Doleiro do PMDB confirma que Temer sabia de pagamentos ilegais no caixa 2

Agentes da PF levaram Funaro para depor

Renata Mariz
O Globo

Em depoimento prestado na quarta-feira à Polícia Federal, o doleiro Lúcio Bolonha Funaro reconheceu ter operado caixa dois do PMDB e fez acusações ao presidente Michel Temer. Segundo uma pessoa com acesso ao interrogatório, o doleiro sustentou que Temer, que presidiu o PMDB de 2001 a 2016, tinha conhecimento de doações ilícitas de campanha feitas à legenda. A fonte, porém, não detalhou o grau de conhecimento de Temer sobre essas doações.

Procurada pelo Globo, a assessoria do presidente Michel Temer negou em nota ter tido conhecimento de financiamento ilegal de campanha para a sigla. “O presidente Michel Temer somente tinha conhecimento de doações legais ao partido”, informa a nota.

ALIADO DE CUNHA – Ao longo de quatro horas, o doleiro falou também sobre como funcionavam nomeações a cargos públicos articuladas pelo PMDB e associadas a desvios de recursos. Apontado como aliado do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em esquemas de corrupção, Funaro está preso há quase um ano. Nas últimas semanas, ele contratou um advogado especialista em delação premiada. Apesar dos contatos com o Ministério Público Federal (MPF), não há informações de que o acordo tenha sido fechado.

Ainda na audiência desta quarta-feira, Funaro negou, no entanto, que ele ou seus familiares tenham recebido recursos da J&F, holding que controla a JBS, para se manter calado. O doleiro atribui o recebimento de recursos dos irmãos Batista, donos da multinacional, a três contratos legais que mantinham com ele para prestação de serviços em operações de mercado.

MALA DE DINHEIRO – Segundo o doleiro, a mala com R$ 400 mil em dinheiro vivo recebidos por sua irmã, Roberta Funaro, que chegou a ser presa na Operação Patmos, deflagrada a partir das delações da JBS, também é parte do pagamento por serviços prestados de forma lícita. As investigações, no entanto, apontam que o dinheiro seria para comprar o silêncio de Funaro na cadeia.

A Procuradoria-Geral da República sustenta, a partir de uma gravação feita por Joesley Batista, que o presidente Temer deu aval para que o empresário continuasse comprando o silêncio de Funaro e de Eduardo Cunha. O presidente contesta a versão. A gravação está sendo periciada pela Polícia Federal.

CUNHA NEGA – Assim como Funaro, Eduardo Cunha também negou, em depoimento prestado na quarta-feira em Curitiba, onde está preso, ter recebido dinheiro da JBS para ficar calado. Segundo o advogado Rodrigo Sanchez Ríos, que acompanhou a oitiva do ex-deputado, Cunha afirmou que seu silêncio nunca esteve à venda. Ele foi condenado a 15 anos de prisão pelo juiz Sergio Moro por colaborar no esquema de corrupção da Petrobras.

Funaro é réu na Operação Lava Jato e está preso desde julho do ano passado. A denúncia sustenta que o doleiro operava um esquema de corrupção que cobrava propina de empresas interessadas em obter empréstimos do FI-FGTS (Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), feudo controlado pelo PMDB.

Investigações apontam ainda Funaro como suspeito de ter intermediado um repasse de R$ 4 milhões da Odebrecht para um grupo de políticos do PMDB mais próximos ao presidente Temer. A avaliação é de que uma delação de Funaro pode complicar a defesa de Temer, que passou à condição de investigado por autorização do Supremo Tribunal Federal.

PLANALTO RECEIA – O entorno do presidente Michel Temer também receia que Cunha resolva fazer delação e possa implicar o presidente. Segundo interlocutores do ex-deputado, no entanto, Cunha ainda avalia os próximos passos e não pretende tomar decisão enquanto não tiver acesso à íntegra dos documentos do inquérito aberto a partir da delação da JBS. Ele teme que sua situação se complique.

Cunha pode ser implicado numa eventual delação de Funaro. No mesmo depoimento que negou ter o silêncio comprado, o ex-deputado foi interpelado com 47 das 82 perguntas formuladas pela PF ao presidente Temer no inquérito que investiga se ele cometeu crime de corrupção, obstrução à Justiça e organização criminosa.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Todo dia tem novidade, é um nunca-acabar. Faz tempo que Temer não governa, limita-se a tentar conter a sangria. Como o país é muito maior do que a crise, ninguém nem nota que Temer apenas finge governar, não faz a menor diferença, o país vai em frente assim mesmo, fellinianamente, tipo la nave va. (C.N.)

7 thoughts on “Doleiro do PMDB confirma que Temer sabia de pagamentos ilegais no caixa 2

  1. O Bento Carneiro, o vampiro brasileiro, personagem criado pelo magistral Chico Anísio, se assemelha em tudo a temeridade que usa a faixa presidencial brasileira.
    Um “rio Amazonas” de dinheiro corria pelo leito partidário e ele presidente ignorava.
    Conto da carochinha que nem os mais inocentes dos seres, as crianças, acreditam.
    O Michel Temer esta nas mesmas condições de um “pinguim de geladeira”, apenas serve de ornamento.
    Agora começou a pegar gosto por viagens internacionais, que não repita o molusco, inclusive nas companhias.

  2. O deputado Eduardo Cunha disse ao juiz Sérgio Moro ” Meu silêncio não está a venda”, ou seja, se entregou, é sinal de que sabe de muita coisa, mas vai permanecer calado, então espero que fique muito tempo em cana, ele e a mulher que ainda está livre.

  3. “Uma eventual delação de Funaro, porém, é avaliada com cuidado pelos procuradores.
    Investigado no processo do mensalão, o doleiro fechou colaboração com o Ministério Público Federal e acabou se livrando de punições. Mas quebrou um dos termos do acordo, que era não voltar a praticar crime doloso.”

    https://goo.gl/bKg7p3

    Não se teve todo esse cuidado com Youssef, que fechou delação premiada na lava-Jato, mesmo depois de descumprido o acordo de “não voltar a praticar crime doloso” após sua 1a colaboração premiada, que o livrou da punição no escândalo do Banestado.

    O que será que mudou?

  4. A Renata Funaro, que foi Flagrada recebendo 400 Milhões de reais está solta sem tornozeleira eletrônica, enquanto a Andrea Neves, por delito muito menor está presa a título de prisão preventiva.
    Não gosto do Temer, que não é nenhum santo, além dele e o Meirelles, estarem .tomando medidas governamentais, que não atendem ao interesse nacional. Entretanto, tenho percebido que delatar o Temer é o caminho mais rápido para os delatores se livrarem da prisão. Joesley ensinou o caminho das pedras.

  5. Depois do vergonhoso espetáculo de injustiça no TSE não mais me animo a participar de nada. Estou convencido de que somos fracos, estamos destinados a ser pequenos. O espetáculo dos 7 a 1 da copa se repete em todos os campos. Melhor tirar as chuteiras, jogar no lixo a camisa suada e dizer goodbye a tudo que é verde-amarelo. Bye bye.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *