É preciso compreender e ter piedade de Jair, que ignora a magnitude do cargo que ocupa

Bolsonaro mentiu para se explicar sobre 'porrada na boca' de ...

Bolsonaro passou uma fase zen, mas já voltou a ser o Jair

Jorge Béja

Nós, brasileiros, não devemos e nem podemos censurar, criticar, repudiar e nos indignar com os xingamentos, as ofensas, o vocabulário, o palavrório chulo, nem com as ameaças a jornalistas que o presidente Jair externa e outras falas e gestos que lhe são próprios. Ao contrário, devemos ter compreensão. Os obstáculos e as vicissitudes da vida só são possíveis de serem atenuados, quiçá superados, através da compreensão.

Aceitação, conformação e confrontamento, não. Não, porque aceitação e conformação são irmãs gêmeas que não curam, não resolvem e ainda deixam sequelas. “Tenho que me conformar e aceitar, né? O que fazer, né?”. Eis a sequela. Eis o queixume, o estigma, a mágoa, o pesar, o desgosto, que são resíduos que permanecem, não desaparecem e não cicatrizam jamais.

PIOR É O CONFLITO – Já o confrontamento é ainda pior. Confrontamento é conflito. E todo conflito, de que forma e de que natureza seja, desgasta, acaba com a nossa saúde, física e mental, e nos leva até à perda da vida.

Precisamos compreender Jair. Para o vírus da ignorância, só a vacina do saber, do conhecimento e da cultura é capaz de eliminar a doença que o vírus dissemina. E mesmo assim quando ainda houver tempo. Porque quando tarde demais, a vacina é ineficaz.

Portanto, é preciso, compreender Jair e dele ter piedade. Compreensão e piedade porque Jair – que não assumiu o poder fruto de um golpe, mas em razão do voto democrático dos eleitores –, Jair demonstra ignorar a importância, a nobreza, a magnitude, a majestade, a honorabilidade do cargo de presidente da República.

ALVOS MACULADOS – Quando Jair xinga, faz ameaça, solta impropérios e outras aleivosias mais, os alvos maculados e vitimados não são as pessoas humanas, e sim a República, a civilidade, a urbanidade, e principalmente, o cargo de que está, temporária e transitoriamente investido.

Assim como não se pode exigir de alguém que não saiba, nem nunca aprendeu, que entre na cabina de uma aeronave e pilote um avião, ou que se sente ao piano e toque uma peça musical, também não se pode exigir nem esperar que Jair tenha altivez, compostura, atitudes e comportamentos inerentes, adequados e próprios à solenidade do cargo para o qual foi elevado.

Daí porque é preciso compreender. Compreender Jair, presidente do Brasil. E perdoá-lo. E dele nada esperar que seja diferente do que ele é. Ou que venha acontecer milagrosa transformação. Aquela vacina não faz mais efeito. Ela existe. Mas é para ser aplicada desde a tenra idade. Agora é tarde demais. 

15 thoughts on “É preciso compreender e ter piedade de Jair, que ignora a magnitude do cargo que ocupa

    • Os que votaram no JB para não eleger o PT já se reposicionaram.
      Quero ver você convencer os eleitores do PT e/ou do grupo dos 600 e/ou os demais do norte-nordeste e/ou os evangélicos.
      Se a eleição fosse hoje …

  1. Há uma ótima solução, já aplicada duas vezes: o impichamento. Passando a pandemia é lógico e cristalino que esse “digno de dó” será catapultado do cargo, como o bem fizera a Sociedade, como fora o caso do Collor e da Dilma, gente do mesmíssimo jaez.
    E não creio que teremos. no médio prazo, mais presidentes que não o sejam pois trata-se de algo estrutural: nosso Estado Cleptocrático e sua corolária Indústria da Miséria,

  2. O capetão corona se finge de analfa pra poder fazer o que bem entende com os que têm poder nenhum. Alguma vez ele já mandou perguntar a mãe a algum ministro do supremo, a algum manda chuva do legislativo? Claro que não, né? Ele sabe muito bem o pau em que se esfrega. É essa imagem de analfa, de ignorante que ele quer que as pessoas tenham dele pra ele soltar os cachorros e os filhos em cima dos sem poderes. Ele eve ser tratado como merece. Tem 65 anos e sabe muito bem o que está fazendo. Se não vejamos o ardiloso esquema que usa para disfarçar o enriquecimento ilícito. É coisa de otário?

    Vade retro, fallax, fallacis!!

  3. É o Presidente ideal para desbaratar o socialismo tucano-petista que corrompeu o país. Universidades, imprensa, administração pública, justiça, política, tudo aparelhado para sugar a alma e o suor de quem sustenta o estado mastodôntico. Só um casca grossa como ele pra enfrentar a escória.

    Será reeleito no primeiro turno, com mais de 65% de apoio. Logo a seguir, fechamento do infame STF e, a depender, do Congresso, para uma reforma radical da CR. O estado sanguessuga e a justiça da impunidade serão liquidados.

  4. O país precisava disso doutor Bejá. O povo está cansado de rapapés, do políticamente correto, de safados que tem um discurso pra fóra e outro para dentro. O palavreado de Bolsonaro é o mesmo que escutamos numa roda de boteco. E ele está certo. Chega de hipocrisia, este país tem que passar por isso. Ele é tosco? Sim! Mas é melhor do que ficar mentindo para o povo. Abração.

  5. Partindo da premissa que todos nós podemos melhorar, que podemos nos adaptar, que podemos ser mais isso ou aquilo, creio que perdoar Bolsonaro pelo que ele é e jamais será, ocasionaria aceitarmos de qualquer pessoa que ela seja o que quiser, e desconsiderarmos em termos de comportamento social, de convício com pessoas que se esmeram em ser educadas e respeitosas, o rito da harmonia e de se viver em paz com os diferentes.

    Perdoar Bolsonaro pelo que ele é, significa que as pessoas que criticam a sua conduta como ser humano e, principalmente, como presidente, ignorar que existe uma conduta que deve ser observada por todos, ainda mais da parte do primeiro mandatário dessa republiqueta.

    Todos sabem que sou admirador ardoroso das postagens do dr, Béja, tanto pelos seus conhecimentos jurídicos como exemplo de cidadão, que ele tem sido anos a fio na TI e na sua vida particular.

    Mas, com relação ao artigo em tela, para eu concordar com o articulista só se eu estivesse na sua condição de superioridade intelectual, social, com uma existência irrepreensível e ilibada pessoal e profissionalmente.
    Não é o meu caso, que sequer tenho curso superior ou alcancei sucesso conforme minha capacidade de trabalho.

    Dito isso, pobre do Chicão, se ele tivesse os rompantes que tem Bolsonaro;
    seus ataques contra a imprensa;
    suas agressões contra aqueles que o perturbam com perguntas indesejáveis, na ótica do ex-capitão.

    Aliás, em razão do posto de capitão, logo, um oficial do Exército Brasileiro, que equivale a curso superior, lamento, dr.Béja, mas não posso perdoar o presidente, pelo contrário, eu o acuso de mal educado, de desrespeitar o povo, de desprezá-lo, de ser arrogante, prepotente, agressivo … uma pessoa instável emocionalmente, e que não inspira qualquer confiança em quem o conhece mesmo por pouco tempo!

    Não podemos mais ser tão compreensivos, meu caro advogado, pois os governantes simplesmente nos viraram as costas.
    Não nos compreendem porque somos pobres e miseráveis; desempregados e analfabetos; que apenas devemos obedecer e outorgar poderes, e mais nada!

    Não tenho como compreender Bolsonaro, muito menos perdoá-lo;
    não eu, um indivíduo sem eira e nem beira, que todos exigem de mim um comportamento social que eu não teria, mas devo obedecer porque se trata de convivência, de eu respeitar para ser respeitado.
    Se me desrespeitarem, tenho o direito de fazer o mesmo, em minha defesa.

    Nesse caso, Bolsonaro tem desrespeitado as pessoas rotineiramente, mas ai daquele que lhe desrespeitar!
    Convenhamos, as regras têm mais defendido e protegido o infrator que o ofendido!

    E depois não vemos um presidente preocupado em ser mais ameno, mais brando nas suas reações. Pelo contrário, Bolsonaro está cada dia pior, mais irascível, tempestuoso, borrascoso!

    Em outras palavras:
    Perdoá-lo é continuar permitindo e aceitando um comportamento incompatível não só com a função que ocupa, mas como pessoa, ser humano, que precisa e deve se conscientizar que tem obrigações, compromissos, que além de reverenciar o povo que o elegeu não se admite tratá-lo a pontapés!

    Bolsonaro deveria já ter sido enquadrado pelos seus colegas de farda.
    Se os militares que o acompanham no governo são omissos, e concordam com essa maneira truculenta do chefe, então sugiro que tomem Maracujina ou Água de Melissa, que se acalmem um pouco, que controlem seus ímpetos, pois estão à beira de ataques de nervos, estado que não condiz com homens, mas com pessoas que não sabem o que fazer em horas importantes de suas vidas.

    Quem ocupa o Planalto não pode se dar ao luxo de ser uma cavalgadura, e entender que são os coices o modo natural de se comunicar com as pessoas.

    Para isso existem os currais, locais apropriados para animais!

    Um forte abraço, dr.Béja.
    Saúde e paz.
    Cuide-se!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *