E se o PT voltar ao poder em 2018?

Resultado de imagem para LULA NO PODER CHARGES

Charge do Latuff (Arquivo Google)

Luiz Felipe Pondé
Folha

E se Lula ganhar as eleições em 2018? O Brasil terá um retrocesso ao paleolítico –sem querer ofender nossos ancestrais. Sei que inteligentinhos dirão: pelo contrário, as populações mais pobres voltarão a comprar TVs e carros. E eu direi: a bolsa fome é a grande miséria que alimenta o PT e seus associados.

Nelson Rodrigues dizia que, no dia em que acabasse a pobreza do Nordeste, dom Helder, o arcebispo vermelho, perderia sua razão de existir. Por isso, ele e a miséria do Nordeste andavam de mãos dadas.

ESTRATÉGIA – O truque do PT e associados é o mesmo: destruir a economia, acuar o mercado, alimentar uma parceria com os bilionários oligopolistas a fim de manter o país miserável e, assim, garantir seu curral eleitoral.

Como o velho coronelismo nordestino – conheço bem a região: sou nascido no Recife e vivi muitos anos na Bahia –, o PT e associados têm na miséria e na dependência da população seu capital.

Mas quero falar de outras dimensões da tragédia que nos cerca caso o PT retome o poder. Desta vez, o projeto “a Venezuela é aqui” se organizará de forma mais concreta.

JUSTIÇA NA MÃO – O Poder Judiciário, já em grande parte na mão da “malta” do PT, servirá ao partido de forma sincera e submissa, destruindo a autonomia da Justiça. Esse processo já está em curso, mas foi, temporariamente, barrado pelo percalço do impeachment e de alguns poucos setores não petistas do Poder Judiciário.

O Legislativo se acomodará, como sempre, a quem manda. O mercado também se acomodará, servindo, de novo, ao coronel Lula ou a algum genérico que o represente. Eliminarão qualquer elo na sua cadeia produtiva que suje seu nome –da empresa, quero dizer– junto à Nomenclatura.

DEVASTAÇÃO – Quanto à inteligência pública, essa será devastada. Perda de empregos, contratos, espaços nos veículos, com a bênção da quase totalidade das Redações e editorias. Se não apenas para eles mesmos não perderem empregos, contratos e espaços, também, e principalmente, porque a quase totalidade das Redações e editorias são petistas ou similares.

Nas universidades e nas escolas, a festa. Reforço absoluto da patrulha ideológica de forma orgânica, com apoio da Capes e de sua plataforma Sucupira.

A classe artística fará festivais para comemorar o retorno ao poder dos “progressistas” que dão dinheiro para eles gastarem até acabar. E, quando o dinheiro acabar, como acabou no Dilma 2, os “progressistas” sairão do poder, darão um tempo para os “conservadores” fazerem o trabalho sujo de reorganizar a economia e, quando a casa estiver um pouco mais organizada, voltarão ao poder para gastar tudo de novo.

HEGEMONIAS – Vivemos duas formas de hegemonia do PT e associados no Brasil: a hegemonia da miséria e do discurso populista de cuidado com ela e a hegemonia do pensamento público e de suas instituições.

A diferença entre o PT de antes do impeachment e o PT de agora será que antes ele ainda fazia pose de defensor das liberdades. Agora, ele perderá a pose e destruirá todo o tecido de liberdade de expressão no país.

E mais: a vitória de Lula em 2018 será a prova definitiva de que os eleitores não estão nem aí para suspeita de corrupção pairando sobre qualquer que seja o candidato. Todo esse mimimi ao redor da Lava Jato ficará claro como mimimi.

DANE-SE A CORRUPÇÃO – Ninguém está nem aí para isso. A começar pelos intelectuais, professores, artistas e integrantes de grande parte do Poder Judiciário. O combate à corrupção é (quase) uma farsa. Depressão, ressentimento, medo e vingança serão os afetos que definirão 2019.

ERA DAS TREVAS – As universidades, entidades quase absolutamente monolíticas e autoritárias, celebrarão a queima total de seus adversários internos e externos. Os alunos, coitados, ou aderirão à retomada vingativa do poder por parte do PT, ou perderão bolsas, vagas e carreiras.

E chegará a vez de as Forças Armadas também serem cooptadas pela hegemonia petista. Uma vez cooptada, como na Venezuela, a regressão ao paleolítico estará plenamente realizada.

O controle da mídia, em nome da “democracia”, implicará o silêncio imposto a todos que quiserem pagar suas contas.

(Artigo enviado por Celso Serra)

29 thoughts on “E se o PT voltar ao poder em 2018?

  1. Seria mais honesto, Pondé, meditar sob o título:” Dois caminhos para a volta ao Paleolítico”.
    Porque ambas as alternativas são horríveis, inaceitáveis. Digo mais: quase todas as outras alternativas são péssimas!
    Portanto, voto CIRO 12, com a consciência tranquila de ter feito não apenas a melhor opção, como também a única.
    E, pensando melhor ainda, você deveria escrever um texto conclamando os brasileiros a virarem o pavoroso cenário e apostarem em CIRO GOMES, a terceira via mais inteligente e sensata dessa eleição.

  2. Ótima reflexão! Mas acredito que a desobediência Civil será a derrocada final da Nação brasileira Hoje não há mais tantos cofres a ser arrombados pelos ladrões e corruptos amorais disse diversos partidos satélites do poder Lula acabou pela idade e pirataria não ter mais onde roubar.Nao há em 10 anos meios de concertar os cargos comissionados criados neses governos do PT. As mazelas na economia criminosamente queimada na fogueira das vaidades petistas.

  3. “E mais: a vitória de Lula em 2018 será a prova definitiva de que os eleitores não estão nem aí para suspeita de corrupção pairando sobre qualquer que seja o candidato.”

    -Quem gosta de bandido é bandido. Quem defende ladrão também é ladrão. Quem vota em alguém sabidamente criminoso para auferir alguma vantagem pessoal, não passa de cúmplice dos seus crimes.
    -Mas… Como este é um espaço democrático…

  4. Se acontecer essa tragédia para o Páis com as eleições da smartMatic para o tucapetralhismo, só haverá três saídas.

    1 – Intervenção para ontem
    2 – Aeroporto de Guarulhos
    3 – Aeroporto do Galeão

    E se piquem, como dizia o Galeão-Cumbica.

    • Alckimin e Haddad foram feitos um para o outro.
      Os dois Partidecos são a mesma face da moeda.
      Qualquer um dos dois seria uma tragédia de proporções incalculáveis
      Por falar nisso, o famoso Ladrão de Merendas e outras coisas era contra o impeachment da Dona Assaltante.
      A oposição do PSDBando de Bandidos é tudo fachada.
      A única diferença entre os dois são os estilos de vida, enquanto o irmão mais novo come buchada de bode e toma cachaça 51 o irmão mais velho toma vinho e champagne francês comendo um bom caviar.

    • -Mas se voltar, apenas significa que, nesta terrinha da Nossa Senhora Aparecida, os ladrões, os picaretas, os cooptados, os sem-vergonhas, os preguiçosos, os espertalhões, os estelionatários – e, por complementação – os idiotas, compõem a maioria do nosso povo e das nossas Instituições.

      -Se a situação já ruim agora, imagine quando o bandido estiver na Casa Civil, cheio da razão e de dívidas com as empresas de comunicação que o apoiaram! Quem não fizer parte de um sindicato e quem se posicionou contra o Partido, TÁ NO SAL…

  5. Um auto exilio voluntário enquanto não formos proibidos de deixar o país. Para onde ir? Quem puder ir que vá! e quem não puder(a maioria esmagadora da população, talvez só restará pegar em armas para matar ou morrer(uma possibilidade pelo menos 10 vezes maior da 2ª hiipótese) ou como na Venezuela morrer de fome. Se for para morrer que seja de forma digna com uma bala na testa do que definhando implorando comida para os esquerdopatas.

  6. Desculpe Alex Cardoso, mas não se trata de recalque, vivemos, isto sim, um momento traumático, um momento diferente da nossa história, onde absurdos da política nos têm sido revelados diariamente, repetidas vezes ao dia. Porém, e infelizmente, vivemos nesse momento o que plantamos como Nação invigilante, que não gosta de política. E, no entanto, ao renunciar ao gosto pela política é obrigada a ser governada por quem gosta. E quem gosta de política nem sempre tem um compromisso ético efetivo. E esse despertar doloroso resulta nisso, ou esse despertar se dá de forma turbulenta como estamos vendo Isso não tem nada a ver com recalque, é o contrário, já que todos os comentaristas, e vc tb, expressam o que pensam aqui na TI. Todos demonstram indignação, mas não recalque. Pois o recalque nada mais é do que reprimir, deixar de manifestar. Ou, o contrário do que acontece aqui.

  7. “Suspeita-se dos espertos, dos velhacos, dos farsantes; no entanto, não poderíamos atribuir-lhes nenhuma das grandes convulsões da história; não acreditando em nada não vasculham nossos corações, nem nossos pensamentos mais íntimos, abandonam-nos à nossa indolência, ao nosso desespero o à nossa inutilidade; a humanidade deve a eles os poucos momentos de prosperidade que conheceu: SÃO ELES QUE SALVAM OS POVOS QUE OS FANÁTICOS TORTURAM E QUE OS IDEALISTAS ARRUÍNAM.” (CIORAN)

  8. ” O Estado de São Paulo edição de 29, revela que o endividamento está na casa dos 5 trilhões de reais, correspondendo a 77,3% do Produto Interno Bruto. Sobre o total de 5 trilhões de reais incidem os juros de 6,5%a/a, Taxa Selic.”

    -O BRASIL FOI DESTRUÍDO. E qualquer um que ganhe terá que cobrar dos cidadãos o preço da reconstrução. Mas ainda tem gente que tem a coragem de defender os vermes que acabaram com o futuro de milhões de seres humanos moradores desse lixão.

  9. “Nelson Rodrigues dizia que, no dia em que acabasse a pobreza do Nordeste, dom Helder, o arcebispo vermelho, perderia sua razão de existir. Por isso, ele e a miséria do Nordeste andavam de mãos dadas.”
    Será mesmo que sem a miséria as esquerdas deixariam de existir, como alega Pondè? Não parece ser assim no primeiro mundo, onde as regiões mais ricas são em geral as mais esquerdistas. O partido democrata não é mais forte e mais esquerdista na rica Nova Iorque e na riquíssima Califórnia? Mesmo aqui no Brasil há muito esquerdismo do tipo Radical Chic: No Rio, Crivella foi eleito prefeito pelas áreas mais pobres, enquanto psolista Marcelo Freixo ganhou na zona sul:
    http://g1.globo.com/politica/eleicoes/2016/blog/eleicao-2016-em-numeros/post/no-rio-crivella-vence-em-71-zonas-eleitorais-e-freixo-em-26.html

    Pobres em geral são conservadores, do ponto de vista moral e social, seja na zona norte carioca ou no nordeste. Quando votam no PT, é porque estão retribuindo favores recebidos da era lulista. A prosperidade apregoada pelo tipo de conservadorismo defendido por Pondé nunca chegou para os mais pobres e por isso eles acabaram se bandeando para o lado dos petistas.
    Na verdade, o conservadorismo das pregações de Pondé nada tem de conservador, exceto talvez algum moralismo de valores de família que se baseia apenas na adesão voluntária de quem neles acredita. O resto é apenas idolatria do dinheiro. Não leva em conta que o capitalismo em si nada tem de conservador, visa apenas vender e lucrar, e qualquer restrição moral acaba entrando em choque com interesses comerciais. Uma sociedade capitalista perfeita sempre será a mais permissiva possível, e nela se poderá obter de tudo, inclusive abortos, drogas e pornografia, porque senão se estará perdendo dinheiro, e qualquer crítico disso será sempre o hipócrita a ser excluído. Daí o crescente esquerdismo cultural das sociedades afluentes.
    O conservadorismo do tipo defendido por Pondé, centrado no dinheiro, não tem força política porque não tem nada a oferecer aos pobres, que poderiam ser seus aliados naturais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *