Dona Perolina do PMDB

Sebastião Nery

Imbituba, Santa Catarina, 1962, eleição para prefeito. A UDN, comandada por Álvaro Catão, dono das docas da cidade e deputado federal, tinha seu candidato. O PTB, dirigido pelo brilhante líder Doutel de Andrade, lançou Moacir Orige, candidato dos estivadores, casado com dona Perolina, agente local do IAPETEC.

A eleição ia ser decidida no distrito de Vila Nova, onde a UDN dos Catão era mais forte. Dona Perolina foi a Laguna, chamou um enfermeiro do SAMDU, alto, pretão, elegante. Meteu-lhe um jaleco branco, calça branca, sapato branco, maleta preta, estetoscópio no pescoço, entrou orgulhosa em Vila Nova:

– Chegou o médico. O doutor vai dar consulta e remédio de graça pra todo mundo. É uma colaboração do PTB para o povo de Vila Nova.

PTB

Juntou gente, dona Perolina abriu duas malas enormes, entupidas de amostras-grátis que havia conseguido em Laguna e Imbituba, estendeu uma toalha branca sobre a mesa longa e pôs os remédios em fila, por ordem alfabética: A, Aspirina. B, Beladona. C, Coristina. E assim por diante. O “médico”, de jaleco e estetoscópio, ia fazendo as consultas: – O que é que o senhor tem? – Dor no peito. – Dor no peito, letra P. Dona Perolina pegava um remédio da letra P, o homem saia. – E a senhora? – Estou passando mal do coração. – Coração, letra C. Dona Perolina pegava um remédio da letra C, a mulher saia. Ninguém piorou, muitos foram curados e o PTB ganhou as eleições

MICHEL

Michel Temer é a dona Perolina do PMDB. Na farmácia do governo, ele tem remédio para tudo. Distribui empregos como quem aplica pomada para pereba e vai comprando correligionários. Foi assim na ultima convenção do partido. Anunciou que ganharia com mais de 80% dos votos. Saiu de lá humilhado. Não passou de 59%. Apesar de todas as pressões, cambalachos e corrupção urdidas por ele e sua turma, a oposição teve 41% e sobretudo venceu em 6 dos 7 maiores Estados: Minas, Rio, Bahia, Rio Grande do Sul, Ceará e Pernambuco. Em todos eles o PMDB não vai apoiar a chapa Dilma-Michel.

PIRRO

A convenção foi uma vitória de Pirro para o palácio do Planalto. (Pirro foi aquele rei do Épiro e da Macedonia, na Grecia, inimigo irreconciliável de Roma e dos romanos, que, depois da batalha de Heracleia, proclamou-se vitorioso apesar de perder todos os seus soldados).

Uma das lambanças foi, entre os votos apurados, os brancos, nulos e abstenções terem sido desconsiderados, omitidos, em lance de esperteza à altura da contabilidade criativa prevalecente no governo federal. Ficou claro o nível de desprestígio do vice-presidente da República, licenciado da presidência do PMDB e comprovando ter uma liderança fragilizada na condução da legenda, mal assegurando o horário de rádio e televisão para a chapa Dilma-Temer sem conseguir garantir a mobilização dos seus lideres e militantes nos maiores colégios eleitorais.

ULYSSES

Em política, não adianta a fantasia. A verdade surge das urnas. Em 1989, o exemplar Jarbas Vasconcelos, vice-presidente do PMDB, assumiu a presidência do partido com a licença do titular, o saudoso e gigante Ulysses Guimarães, lançado candidato à presidência da República, e honrou até o fim seu dever de sustentar a bandeira do partido. Ocupou a vice-presidência o bravo deputado Helio Duque, do Paraná. Eram os melhores do partido. O tempo de rádio e televisão que Ulysses tinha era mais do que o dobro do mais próximo.

Ao final da eleição, Ulysses ficou em 6º lugar, com votação constrangedora. A militância peemedebista se encaminhou majoritariamente para as candidaturas de Mário Covas e Brizola, comprovando que o tempo de mídia eletrônica não é suficiente para ganhar eleição. Voto não é pereba que se cuida com pomada, com maracutaia.

