É grave a crise no PT

Carlos Chagas

A dúvida limita-se à verdadeira causa de o ex-presidente Lula, estando em Brasília na última sexta-feira, haver voltado repentinamente para São Paulo sem comparecer à reunião do Diretório Nacional do PT. Mandou-se por discordar da escolha de Rui Falcão para a presidência do partido ou por conta do reingresso em suas fileiras de Delúbio Soares, expulso anos atrás como um dos chefes do mensalão?

Tanto faz, porque o Lula e o PT encontram-se em rota de colisão. E o ex-presidente não está sozinho. Com ele encontra-se a sucessora, Dilma Rousseff, que também não compareceu à reunião dos companheiros e nem recebeu Rui Falcão no palácio do Planalto.

Não adianta tapar o sol com a peneira porque é grave a situação. A escolha do novo presidente do partido à revelia e até contra a decisão de Dilma e Lula reflete a insatisfação da maioria dos companheiros diante do governo. A presidente e o antecessor preferiam Humberto Costa para dirigir o PT, estavam comprometidos com ele e viram-se atropelados pela maioria do Diretório Nacional. Lula foi embora, Dilma trancou-se.

E agora? Agora, mesmo com panos quentes já mobilizados e por mobilizar, fica claro que a fonte secou para o PT.  Estão suspensas as nomeações de mais companheiros para o segundo escalão do governo, ou, pelo menos, para os que lideraram a rebelião.

*** 

GRIPE GENERALIZADA

Nem o palácio do Planalto escapou. A gripe que tomou conta de Brasília atingiu a presidente Dilma Rousseff e a quase totalidade dos ministros e funcionários com gabinete na sede do governo. E como os germes chegaram antes da vacina, não adiantou submeterem-se todos à incômoda injeção preventiva. Estarão garantidos, no máximo, para o próximo surto.

Essa gripe começa pelos ouvidos e vai descendo para o nariz, a garganta e a traquéia, quando não para os pulmões. Leva mais de uma semana para sumir, mas não é preocupante. Apenas chata e barulhenta, não havendo quem escape da profusão de espirros e da tosse. Se todos são iguais perante a lei, por que não seriam diante da gripe?

 ***

A FALTA QUE FAZ UM JURISTA  

Por mais de um mês, no Senado, a Comissão Especial da Reforma Política debateu sugestões variadas, fixando-se em algumas, a começar pela supressão do direito de o eleitor escolher seu candidato a deputado, obrigando-se a votar apenas na legenda. Seria uma forma de prestigiar os partidos, cujos caciques iriam elaborar as listas de pretendentes. Nenhum senador, mesmo os advogados, percebeu o que agora acaba de denunciar o jurista Ives Gandra: a proposta é inconstitucional. Nossa Constituição estabelece que nenhuma lei poderá ser aprovada se revogar o voto direto e secreto. Votar nos partidos sem saber para quem irá o voto está proibido…

*** 

PRESSÃO NECESSÁRIA 

A maioria dos onze ministros do Supremo Tribunal sente-se incomodada pela demora como tramita o processo contra os quarenta mensaleiros.  Nenhuma crítica  fazem ao relator, Joaquim Barbosa, cientes dos meandros processuais que levam os respectivos advogados a tentar livrar os réus seus clientes.

Só que começa a prevalecer na mais alta corte nacional de justiça aquele fator tão discutido quanto poderoso: o clamor das ruas. Não há quem deixe de se espantar pela sombra da impunidade que paira sobre o julgamento. Ou os réus não formaram uma quadrilha empenhada em disseminar a corrupção?

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *