E se fossem os russos?

Mauro Santayana
Hoje em Dia

O advogado e blogueiro Pettersen Filho reproduz, em seu blog, anúncio da embaixada dos EUA, recrutando jovens “líderes” brasileiros, como “bolsistas”, com a seguinte mensagem:

“O Departamento de Estado dos EUA, por meio do Atlas Corps – uma rede internacional de líderes sem fins lucrativos, tem o prazer de anunciar oportunidades para líderes emergentes da sociedade civil para obter bolsas de estudos de 6 a 18 meses nos Estados Unidos. Interessados em se candidatar devem ter de 2 a 10 anos de experiência trabalhando em alguma ONG, nível universitário, até 35 anos de idade e fluência na língua inglesa…

Os bolsistas selecionados serão inseridos em uma organização renomada na área social nos Estados Unidos. Despesas com passagem aérea, visto de entrada nos EUA, seguro saúde, alimentação, transporte local e acomodação partilhada serão totalmente custeadas. Informações sobre o programa e como se candidatar estão disponíveis no site:http://apply.atlascorps.org.”

COOPTAÇÃO PERMANENTE

Não bastando trazer ONGs de fora, ou criar, aqui mesmo, organizações que se infiltram nos mais diferentes segmentos da sociedade brasileira – e, como lembra Pettersen – estão especialmente ativas na Região Amazônica, os EUA seguem firmes em sua permanente estratégia de cooptação de jovens “líderes” locais de todo o mundo, por meio de organizações de fachada, ou “associadas”.

A esperança é a de que eles, em seu retorno, espalhem o que “aprenderam” e atuem na defesa dos interesses norte-americanos.

Melhor, ainda, se, no futuro, alguns chegarem a posições proeminentes em seus respectivos países, para, como reza o slogan do AtlasCorps, “mudar sua perspectiva e mudar o mundo” – como aconteceu, com certeza, ao menos quanto à primeira metade da frase, com um jovem sociólogo brasileiro, financiado, nos anos 1960 – como lembrou em artigo o jornalista Sebastião Nery – pela Fundação Ford, com expressiva quantia para fundar uma organização chamada CEBRAP, muitos anos antes de chegar à Presidência da República.

Se fossem os russos e os chineses – parceiros do Brasil no BRICS – ou os cubanos – conhecidos por seu envolvimento em causas humanitárias, como o combate ao Ebola – que publicassem por aqui anúncio semelhante, dá para imaginar como seria o alarido fantasioso e anacrônico, “anticomunista” e “antibolivariano”, dos hitlernautas brasileiros, nos portais e redes sociais.

Mas como se trata dos EUA – prestes a estrear, nos cinemas nacionais, nova campanha de lavagem cerebral, com o filme “American Sniper” – nação “libertadora” do Iraque, da Líbia e da Síria, países em que suas guerras e “primaveras” deixaram milhões de mortos e refugiados e que estão entregues agora a terroristas originalmente armados pelos próprios EUA para combater quem estava no poder anteriormente – o assunto, com exceção de alguns sites da “blogosfera”, quase passa em brancas nuvens por aqui.

8 thoughts on “E se fossem os russos?

  1. Santayana, o Brasil está precisando é de boas escolas com educação de qualidade científica para criar a própria tecnologia, liberdade econômica, segurança jurídica, saneamento básico, infra-estrutura para a produção,etc. Cadê o partido bolivariano e corruPTo que vc apoia e que está no poder há 12 anos e arruinou o país?
    Isso sim é que é ser inimigo do Brasil.
    O Brasil não precisa desse seu ódio aos EUA ou a qualquer outro país do mundo para nada.
    Vá se internar num asilo , pois com a idade em que você já se encontra, não é mais possível reverter o quadro patológico que você apresenta.

  2. Não perguntarei…
    1) “E se fossem os cubanos?”, porque eles já estão aqui…E não publicaram na imprensa que haveria agentes para espionar….

    http://www.defesanet.com.br/front/noticia/16753/-Movimentacao-cubana-no-Brasil-e-na-Venezuela-desperta-suspeitas/

    “Quem é Jesus Velásquez?

    Algumas semanas atrás, militares das Forças Armadas encontraram, por acaso, o cubano Jesus Velásquez, um suposto “agente de Saúde” do Programa “Mais Médicos”, entregue a um fervoroso proselitismo castrista numa loja maçônica do interior da Paraíba.

    Velásquez – ou seja qual for o seu nome verdadeiro – não deveria estar ali. Ele fora designado para atender a população carente de um município do sertão de Pernambuco. Ao ser confrontado com o fato de que estava diante de representantes do Ministério da Defesa do Brasil, empalideceu.

    Os militares o fotografaram exaustivamente, o interrogaram e, mais tarde, relataram o caso para os seus superiores e para a Superintendência da Polícia Federal em João Pessoa.

    No Ministério da Defesa e no Ministério das Relações Exteriores, em Brasília, nunca houve dúvidas de que Havana despacharia informantes e ativistas do Partido Comunista de Cuba misturados à alegre troupe de médicos e assemelhados contratada pelo Ministério da Saúde para interiorizar a assistência médica no país.”

    2) E se fossem as FARCs?
    A) http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL707456-5602,00-FARC+ESTAO+INFILTRADAS+NA+ALTA+ESFERA+NO+BRASIL+SEGUNDO+REVISTA+COLOMBIANA.html
    B) http://www.estadao.com.br/noticias/geral,captura-de-guerrilheiro-revela-base-das-farc-no-brasil,552510

  3. Este Santayana precisa se tratar da cabeça com um médico “bolsista ideológico” cubano.
    Ou passar um tempo num acampamento bolivariano do MST.
    O mundo inteiro está em GUERRA!
    Tudo é conquistado com ARMAS!
    O Putin matou seu opositor!
    O PT matou Celso Daniel e Toninho!
    A humanidade ainda está no umbral terrestre, não aprendeu a contemplar a si e aos outros.
    A compartilhar e gozar a vida realmente.
    A evoluir material e espiritualmente.
    A pseudo democracia que o mundo expele é efetiva em pouquíssimos lugares e sempre às custas de algum povo distante.
    Achar que o seu grupo político é bonzinho e o os outros são mauzinhos é ridículo.

  4. Não se preocupe. Eles não vão investir em lacaios descarados, de baixo nível e sem porvir. Isso eles têm grátis aqui aos montões e até lhes são prejudiciais. Também não se fixam em diplomas universitários. Conhecimento do idioma é apenas um disfarce para afugentar inúteis totais, porque eles dispõem de quadros que falam qualquer língua nos EUA fluentemente. Querem é gente talentosa, como o Lula, que possa enganar muitos por muito tempo e, por que não?, ainda levar algum ou muito por fora no curso da empreitada e morrer consagrado como grande estadista.

  5. No meu tempo esta lavagem cerebral era feita em West Point e outras organizações (bases) militares lá nos States. Como os golpes militares estão demodê, a nova onda é formar ou seria “formatar” jovens, para o mesmo fim?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *