É preciso que o país elimine todos os privilégios da nomenklatura, seja civil ou militar

Charge do Dum (Arquivo Google)

Carlos Newton

O jornalista Hildeberto Aleluia, sempre atento aos interesses nacionais, nos enviou artigo escrito pelo major-brigadeiro Jaime Rodrigues Sanchez, sob o título “A Sucuri Marajá”, a propósito de recente decisão da Mesa do Senado, presidida por Davi Alcolumbre (DEM-AP), que teve a desfaçatez de assinar ato que amplia para 33 anos a idade máxima de permanência de filhos e enteados no Sistema Integrado de Saúde do Senado.

“Chega a ser repugnante a ganância e o despudor com que o Legislativo se apropria do erário e o desprezo que demonstra pelo cidadão que o elegeu”, diz o chefe militar.

DIREITOS ADQUIRIDOS – No artigo, assinala o major-brigadeiro: “Vergonhosamente, o plano de saúde dos senadores é vitalício, como se o senador fosse um funcionário concursado, de carreira. Têm também esse direito ex-senadores, o suplente que permanecer no cargo por apenas 180 dias ininterruptos, bem como seus cônjuges e dependentes. Se esse período “ininterrupto” coincidir com as férias escolares parlamentar, desde que ele não deixe o cargo, bastarão apenas algumas semanas de trabalho, suficientes para garantir o plano de saúde pelo resto da vida”.

E acrescenta: “Esse dadivoso plano beneficia até quem perdeu o mandato por quebra de decoro ou desvios de dinheiro público. Uma vergonha! É também oferecida uma opção para os serviços de sua livre escolha, com ressarcimento de despesas, incluindo hospitais de “excelência”, no sentido amplo da palavra, como o Hospital Sírio-Libanês e o Hospital Israelita Albert Einstein”.

E OS MILITARES? – A revolta do major-brigadeiro é procedente. Mas ele deveria levar em consideração que os militares e seus dependentes também estão muito bem servidos em matéria de assistência médica, odontológica e até farmacêutica. Na verdade, tanto as famílias dos congressistas quanto às dos militares estão sendo claramente beneficiadas.

Senadores, ex-senadores e cônjuges descontam ou pagam R$ 280 mensais mensais, com mais para R$ 154 para cada filho e R$ 410 para pai ou mãe. Uma moleza, não é mesmo?

E os militares (da ativa, da reserva e pensionistas) também pagam quantias irrisórias, com o máximo de 3,5%. Se esse desconto for sobre o soldo ( não consegui descobrir), não chega a R$ 500 nas maiores patentes, para garantir a saúde da família inteira. Se for sobre a remuneração total, incluindo gratificações e adicionais, o desconto será de no máximo R$ 1.150 mensais, para o plano de saúde da família inteira de oficiais-generais. Mesmo assim, também é uma moleza, porque eles recebem cerca de R$ 30 mil mensais. incluidas as gratificações e adicionais.

SÃO PRIVILEGIADOS – O fato concreto é que estamos diante de privilégios concedidos à nomeklatura civil e militar, custeados com recursos públicos (do povo, portanto).

Quanto se lê um artigo violentíssimo como o assinado pelo major-brigadeiro, que até amaciei um pouco, percebe-se que as pessoas continuam raciocinando de forma corporativa, sem colocar em destaque o interesse nacional. E assim fica o roto falando mal do esfarrapado, como dizia o ditado antigo. Ou um privilegiado falando mal de outro, como é o caso.

Com toda certeza, o país precisa eliminar todos os privilégios. Mas quem se interessa?

22 thoughts on “É preciso que o país elimine todos os privilégios da nomenklatura, seja civil ou militar

  1. “Com toda certeza, o país precisa eliminar todos os privilégios. Mas quem se interessa”?

    Todos os idiotas nos interessamos, mas não somos ouvidos, somos nada! ZEROS À ESQUERDA!!

    Os caras avançam sem pudor, sem escrúpulos, eles sim, não se interessam.
    Somos letra morta. Somos transparentes, zumbis pagantes da benesses dos FDPs!!

    Ou quebramos brasilia inteira e removemos essa porra de capital pra outro canto do país, ou em breve vamos pagar pelos planos dos filhos dos vagabundos até virarem senhorzinhos…
    Daqui a pouco, serão agraciados com plano de saúde vitalício até os animaizinhos de estimação destes arrombados.

    O meu saco explodiu. Viramos carniça de políticos!!

    Simples assim.
    Atenciosamente.

  2. Os pseudo milicos não vão largar o osso, foram excluídos da reforma da previdência, são mais brasileiros, lutam pela pátria, arriscam suas vidas, sem FGTS, sem multa de 40%, sem hora-extra, sem adicional insalubridade/periculosidade… não esquecendo das filhotas, eternas pensionistas…na realidade, capachos de políticos, autênticos covardes! Raciocínio de milico:”estou recebendo o meu, com pouco esforço, garantindo minha velhice e dos meus, não tenho preocupação com inimigos externos, as riquezas dos país que se fodam, é dos outros mesmo!”. Patriotismo para esses caras, só no asteamento na bandeira.

  3. A elite mais perversa do Brasil é a classe da cúpula do três poderes, com garantias que lhe dão boa vida nababesca extensiva a seus familiares para o resto da vida. A nação, o povo que se danem
    Eles não entendem que o povo aguenta muito, mas tudo tem um limite. Esse é o perigo. A cúpula dos 3 poderes está passando dos limites.

  4. Newton, o Major Brigadeiro não tem a mínima razão de espernear. Os militares tem privilêgio iguais ou superiores aos dos políticos. Dizes bem: É o roto falando do esfarrapado.”Já houve um caso no senado em que o senador Virgílio do Amazonas teve que pagar R$ 250,000,00 por ter sua mãe que fazer uma operação cara. Quem entrou com ação contra Virgílio foi Renan. Virgílio teve que vender uma propriedade para pagar a dívida. “Mão Santa disse a Virgílio: Fica tranquilo que você não vai ser cassado”. Não sei qual foi a lei que Renan usou para contranger e ameaçar Virgílio com o Conselho de Ética.

    • Gratíssimo por suas palavras, Aquino. Você é um membro das Forças Armadas que não pratica corporativismo e defende SEMPRE os interesses nacionais. Como dizia Vinicius de Moraes, se todos fossem iguais a você, que maravilha viver.

      Abs.

      CN

  5. CN, sim é verdade. Há privilégios demais em algumas classes e corporações.

    Mas não são só esses citados. Muitos, e bota muitos nisso, formadores de opinião, profissionais liberais, grandes empresários, grandes latifundiários, grandes líderes religiosos (especialmente os evangélicos), etc, também tem seus privilégios e altas rendas e que usufruem das leis. vigentes (e até algumas brechas) para ficarem livres de muitos impostos.

    Então é normal que haja uma auto-proteção desses todos e que formam a opinião geral. Claro, há de ser mantida uma pressão constante sobre o legislativo, sobre o judiciário, sobre a imprensa para que esse status quo seja preservado. E até quando interessa, uma pressão sobre o governo.

    A grande maioria do povo não consegue ter a capacidade de mobilização, seja por falta de discernimento, seja porque tem que lutar arduamente para sobreviver. E quem se mobiliza é sempre conduzido pela parte mais atuante e mais elitizada da população, o que é natural.

    As mobilizações de protestos das pessoas mais carentes são bem restritas e com um foco bastante particular.

    E assim vamos, cada qual defendendo corporativamente sua classe, apontando o dedo para os privilégios dos outros, mas omitindo os seus próprios.

    A corrupção moral é a mais danosa e a menos visível,

  6. Sim, com certeza, por mais caolhos que pareçam ser, a medida que só enxergam o que lhes convém, os milicos tb, enquanto sócios-proprietário da república 171 dos me$mo$ (golpismo ditatorial, partidarismo eleitoral e seus tentáculos, velhaco$), vão ter que dar a sua cota de contribuição na passagem a limpo deste país, e bem como na travessia do velho que já morreu para o novo de verdade que urge se estabelecer.

  7. Analisando concretamente essa questão de privilégios e suplementos salariais, mais do que nunca se faz urgente e necessário que as brutais diferenças autoconcedias pelos poderes constituídos, em comparação à vida difícil e carente do povo, devem ser eliminadas de vez!

    Sem dúvida, querer que as castas abram mão da maneira nababesca que vivem às custas do povo, daria mais uma sequência da série Missão Impossível.

    Jamais o parlamento, judiciário, “conselheiros” dos TCEs (que aconselham como lesar e prejudicar o povo), vão admitir sequer a discussão desses exageros, ilegalidades e imoralidades, quanto mais diminuí-las.
    Nem com banda de música!

    A verdade é que o povo não suporta e não aceita mais a continuidade dessas clamorosas e brutais injustiças sociais, autoconcedidas pelos poderes instituídos.

    Trata-se de afronta, acinte, deboche, escárnio, desprezo, com relação à maioria absoluta da população do Brasil, que vive com extrema dificuldade, levada a esta condição por governantes ladrões e incompetentes.

    Não entendo o STF, que exige que o respeitemos pela sua importância, tenha obtido regalias, penduricalhos, mordomias, APROVADAS por um parlamento reconhecidamente corrupto!
    Será a retribuição às solicitações atendidas, que o Supremo está a serviço de criminosos egressos do legislativo e executivo??!!

    Que moral têm os poderes constituídos?
    Que autoridade possuem parlamentares e magistrados, se vivem atrelados à desonestidade, à exploração, à manipulação contra o cidadão?

    Por essas e outras que volto a enfatizar:
    Fechar o legislativo, e fazer as mudanças neste poder que atendam às exigências do chefe, o povo, na diminuição dos proventos, suplementos salariais, bancadas, assessores, diárias, e a vadiagem explícita ou vagabundagem escancarada de “trabalharem” dois dias por semana, e receber salário integral e ressarcimento de “despesas”.

    Sem antes ser reparada a diferença, eliminar a segregação, o menosprezo ao povo, nada será possível.
    O dia que enchermos o saco em definitivo, salve-se quem puder!

  8. Carlos e os privilégios dados aos bancos e rentista pag. de juros e amortizações das dividas,isenções fiscais dada a empresários os refis anuais,o financiamento de mais de 200 bi ao agro negócio,em detrimento da agricultura familiar.

  9. Caro Newton;
    Acertou no alvo. O maior problema brasileiro é o
    CORPORATIVISMO.
    Mussoline criou o feixe de varas (fasces), que é a origem do fascismo. Fascismo e corporativismo são a mesma coisa.

  10. Carlos Newton, seria muito interessante comparar os privilégios e penduricalhos dos agentes públicos em dois momentos: em 1955 e nos dias de hoje.

    Não sei se existe algum estudo nesse sentido, mas gostaria muito de tomar ciência.

    Se algum comentarista tiver conhecimento favor informar, pois será muito útil para medirmos o peso da “nova classe” formada com a mudança da capital para Brasília.

  11. Celso,
    A sua pergunta é interessante.
    Eu vou te dar números de Janeiro de 1976.
    O salário de um Pedreiro era NCR$ 1.800,00 por mês.
    O de um Juiz de Direito era NCR$11.500,00.
    PS 🙁 A moeda brasileira em 1976 já não se chamava mais cruzeiro novo. Chamava-se cruzeiro)

  12. Hoje, aniversário da cidade mais linda do mundo, e a que custou aos portugueses mais vidas e devoção pelo Brasil.
    O país continua a discutir tudo o que não presta, e se esquece de que o aniversário de uma cidade como o Rio de Janeiro é para se comemorar, e muito.
    O ladrões do.dinheiro público, como luiz inacio e sua curriola que o enfie em qualquer lugar.
    Uma cidade que tem um clube como o Vasco que esteve presente em todos os momentos grandiosos da bida pública, é para se orgulhar, e muito.
    Enquanto não aprendermos a dar valor às nossas verdadeiras conquistas , ficaremos nesse blablabla, e alimentaremos os desejos de vagabundos esquerdistas a se aparelharem para alçar o poder como diz o diabo dirceu.
    Por isso, eu lembro, mais uma vez, viva o Clube de Regatas Vasco da Gama que nasceu homenageando, e não se vangloriando como os demais.
    Viva o Rio de Janeiro, fundado à flexa e fogo, e salve São Sebastião que nos protege de todos os males.

  13. Este jornalista não tem o mínimo de decência para escrever isto. Deveria visitar os hospitais militares e ver o estado de penúria. Os hospitais militares são verdadeiros açougue com médicos sem experiência. O General Heleno há pouco expôs o seu salário que era de 19 mil e agora o camarada comunista fala em 30 mil. Olha, falta de decência é pouco para tanta mentira.

Deixe uma resposta para Francisco Bendl Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *