E então Ary Barroso compôs a Aquarela, que é um segundo Hino Nacional brasileiro…

Caixa de 20 CDs com mais de 300 gravações revela versatilidade de Ary  Barroso - Jornal O Globo

Poucos sabem que Ary Barroso era um músico de jazz

Paulo Peres
Poemas & Canções

O radialista, músico e compositor mineiro Ary de Resende Barroso (1903-1964) na letra de “Aquarela do Brasil”, escrita em 1932, exalta a beleza, a grandeza, a miscigenação e seu amor pelo Brasil. Historicamente, “como foi gravada durante o governo Getúlio Vargas, a música sofreu críticas por iniciar o movimento samba-exaltação, que tinha meios ufanistas de enaltecer o potencial brasileiro, suas belezas naturais, riqueza e povo.

Vale ressaltar que, na época, o patriotismo que os brasileiros tinham pelo país não pode ser comparado com o atual. Era um sentimento de amor pelo país, que mesmo não concordando com o governo que detinha poder no Brasil, o compositor consegue esquecer todos os problemas e ainda assim, presta um tributo ao povo e a sua terra.

AQUARELA DO BRASIL
Ary Barroso

Brasil!
Meu Brasil brasileiro
Meu mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos
O Brasil, samba que dá
Bamboleio, que faz gingar
O Brasil, do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil! Prá mim! Pra mim, pra mim
Ah! abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do cerrado
Bota o rei congo no congado
Brasil! Prá mim! Pra mim, pra mim!
Deixa cantar de novo o trovador
A merencória luz da lua
Toda canção do meu amor
Quero ver a sá dona caminhando
Pelos salões arrastando
O seu vestido rendado
Brasil! Pra mim, pra mim, Brasil!
Brasil!
Terra boa e gostosa
Da morena sestrosa
De olhar indiferente
O Brasil, samba que dá
bamboleio que faz gingar
O Brasil, do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil!, Pra mim, pra mim, pra mim
O esse coqueiro que dá coco
Onde eu amarro a minha rede
Nas noites claras de luar
Brasil!, Pra mim, pra mim, pra mim.
Ah! e estas fontes murmurantes
Aonde eu mato a minha sede
E onde a lua vem brincar
Ah! esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil brasileiro
Terra de samba e pandeiro
Brasil! Pra mim, pra mim! Brasil!
Brasil! Pra mim, Brasil!, Brasil!

4 thoughts on “E então Ary Barroso compôs a Aquarela, que é um segundo Hino Nacional brasileiro…

  1. http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa12427/ary-barroso

    Em 1922, muda-se para o Rio de Janeiro e matricula-se no curso de direito na Universidade do Rio de Janeiro (atual Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ). Começa a tocar piano no cinema e em orquestras de jazz, como a Trianon, de Alarico Paes Leme; a American Jazz, de José Rodrigues; e a Jazz Band Sul-Americana, de Romeu Silva. Nesse momento, inicia a atividade de compositor. No fim de 1928, tem os sambas Tu Queres Muito e Vou a Penha gravados por Mário Reis e Artur Castro, respectivamente.

    A carreira de Ary Barroso ganha impulso como pianista em bandas de jazz. No decorrer dos anos 1920, as orquestras difundem-se nas metrópoles brasileiras, em especial no Rio de Janeiro, sob o impacto da onda jazzista do pós-guerra. As inovações e as sofisticações melódicas e harmônicas de suas composições expressam como ele utiliza o jazz no contexto de afirmação do samba como gênero da música popular brasileira. Não menos importante é a influência que recebe do sambista Geraldo Pereira. Barroso adora seus sincopados e o considera um grande compositor. Também considera Ismael Silva, Ataulfo Alves e Assis Valente gênios da música. Ele compõe Camisa Amarela (1939) inspirado no samba Camisa Listrada (1937), de Valente.

    Além de sua facilidade com o jazz, vale lembrar que boa parte da versatilidade de Ary Barroso está ligada a seu trabalho no teatro de revista, que resulta em temas teatralizados como o diálogo de Boneca de Piche, originalmente gravado por Carmen Miranda e Almirante, em 1938. Há também seu lado satírico, em temas como Eu Dei, gravado por Carmen Miranda em 1937, e Como Vaes Você, em que o compositor dialoga com a cantora, em 1936, Falta um Zero no Meu Ordenado, gravado por Francisco Alves, em 1948, e Jards Macalé, em 1995; e Não Sou Manivela, por Aracy de Almeida, em 1966.

  2. 1) Bom poeta o Ari… me fez lembrar o trecho do HNB = Hino Nacional brasileiro:

    2) “Deitado eternamente em berço esplêndido”…

    3) Por isso que milhares ficam deitados no berço esplêndido, das areias das praias, não cuidam do social (ou cuidam muito pouco) e votam mal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *