima do muro

    Neste contexto, a pergunta do capiau é: o eleitor que “pensa” no lema “paz e amor” poderá andar de cabeça erguida?

    • Vander, a urna é apenas o “receptáculo que guarda a consciência do eleitor! ”
      Em 2018, o STF roubou em favor de Bolsonaro?
      Quem anula ou vota em branco, não está em cima do muro! Apenas, não está dando seu voto, para alguém que não merece confiança e respeito!

      Se fosse errado, não teriam as teclas na urna!

      Fallavena

      • Sr Fallavena, em 2018 Bolsonaro ganhou no primeiro turno; através da fraude, os marginais do STF/TSE forçaram a realização do segundo turno. A prova cabal da fraude foi a invasão do sistema pelo hacker, que ficou mais de 6 meses bisbilhotando os servidores do TSE, com a SENHA de um MINISTRO (e não venha me dizer que não houve a invasão). Pergunta: quem deu a senha do ministro para o hacker?

        Quanto a ficar em cima do muro (votar nulo / branco), nunca disse ser algo errado, o voto é pessoal e intransferível. Pra mim, uma consequência direta desse tipo de voto é a perda do direito de reclamar do governante eleito, pelo cidadão “murista”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.