4 thoughts on “Dona Perolina do PMDB

  1. Caro Sebastião Nery, meus respeitos e grande admiração!!!
    Uma coisa é deixar o tempo da tv nas mãos (voz) do Ulysses Guimarães: outra, muito diferente, é deixar isto com o Lula – que vai aparecer e muito, no horário político.
    O doutor Ulysses foi um lutador extraordinário, bem sabemos. Mas, na tv, não provocava sequer um décimo do entusiasmo e vibração contagiante que o líder petista produziu no passado e vai continuar produzindo. Pode até ser que … o Lula ganhe a eleição para a Dilma, como já o fez.
    O doutor Ulysses não tinha carisma nem a ‘contundência massacrante’ que sobram no Lula.
    Nery, por mais que o PT tenha roubado, enganado, mistificado, manipulado e mais mil outras coisas do tipo, crimes que estão aí, bem nas nossas caras, os adversários da Dilma são tão frágeis (em todos os sentidos) que, juntos, não são páreo para o ex-presidente.
    O horário da tv pode decidir, sim!!!
    E … comparar Lula com Ulysses, como orador e empolgador de massas … simplesmente não dá.
    Lula irá para a tv. E isto pode decidir tudo. Em favor da Dilma.
    Verdade que o quadro atual difere do anterior, quando ela foi eleita. Mas … observando bem … o que acontecia antes do Lula … é o que o PT vai usar.
    Se vai colar … é o que veremos.
    Forte abraço, Nery. Do,
    Almério

  2. Excelente análise. Eu sempre achei que tempo na TV não ganha eleição. Basta lembrar do Enéas, que com alguns segundos de exposição, deu baile em muitos candidatos com o tempo gordo. Quanto a comparar a retórica de Lula e Ulisses, entendo que isso também não influencia. Mesmo com o Lula em altíssima conta pela população ignara brasileira e por potentes setores empresariais, até que a diferença de Dilma para Serra não foi grande. E, vejam que, mesmo com a diferença pouco representativa, em Minas, Dilma saiu com mais de 2 milhões de votos na frente (com o Aécio será ao contrário); na Bahia, Dilma teve 2,8 milhões de votos na frente (isso não se repete nem que a vaca tussa); no Rio a Dilma colocou 1,6 milhões de votos na frente (isso não se repete de forma alguma); em Pernambuco, a Dilma colocou mais de 800 mil votos de diferença (talvez a Dilma perca para o Eduardo Campos lá). Em São Paulo, a Dilma vai levar uma balaiada. Ora, se com o Lula na altíssima conta e com o Brasil bombando (não por causa do PT), a Dilma não ganhou de goleada, qual análise caberia agora? Se não roubarem nas urnas eletrônicas, como os bolivarianos fizeram na Venezuela, a Dilma terá bastante dificuldade de emplacar o próximo mandato. Pelo menos, nós, trabalhadores honestos, faremos a nossa parte para varrermos essa petralhada do poder, para salvarmos o nosso Brasil dessa organização criminosa que comprou o poder com as bolsas-misérias, com o compadrio com banqueiros e empreiteiros e com o aparelhamento total dos três poderes. Mas, nós confiamos em nossa força. A nossa história demonstra que superamos situações até piores do que a atual.

  3. Caro Sebastião Nery … Poder Moderador tem sido função do PMDB, após as FFAA estarem profissionalizadas desde nosso maior do PMDB, o atual senador Sarney … Dividido está o PMDB em função da demonstrada vontade de setores do PT em impor hegemonia, mesmo não tendo o partido da estrela vermelha sozinho maioria em nenhuma casa do Legislativo … estes setores dão MUITO trabalho a Temer, Cunha e ao PMDB … Veremos se o horário eleitoral será usado para aumentar as bancadas do PT em prejuízo do PMDB … chegamais está de olho kkk
    Sniff

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *