Economista pinóquio de Haddad resolve dívida pública com a maior facilidade

Resultado de imagem para marcio pochmann

Pochmann é um gênio ou um completo idiota…

Alexandre Schwartsman
Folha

Não posso ainda afirmar que Marcio Pochmann seja o pior economista do Brasil, mais por excesso de competição do que por falta de esforço, mas garanto que ganha fácil o título de mais desonesto. Não me entendam mal. Não se trata aqui de usar a velha falácia “ad hominem”, qual seja, tentar desmerecer o argumento pelas falhas de seu autor, mas sim apontar as falhas do autor pelas carências, no caso gritante, de seus argumentos.

A questão no fundo é simples. Pochmann afirmou que um imposto de 1% sobre grandes fortunas eliminaria o déficit previsto para 2019, R$ 139 bilhões, conforme o Orçamento para o ano que vem. Isto requereria que grandes fortunas montassem a R$ 13,9 trilhões; todavia, segundo os dados da Receita Federal, o conjunto total de bens e direitos declarados pelos pouco mais de 27 milhões de contribuintes que preencheram o formulário do Imposto de Renda atingia R$ 8 trilhões.

CONTAS NÃO BATEM – Posto de outra forma, nem tributando todos os declarantes de IR a proposta de Pochmann chegaria perto de resolver o enorme desequilíbrio fiscal do país.

Confrontado à simples aritmética, Pochmann pôs em prática um enorme arsenal de desonestidade, sem jamais enfrentar a questão.

Começa atribuindo a desordem fiscal ao atual governo. Em que pesem decisões equivocadas, como levar adiante a proposta de reajuste do funcionalismo gestada no governo Rousseff, não é preciso mais do que saber contar para perceber a falsidade do argumento.

MUITOS ERROS – Quando Dilma assumiu o superávit do governo federal era (a preços de hoje) de R$ 126 bilhões; quando saiu o déficit superava R$ 170 bilhões, deterioração da ordem de R$ 300 bilhões. Primeira mentira.

A segunda é mais sutil, mas não menos desonesta. Pochmann faz malabarismos para mostrar que a dívida do governo não subiu no período Dilma, utilizando-se para tanto do conceito de dívida líquida, que deduz da dívida total as reservas internacionais de posse do BC.

Ocorre que, quando o dólar se encarece as reservas se apreciam, fenômeno que reduz a dívida líquida. Todavia, isto não reflete de forma alguma o desempenho fiscal do país, apenas a valorização do dólar. A medida correta de endividamento fiscal é a dívida bruta, que saltou de 52% para 67% do PIB no período Dilma (e, em julho deste ano, atingiu 77% do PIB). Em outras palavras, o avanço do endividamento do governo foi muito maior com Dilma, fato escamoteado por Pochmann. Segunda mentira.

DESEMPREGO – De passagem, Pochmann menciona que o desemprego subiu de 8,4% para 11,7%, sem se dignar a esclarecer a qual período se refere. Já eu noto que o desemprego (ajustado à sazonalidade) era pouco inferior a 8% quando Dilma assumiu, 11% quando foi impedida e hoje se encontra na casa de 12% (depois de bater em 13% no início de 2017), ou seja, o grande salto ocorreu precisamente no governo Rousseff. Terceira mentira.

Pochmann conclui seu artigo agora afirmando que, além da taxação de grandes fortunas, seriam necessárias também a reformulação do imposto sobre heranças e taxação de dividendos para fechar as contas. Não admite que errou e também não mostra de onde tirou a estimativa do “potencial arrecadatório” equivalente a 1,5% do PIB. Quarta mentira (e um tanto a mais de mistificação).

Quando afirmarem que o pragmatismo há de prevalecer caso Fernando Haddad se eleja presidente, lembrem-se que Pinochmann, o economista mais desonesto do país, é também o coordenador de seu programa econômico.

(artigo enviado pelo advogado e economista Celso Serra)

8 thoughts on “Economista pinóquio de Haddad resolve dívida pública com a maior facilidade

  1. Que mudança o governo de Haddad faria, se o seu próprio partido não conseguiu fazer nos 14 anos quando estava á frente da presidência do Brasil?
    O PT venceu em 2002, também em 2006, ganhou de novo em 2010, assim como 2014, mas a culpa da crise é sempre dos outros.

    • Nas pesquisas Haddad está logo atrás de Bolsonaro, mas o #elenão se refere a apenas um candidato. Ainda dizem que essa palhaçada é supra partidária. Esse movimento é tão supra partidário, quanto o jacaré que voa de costas. Eles se convencerem disso, é problema deles, mas tentarem nos convencer desta estupidez, aí já é demais.

  2. Os assaltos praticados contra Petrobrás , durante os governos de FHC , Lula , Dilma , não representam 10 % dos assalto praticados por bancos culúndriados com estes governos , no mesmo período . Palocci que os delate . Déficit Publico = Divida Falaciosa = Pagamento indevido . Este roubo é o principal motivo do deficit público .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *